Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Luiz Carlos Antunes (Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), , Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).

BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

SOPRO DE VIDA

30 outubro 2015

Na iminência de verem enterradas todas e quaisquer tentativas de vida jazzística na cidade do Rio de Janeiro - afinal, com nossa exuberante cena cultural, riquíssima em pagodes desafinados de porta de boteco e com todos esses memoráveis bailes funk movidos a drogas, ao longo das favelas que literalmente nos cercam, quem precisa de jazz? -, eis que a última brasa da fogueira recebe uma lufada de vento maral e se acende mais uma vez. Depois de terem feito uma derradeira apresentação no restaurante Vizta, a valorosa "Armata Brancaleone" de nosso colaborador Reinaldo Figueiredo (o RayNaldo) ressurge, com esta bela notícia, que divulgo para conhecimento de todos:


Olá, amigos do Bossa Jazz e Muito Mais!

É com grande alegria e orgulho que noticio a todos vocês, em primeira mão, nosso novo parceiro no projeto Bossa Jazz e Muito Mais!

Voltaremos a produzir nossos grandes shows em parceria com o Hotel Pestana Rio Atlântica 

A rede Pestana, é uma grande cadeia de hotéis possui 86 unidades espalhados pelo mundo, todos top.

Faremos um soft-opening nos dias 30 & 31 de outubro (6a. e sábado) para convidados ultraexclusivos e vocês fazem parte disso!

Os grupos que irão se apresentar são a CEJ (Companhia Estadual de Jazz) e a Conexão Rio com convidados.

Na 6a., dia 30/10, a CEJ irá apresentar seu sambajazz levando ao Pestana seu time oficial, Reinaldo Figueiredo (contrabaixo), Sergio Fayne (piano), Chico Pessanha (bateria) e Fernando Clark (guitarra), e mais o convidado especial Guilherme Dias Gomes (trompete). O Sambajazzificator System  está com sua versão 2015.1 atualizada, vale conferir!  

No sábado dia 31/10, um lindo show de bossa nova da Conexão Rio com a participação especialíssima de Vinícius Cantuária na bateria e Vittor Santos no trombone, dois artistas internacionias e do primeiro time no mundo!
O grupo é formado por André Cechinel (fender rhodes), Fernando Barroso (baixo), Maria Thalita (voz) e Fernando Clark (guitarra).

Por ser uma estréia, nosso couvert simbólico será de R$10,00, para testarmos toda a operação.

Infelizmente teremos apenas 80 reservas e para tal, disponibilizamos o contato de nossa hostess Tânia para organizar a lista, é fundamental reservar!

Para reservar o show ligue: 21 96784-2262,  garantimos a reserva até as 21.15h

Vamos em frente e viva música!

Serviço:  Pestana Rio Atlântica, Av. Atlântica, 2964, Copacabana


Voltando: então é isso, pessoal, eu já confirmei minha ida HOJE para dar uma geral no ambiente e curtir um pouco do oxigênio para o espírito, carente de música de qualidade ao vivo. Quem mais do CJUB quiser aparecer será muito bem vindo pela CEJ, pois querem avaliações nossas. Abraços.

P O D C A S T # 2 8 1














      LESTER YOUNG






PARA DOWNLOAD DO ÁUDIO CLICAR NO HYPERLINK ABAIXO:

http://www34.zippyshare.com/v/zSGgdhnR/file.html

RESULTADO DA ENQUETE DA DOWNBEAT

29 outubro 2015

A revista de prestígio internacional de jazz "Downbeat" lançou a lista de músicos vencedores da enquete de 2015 realizadas entre os seus leitores em todo o mundo, a ser publicado em sua edição de dezembro, com reportagens e entrevistas com alguns dos vencedores. Esta publicação também inclui um extenso relatório sobre a vida artística do saxofonista Phil Woods, que morreu recentemente.
Músicos que ganharam em mais de uma categoria foram: Maria Schneider, Tony Bennett (entrou no "Wall of Fame"), Herbie Hancock, Wayne Shorter e Chick Corea, ganhando o primeiro lugar em dois deles cada. De certa forma Wynton Marsalis também já que ganhou o primeiro lugar como trompetista, e a Orquestra de Jazz at Lincoln Center que ele dirige, que venceu a categoria big bands.
As enquetes anuais de leitores e críticos foram transformadas através das últimas seis décadas ou mais, nas de maior prestígio no mundo da música. Este ano, votaram cerca de 29 mil leitores.
A seguir estão os vencedores nas diversas categorias (por razões de espaço públicamos apenas os três primeiros):

Hall of Fame: TONY BENNETT, seguido por Wynton Marsalis e John McLaughlin
Jazz Artist: CHICK COREA, seguido por Wayne Shorter, Chris Potter
Grupo Jazz: SNARK PUPPY, seguido por Pat Metheny Unity Group e Wynton Marsalis 5
Big Band: Do LINCOLN CENTER JAZZ ORCHESTRA, seguida pela Orquestra de Maria Schneider e Count Basie Orchestra
Jazz Album: Chick Corea Trio, seguido por Tony Bennett / Lady Gaga e Chris Potter Metro
Álbum histórico: Wayne Shorter, SPEAK NO EVIL
Trompete: WYNTON MARSALIS, seguido por Ambrose Akinmusire e Tom Harrell
Trombone: TROMBONE SHORTY seguido por Wycliffe Gordon, Steve Turre
Saxofone soprano: WAYNE SHORTER, seguido de Branford Marsalis e Dave Liebman
Saxofone alto: ORNETTE COLEMAN, seguido por Kenny Garrett e Phil Woods
Saxofone tenor: CHRIS POTTER, seguido por Wayne Shorter e Branford Marsalis
Saxofone barítono: GARY SMULYAN, seguido por James Carter e Ronnie Cuber
Clarinete: ANAT COHEN, seguido de Paquito D'Rivera, Buddy DeFranco
Flauta: HUBERT LAWS, seguido por Charles Lloyd e Lew Tabackin
Piano: HERBIE HANCOCK, seguido de Chick Corea, Keith Jarrett
Teclados: HERBIE HANCOCK, Chick Corea seguido por Robert Glasper
Órgão: JOEY DEFRANCESCO, seguido por Larry Goldiongs, Dr. Lonnie Smith
Guitarra: PAT METHENY, seguido por Bill Friell, John Scofield
Baixo: CHRISTIAN MCBRIDE, seguido por Charlie Haden, Ron Carter
Baixo elétrico: STANLEY CLARKE, Marcus Miller e Victopr Wooten
Violino: REGINA CARTER, seguido de Jean Luc Ponty e Mark Feldman
Bateria: Jack DeJohnette, seguido por Brian Blade e Antonio Sanchez
Percussão: PONCHO SANCHEZ, seguido por Trilok Gurtu e Airto Moreira
Vibrafone: GARY BURTON, seguido por Bobby Hutcherson e Joe Lockeç
Vários: BELA FLECK (banjo), TOOTS THIELEMANS (gaita), PAT METHENY (orquestração)
Cantora: Diana Krall, seguido por Esperanza Spalding e Cassandra Wilson
Cantor masculino: TONY BENNETT, seguido por Kurt Elling e Gregory Porter
Compositor: MARIA SCHNEIDER seguido por Ornette Cioleman e Chick Corea
Arranjador: MARIA SCHNEIDER seguido por Wynton Marsalis e Gordon Goodwin
Gravadora: BLUE NOTE seguido por ECM e Concord
Blues: B.B. KING seguido de Buddy Guy e Eric Clapton

CRÉDITOS DO PODCAST # 280

27 outubro 2015

LIDER
EXECUTANTES
TEMAS / AUTORES
GRAVAÇÕES LOCAL e DATA
HERMAN RILEY
Herman Riley (st), Llew Matthews (pi), John Giannelli (bx) e Roy McCurdy (bat)
SANS SOUCI (Gigi Gryce)
“Live” at Giannelli Square,  Northridge, Califórnia,  30/abril/2006.
MARCUS ROBERT
Marcus Roberts (pi), Roland Guerin (bx) e Jason Marsalis (bat)
COUNTRY BY CHOICE
(Marcus Roberts)
New York, 27/julho/1988
ART PEPPER
Art Pepper (sa), Ted Brown, Warne Marsh (st), aliás Pepper tb é tenorista, Ronnie Ball (pi), Ben Tucker (bx) e Jeff Morton (bat)
WARNIN’ (Art Pepper) 
Hollywood, CA, 21/dezembro/ 1956
BRIAN LYNCH
Brian Lynch (tp), Ralph Bowen (st), Luis Perdomo (pi) Boris Kozlov (bx), Ernesto Simpson (bat) e Roberto Quinero (perc)
J. B. DILEMMA (Brian Lynch)
Brooklyn, NY, 14/outubro/2004
BENNY CARTER
Russell Smith, Otis Johnson, Irving "Mouse" Randolph (tp), Benny Morton, Keg Johnson (tb), Benny Carter (sa, ldr), Ben Smith, Russell Procope (sa) Ben Webster (st), Teddy Wilson (pi), Clarence Holiday (gt), Elmer James (bx) e Walter Johnson (bat)
EVERYBODY SHUFFLE
(Benny Carter)
New York, 13/dezembro/1934
MAYNARD FERGUSON
Maynard Ferguson, John Bello, Chet Ferretti, Jimmy Nottingham, Bernie Glow, Don Rader (tp,flh), Wayne Andre, Urbie Green, John Messner, Bill Watrous (tb), Paul Faulise (b-tb), Ray Alonge, Jimmy Buffington (fhr), Lanny Morgan, Charlie Mariano (sa), Willie Maiden, Frank Vicari, Romeo Penque (st), Roger Pemberton (sbar),  Stan Webb (b-cl,bassoon), Phil Bodner (cl), Don Butterfield (tu), Michael Abene (pi), Barry Galbraith (gt), Richard Davis (bx), Mel Lewis (bat) e  George Devens (perc)) Don Sebesky (arr)
EVERYDAY I HAVE THE BLUES
(John Len Chatman nome do bluseiro Memphis Slim)
New York, 11/dezembro/1964
KENNY BURRELL
Tommy Flanagan (pi), Kenny Burrell (gt, ldr), Oscar Pettiford (bx) e Shadow Wilson (bat)
CHEETAH (Kenny Burrell)
New York, 12/março/1956
MEMPHIS SLIM
Memphis Slim (pi, vcl), Jimmy Conley (sa), A.C. Reed (st), Buddy Guy (gt), Junior Wells (hca), Phil Guy (rhythm-gt), Ernest "Juice" Johnson Jr. (bx) e Roosevelt Shaw (bat)
WHEN BUDDY COMES TO TOWN (Memphis Slim)
Chicago, 17/setembro/1970
EUMIR DEODATO
Durval Ferreira (violão), Eumir Deodato (pi, arr), Maurílio da Silva Santos (tp), Neco (Daudeth Azevedo) (gt), Gabriel Jorge Bahlis (bx) e Wilson das Neves (bat)
TEMPINHO BOM (Eumir Deodato
LP IDEIAS – Selo Odeon - 1964
LEWINSKY
Rolf Delfos (sa), Arno Krijger (org), Anton Goudsmit (gt) e Pascal Vermeer (bat)
CARAVAN (Juan Tizol)
Tilburg, Holanda, agosto/2007
CAL TJADER STAN GETZ
(BG)
Stan Getz (st), Cal Tjader (vib), Vince Guaraldi (pi), Eddie Duran (gt), Scott LaFaro (bx) e Billy Higgins (bat)
CROW'S NEST (Cal Tjader) 
San Francisco, CA, 8/fevereiro/1958

P O D C A S T # 2 8 0

23 outubro 2015

ART PEPPER
BRYAN LYNCH

EUMIR DEODATO
MEMPHIS SLIM



PARA DOWNLOAD DO ÁUDIO CLICAR NO HYPERLINK ABAIXO:

http://www96.zippyshare.com/v/CyQ1B2Nf/file.html

CRÉDITOS DO PODCAST # 279

20 outubro 2015

LIDER
EXECUTANTES
TEMAS / AUTORES
GRAVAÇÃO  LOCAL / DATA
HERB GELLER
Herb Geller (sa), Tom Ranier (pi), Jennifer Leitham (bx) e Louie Bellson (bat)
BANKIN' ON BANK (Herb Geller)
Hollywood, CA, 6/ agosto/1993
MAYBE SEPTEMBER
(Jay Livingston / Percy Faith / Ray Evans)
ILLINOIS JACQUET
Illinois Jacquet (st), Tommy Flanagan (pi), Kenny Burrell (gt), Wendell Marshall (bx),  Ray Lucas (bat) e Willie Rodriguez (perc)
DESERT WINDS
(Esmond Edwards)
Englewood Cliffs, N.J., 13/fevereiro/1964
WHEN MY DREAMBOAT COMES HOME
(Cliff Friend / D. Andrew Franklin / Dave Franklin)
TERAESA VINSON
Teraesa Vinson (vcl) acc por: Ron Blake (st), Carlton Holmes (pi), Tom Dempsey (gt), Nicki Parrott (bx) e Dion Parson (bat)
WHILE WE'RE YOUNG
(Alec Wilder / Morty Palitz / William Engvick)
New York, 5/abril/2004
THE SONG IS YOU
(Jerome Kern / Oscar Hammerstein II)
RON HOCKETT
Ron Hockett (cl), John Sheridan (pi), James Chirillo (gt), Phil Flanigan (bx) e Jake Hanna (bat)
UNDECIDED
Charlie Shavers / Sydney Robin)
New York, 16/janeiro/2008
STRANGE BLUES
(Wingy Manone)
LIONEL HAMPTON
Lionel Hampton And His Orchestra : Wendell Culley, Duke Garrette, Jimmy Nottingham, Joe Wilder, Leo Shepherd (tp), Jimmy Wormick, Mitchell "Bootie" Wood, Al Hayse, Andrew Penn (tb), Bobby Plater, Ben Kynard (sa). Arnett Cobb, Johnny Griffin (st), Charlie Fowlkes (sbar), Lionel Hampton (vib, ldr), Milt Buckner (pi), Billy Mackel (gt), Joe Comfort (bx) e Fats Heard (bat)
COBB’S IDEA
(Arnett Cobb / L. Hampton) 
Los Angeles, setembro/1946
RED TOP (L. Hampton) 
SONNY CRISS
Sonny Criss (sa), Kenny Drew (pi), Barney Kessel (gt), Buddy Woodson (bx) e Chuck Thompson (bat)
EASY LIVING
(Leo Robin / Ralph Rainger) 
Los Angeles, 26/janeiro/1956
WEST COAST BLUES
(Wes Montgomery)
SONNY ROLLINS
(BG)
Sonny Rollins Quintet : Donald Byrd (tp), Sonny Rollins (st), Wynton Kelly (pi), Gene Ramey (bx) e Max Roach (bat)
DECISION (Sonny Rollins)
Hackensack, N.J., December 16/dezembro/1956

Aguas de São Pedro sediará a primeira edição do Gourmet Jazz Festival

19 outubro 2015

 Alta gastronomia estará em afinação total com o jazz internacional

A cidade de Águas de São Pedro e região vão ganhar mais uma atração no seu calendário turístico. Entre os dias 20 a 22 de novembro a estância vai sediar a primeira edição do Gourmet Jazz Festival
O sabor da alta gastronomia com o toque refinado de grandes nomes do jazz mundial misturados ao charme e tranquilidade da principal estância hidromineral do Estado de São Paulo vão compor o cenário ideal para os fãs de boa música e os apreciadores de bons pratos. 
O cardápio de atrações do festival é bem variado.  Entre as atrações confirmadas, nomes de peso como o trio de jazz liderado pelo pianista norte-americano Ramsey Lewis, vencedor de 3 Grammy Awards e 7 certificações Ouro, que se apresenta pela primeira vez no país; o Trio Corrente, grupo paulista de jazz que em 2014 venceu o Grammy na categoria de melhor álbum de jazz latino; o trompetista Jon Faddis, mundialmente reconhecido como um dos mais inovadores e inspiradores jazzistas de todos os tempos; outros destaques divulgados são o quarteto do radialista e guitarrista Daniel Daibem e os paulistanos da Traditional Jazz Band.

A arquitetura art déco do Grande Hotel São Pedro vai sediar as atrações internacionais - com ingressos exclusivos para os hóspedes do hotel - enquanto o Centro de Eventos e Convenções vai ser o palco do melhor do jazz nacional para o público em geral com entrada gratuita. 
Entre uma apresentação e outra os visitantes terão a oportunidade de degustar um cardápio especial, preparado com exclusividade para o festival. Inspirado pelas parcerias do jazz, o festival vai juntar a expertise dos chefs dos restaurantes e bares do Grande Hotel São Pedro - sede da reconhecida escola de gastronomia e turismo do Centro Universitário do Senac (Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial)- com a tradição da culinária dos restaurantes de Águas de São Pedro. 
A Cielo apresenta o Gourmet Jazz Festival, que leva a assinatura da Atitude Cultural, uma empresa de eventos que vem se destacando no mercado graças aos seus projetos arrojados na área da cultura, que aliam experiências inovadoras com responsabilidade social e valorização dos seus parceiros.

Sobre Águas de São Pedro - localizada a 180km de São Paulo, a cidade é considerada uma das melhores estâncias do país. O segundo menor município brasileiro em extensão territorial com apenas 5,54 quilômetros quadrados, possui 3.004 moradores e o segundo melhor Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM), de acordo com a classificação da Organização das Nações Unidas.  Conhecida pelas suas águas hidrominerais de valor medicinal, suas fontes naturais fazem do turismo a principal atividade do município, o que atrai ao menos 5.000 pessoas nos finais de semana.

Para maiores informações, as pessoas podem acessar o site do evento (www.gourmetjazzfestival.com.br) ou seguir o evento nas redes sociais Facebook (http://www.facebook.com/Gourmet-Jazz-Festival-200773830091235).

SERVIÇO
Gourmet Jazz Festival 2015
Dias 20, 21 e 22 de novembro de 2015
Grande Hotel São Pedro
Centro de Eventos e Convenções Municipal
Águas de São Pedro - SP
Realização: Atitude Cultural
Patrocínio exclusivo: Cielo
Apoio: Senac
Site: www.gourmetjazzfestival.com.br

Mais informações:
Ivan Chagas (Relações Públicas & Marketing)
(11) 4085-0660



17 outubro 2015


SériePIANISTAS DE JAZZ
Algumas Poucas Linhas Sobre o Piano e os Pianistas
20ª Parte

(24)(b) BILL EVANS        Acima de qualquer nivel        (Sequência)

A filmografia de BILL EVANS, ainda que reduzida, nos brinda com excelentes momentos de seus desempenhos, principalmente em trio. Assim, temos:
(01) The Subject Is Jazz, U.S.A., 1958, série para a televisão em 13 módulos de 30 minutos cada um, com BILL EVANS no módulo 13 (“The Future Of Jazz”);
(02) Bill Evans Trio, U.S.A., 1968, 20 minutos, produção para a televisão, execução de “So What”;
(03) Bill Evans, U.S.A., 1968, 17 minutos, direção de Leland Wyler, gravação de 03 números em clube, um deles com Scott laFaro (“Jade Visions”);
(04) Jazz At Maintenance Shop, U.S.A. (versão brasileira dentro da série “O Melhor do Jazz”), 1979, 59 minutos, gravação para a televisão de apresentação do trio de BILL EVANS em clube de Iowa;
(05) Jazz Connections - Bill Evans, série da La Sept Art, França, 1996, 53 minutos, percorre de forma concentrada boa parte da biografia de BILL EVANS, com excelentes tomadas e fotos de suas infância, juventude e fase adulta, além de interpretações em trio e depoimentos de músicos de JAZZ;
(06) The Universal Mind Of Bill Evans – O Processo de Criação, Raphsody Films, 1991, 44 minutos, produzido por Helen Keane “manager” de BILL EVANS e rodado em Baton Rouge, Louisiana, com apresentação de Steve Allen;
(07) Piano Legends da série“Naipes do Jazz”, apresentação de Chick Corea, com BILL EVANS como um dos destaques por sua introspecção e romantismo em piano.solo;
(08) Bill Evans Trio - The Oslo Concerts, Sanachie, 70 minutos, BILL EVANS em trio, Outubro/1966 no “Oslo Munch Museum” com Eddie Gómez e Alex Riel executando 07 temas e em Agosto/1980 no “Molde International Jazz Festival” com Marc Johnson e Joe LaBarbera, executando 04 temas e entrevista de BILL EVANS ao final; sobre o “Molde International Jazz Festival” (Molde, Noruega, 1961 a 1980, organizado pelo “Storyville Jazz Club”),consulte o respectivo verbete no livro de Mario Jorge Jacques (MAJOR),“Glossário do Jazz”, 2005, 1ª Edição.
A BIBLIOGRAFIA referente a BILL EVANS é extensa, já que a prática totalidade de obras sobre JAZZ se alongam ou, pelo menos, citam-no em verbetes e comentários. Como exemplos entre outras dezenas indicamos os citados a seguir:
(01) Gran Enciclopédia Del Jazz, Editora SARPE / Espanha, 1980, contém extenso e bem montado verbete sobre BILL EVANS nas páginas 601 a 603;
(02) The Great Jazz Pianists, Len Lyons, 1983, DaCapo Press, U.S.A., seguramente um dos melhores livros com conteúdo “jazzístico” dos já escritos, tem nas páginas de 218 a228 alentada entrevista de 1974 com BILL EVANS, realizada em quarto de hotel em Monterey com arremate nos estúdios da Fantasy Records em Berkeley;   BILL EVANS enfatiza que ouve e analisa todo o trabalho de Parker, Gillespie e Getz, suas origens em J.S.Bach e suas atenções e técnica voltadas para a forma, a estrutura e a harmonia, com a melodia subjacente;
(03) Los 100 Mejores Discos Del Jazz, Jorge Garcia, Federico G. Herraiz, Federico Gonzáles e Carlos Sampayo, Editora La Máscara, 1993, Espanha, inclui entre os 100 melhores além do “Kind Of Blue” de Miles Davis e do “The Blues And The Abstract True” de Oliver Nelson, ambos com a participação de BILL EVANS, 02 álbuns com BILL como titular e em trio - “Waltz For Debby” e “Alone (Again)”;
(04) Els 25 Grans Del Jazz, Miguel Jurado, 1996, Editora Pirene e Proa, Barcelona / Espanha (texto em catalão), dedica as páginas de 75 a 79 aum bom histórico sobre BILL EVANS (segundo o autor, um dos 25 “grans”);
(05) Os Grandes do Jazz, Ediciones Del Prado, 1996/1997, Espanha (tradução para o português), apresenta bom histórico sobre BILL EVANS nas páginas de 121 a 132 do 5º volume; traz acoplado CD com 11 faixas, 63’28”, que inclui “Autumn Leaves”, “Turn Out The Stars”, “Nardis”, “Emily” e outras, gravadas na turnê européia de 1969 (Itália, Dinamarca, Holanda), com Eddie Gómez e Marty Morell;
(06) Kind Of Blue, lançado em 2007 (tradução de original americano de 2000), Ashley Kahn, é relato importante sobre a produção desse álbum, com evidente destaque para BILL EVANS.
INDICAÇÃO RESUMIDA DE DISCOGRAFIA
A carreira discográfica de BILL EVANS iniciou-se em 1954 (New York), ele então com 24 anos, caminhando a partir dai por mais de 02 décadas de muito trabalho artístico até setembro/1980 no "Keystone Corner" em San Francisco / Califórnia, aos 51 anos, contabilizando cerca de 1.800 registros ("faixas"): a imensa maioria foi de temas lançados discograficamente no mercado, além de diversos "alternate takes" e umas poucas entrevistas.
Foi indicado para o "Grammy" em 03 oportunidades.
A prática totalidade de suas gravações encontra-se no mercado com formação, data e local perfeitamente identificados, mas com alguns poucos em que não há precisão quanto à data, ao local e/ou à constituição do grupo integrante da gravação.
Esses registros de BILL EVANS também foram lançados no mercado em diversas coletâneas mediante dezenas de acordos paralelos entre as gravadoras detentoras das matrizes originais e os distribuidores em cada caso.   Há coletâneas que não cuidaram bem do produto, enquanto outras constituem-se em documentos sérios e bem tratados  tomamos como bom exemplo a coleção “The Jazz Masters” (101 CD’s e 03 volumes, Ediciones Folio S.A., 1ª Edição, 1996, Espanha, tradução para o português), que teve reedição de 13 CD’s pela “Delira Música” em sua “Série Jazz”;    o CD nº 13 da coleção original é dedicado a BILL EVANS e recebeu, de nosso saudoso J.D.Raffaelli e nessa reedição, as concisas e precisas notas do encarte, para álbum “obrigatório” em qualquer discoteca seleta de JAZZ, pela reunião de temas clássicos ou tornados clássicos por BIIL EVANS, entre composições dele e de terceiros:     “Waltz For Debby”,  “Nardis”,  “Time Remembered”,  “Twelve Tone Tune”,   “What Are You Doing For The Rest Of Your Life”  e outros.
Considerando a alta qualidade da maior parte dos registros com a participação de BILL EVANS, em estúdio ou ao vivo, é extremamente arriscada e permeada pelo gosto pessoal a "aventura" de selecionar o melhor desse músico ímpar. Por esse motivo a discografia super-resumida apresentada a seguir deverá contar com a indulgência de nossos prezados colegas Cjubianos, sendo certo que quaisquer consultas que me façam será devidamente respondida com maiores detalhes (contatar-se pelo email "apostolojazz@uol.com.br").
A primeira gravação de BILL EVANS, então com 25 anos, aconteceu em 1954 (única gravação nesse ano) em New York com a banda de Jerry Wald.
01. Jerry Wald And His Orchestra (arranjos de Al Cohn)
Jerry Wald (clarinete), BILL EVANS (piano) e demais músicos não identificados
1954, New York, album da MGM
(02).  Miles Davis – Kind Of Blue
Miles Davis (trumpete), Cannonball Adderley (sax.alto), John Coltrane (sax.tenor), BILL EVANS (piano), Paul Chambers (baixo) e Jimmy Cobb (bacteria)
02/março e 06/abril/1959, Columbia 30th Street Studios (“a Igreja”), New York, album da Columbia
(03). Bill Evans – Explorations
BILL EVANS (piano), Scott LaFaro (baixo) e Paul Motian (bateria)
02/fevereiro/1961, New York, album da Riverside.
Com seu novo trio BILL EVANS gravou em 1962 nos meses de fevereiro, maio, junho e julho, entremeando gravações em álbum.solo ("Bill Evans - Conception" para a Milestone), com as orquestras de Tadd Dameron e de Benny Golson, em duo com o guitarrista Jim Hall, novamente com seu trio e Herbie Mann e o álbum "Empathy" para a VERVE (bela reunião com Shelly Manne), com a primorosa faixa "Let's Go Back To The Waltz".
04.  Emphaty
BILL EVANS (piano), Monty Budwig (baixo) e Shelly Manne (bateria)
14/08/1962, New York. Album da Verve
05. California Here I Come
BILL EVANS (piano) Eddie Gomez (baixo) e Philly Joe Jones (bateria).
17 e 18/agosto/1967, Village Vanguard, New York, album duplo da VERVE
06. Bill Evans Quintet
Harold Land (sax.tenor), BILL EVANS (piano), Kenny Burrell (guitarra), Ray Brown (baixo) e Philly Joe Jones (bacteria)
27 a 30/maio/1976, Berkeley, Califórnia, album da Fantasy “Bill Evans – Quintessence”
07. Bill Evans Trio
BILL EVANS (piano), Eddie Gomez (baixo) e Eliot Zigmund (bateria)
23 a 25/agosto/1977, Hollywood, Califórnia, álbum da Warner Brothers “Bill Evans – You Must Believe In Sprsing
08.  Bill Evans Trio
BILL EVANS (piano), Marc Johnson (baixo) e Joe LaBarbera (bacteria)
02, 03 e 08/setembro/1980, Keystone Korner, San Francisco, Califórnia, album da Milestone “Bill Evans – The Last Waltz”.
09.   Importante é o lançamento de 2012 pela“NOT NOW MUSIC” sob o título “Bill Evans – The Riverside Years”, em estojo com 05 CD’s (“New Jazz Conceptions”, “Everybody Digs Bill Evans”, “Portrait In Jazz”, “Explorations” e “Sunday At The Village Vanguard”), trazendo precioso encarte com texto de Peter Gamble que comenta as gravações, datas, componentes etc. Item de qualidade e para colecionadores exigentes.
Prosseguiremos nos próximos dias

 

P O D C A S T # 2 7 9

16 outubro 2015

HERB GELLER
SONNY CRISS
TERAESA VINSON 




RON HOCKETT 





PARA DOWNLOAD DO ÁUDIO CLICAR NO HYPERLINK ABAIXO:
http://www81.zippyshare.com/v/423aVq2n/file.html

DOCUMENTÁRIO MESTRES DO JAZZ

15 outubro 2015


 A Maxos EUA e a EUROART lançaram uma coleção de cinco DVDs com documentários sobre alguns dos gigantes do jazz e parte da história desse gênero musical. A coleção é chamada de "Masters of American Music" e inclui grandes músicos como Charlie Parker, Thelonious Monk, Billie Holiday, Sarah Vaughan e um documentário chamado "História do Jazz".
A série é preparada com mais de 800 entrevistas e material de arquivo de filmes onde dezenas de mestres do jazz de diferentes períodos, aparecem em especial no DVD sobre a história do jazz.
O primeiro DVD, "Lady Day" é dedicado a Billie Holiday, mas na seleção de filmes, além de entrevistas, aparecem tocando muitos dos grandes músicos da época.
O segundo DVD chamado " Celebrating Bird: The Triumph Of Charlie Parker" há também um monte de outros músicos de seus contemporâneos, incluindo Dizzy Gillespie, é claro.
O DVD 3 ", Sarah Vaughan, “The Divine One" mostra o desenvolvimento da carreira da famosa vocalista de jazz, desde os seus primórdios até sua reputação que a levaram aos palcos em todo o mundo.
O quarto DVD é “Thelonious Monk --American Composer", com uma biografia completa do pianista e compositor de muitos standards do jazz.
O último DVD é "The Story Of Jazz", um documentário com alguns dos outros gigantes que contribuíram com seu imenso talento como: John Coltrane, Miles Davis, Count Basie, e outros.
A caixa de coleção com os 5 DVDs custam ao redor US$ 39.00.
Estes DVDs foram publicados antes, individualmente, como parte de uma série do mesmo nome.


(adaptado de Noticias de Jazz)

14 outubro 2015


SériePIANISTAS DE JAZZ
Algumas Poucas Linhas Sobre o Piano e os Pianistas
20ª Parte
(24)(b) BILL EVANS        Acima de qualquer nivel        (Sequência)
A filmografia de BILL EVANS, ainda que reduzida, nos brinda com excelentes momentos de seus desempenhos, principalmente em trio. Assim, temos:
(01) The Subject Is Jazz, U.S.A., 1958, série para a televisão em 13 módulos de 30 minutos cada um, com BILL EVANS no módulo 13 (“The Future Of Jazz”);
(02) Bill Evans Trio, U.S.A., 1968, 20 minutos, produção para a televisão, execução de “So What”;
(03) Bill Evans, U.S.A., 1968, 17 minutos, direção de Leland Wyler, gravação de 03 números em clube, um deles com Scott laFaro (“Jade Visions”);
(04) Jazz At Maintenance Shop, U.S.A. (versão brasileira dentro da série “O Melhor do Jazz”), 1979, 59 minutos, gravação para a televisão de apresentação do trio de BILL EVANS em clube de Iowa;
(05) Jazz Connections - Bill Evans, série da La Sept Art, França, 1996, 53 minutos, percorre de forma concentrada boa parte da biografia de BILL EVANS, com excelentes tomadas e fotos de suas infância, juventude e fase adulta, além de interpretações em trio e depoimentos de músicos de JAZZ;
(06) The Universal Mind Of Bill Evans – O Processo de Criação, Raphsody Films, 1991, 44 minutos, produzido por Helen Keane “manager” de BILL EVANS e rodado em Baton Rouge, Louisiana, com apresentação de Steve Allen;
(07) Piano Legends da série“Naipes do Jazz”, apresentação de Chick Corea, com BILL EVANS como um dos destaques por sua introspecção e romantismo em piano.solo;
(08) Bill Evans Trio - The Oslo Concerts, Sanachie, 70 minutos, BILL EVANS em trio, Outubro/1966 no “Oslo Munch Museum” com Eddie Gómez e Alex Riel executando 07 temas e em Agosto/1980 no “Molde International Jazz Festival” com Marc Johnson e Joe LaBarbera, executando 04 temas e entrevista de BILL EVANS ao final; sobre o “Molde International Jazz Festival” (Molde, Noruega, 1961 a 1980, organizado pelo “Storyville Jazz Club”),consulte o respectivo verbete no livro de Mario Jorge Jacques (MAJOR),“Glossário do Jazz”, 2005, 1ª Edição.
A BIBLIOGRAFIA referente a BILL EVANS é extensa, já que a prática totalidade de obras sobre JAZZ se alongam ou, pelo menos, citam-no em verbetes e comentários. Como exemplos entre outras dezenas indicamos os citados a seguir:
(01) Gran Enciclopédia Del Jazz, Editora SARPE / Espanha, 1980, contém extenso e bem montado verbete sobre BILL EVANS nas páginas 601 a 603;
(02) The Great Jazz Pianists, Len Lyons, 1983, DaCapo Press, U.S.A., seguramente um dos melhores livros com conteúdo “jazzístico” dos já escritos, tem nas páginas de 218 a228 alentada entrevista de 1974 com BILL EVANS, realizada em quarto de hotel em Monterey com arremate nos estúdios da Fantasy Records em Berkeley;   BILL EVANS enfatiza que ouve e analisa todo o trabalho de Parker, Gillespie e Getz, suas origens em J.S.Bach e suas atenções e técnica voltadas para a forma, a estrutura e a harmonia, com a melodia subjacente;
(03) Los 100 Mejores Discos Del Jazz, Jorge Garcia, Federico G. Herraiz, Federico Gonzáles e Carlos Sampayo, Editora La Máscara, 1993, Espanha, inclui entre os 100 melhores além do “Kind Of Blue” de Miles Davis e do “The Blues And The Abstract True” de Oliver Nelson, ambos com a participação de BILL EVANS, 02 álbuns com BILL como titular e em trio - “Waltz For Debby” e “Alone (Again)”;
(04) Els 25 Grans Del Jazz, Miguel Jurado, 1996, Editora Pirene e Proa, Barcelona / Espanha (texto em catalão), dedica as páginas de 75 a 79 aum bom histórico sobre BILL EVANS (segundo o autor, um dos 25 “grans”);
(05) Os Grandes do Jazz, Ediciones Del Prado, 1996/1997, Espanha (tradução para o português), apresenta bom histórico sobre BILL EVANS nas páginas de 121 a 132 do 5º volume; traz acoplado CD com 11 faixas, 63’28”, que inclui “Autumn Leaves”, “Turn Out The Stars”, “Nardis”, “Emily” e outras, gravadas na turnê européia de 1969 (Itália, Dinamarca, Holanda), com Eddie Gómez e Marty Morell;
(06) Kind Of Blue, lançado em 2007 (tradução de original americano de 2000), Ashley Kahn, é relato importante sobre a produção desse álbum, com evidente destaque para BILL EVANS.
INDICAÇÃO RESUMIDA DE DISCOGRAFIA
A carreira discográfica de BILL EVANS iniciou-se em 1954 (New York), ele então com 24 anos, caminhando a partir dai por mais de 02 décadas de muito trabalho artístico até setembro/1980 no "Keystone Corner" em San Francisco / Califórnia, aos 51 anos, contabilizando cerca de 1.800 registros ("faixas"): a imensa maioria foi de temas lançados discograficamente no mercado, além de diversos "alternate takes" e umas poucas entrevistas.
Foi indicado para o "Grammy" em 03 oportunidades.
A prática totalidade de suas gravações encontra-se no mercado com formação, data e local perfeitamente identificados, mas com alguns poucos em que não há precisão quanto à data, ao local e/ou à constituição do grupo integrante da gravação.
Esses registros de BILL EVANS também foram lançados no mercado em diversas coletâneas mediante dezenas de acordos paralelos entre as gravadoras detentoras das matrizes originais e os distribuidores em cada caso.   Há coletâneas que não cuidaram bem do produto, enquanto outras constituem-se em documentos sérios e bem tratados   -    tomamos como bom exemplo a coleção “The Jazz Masters” (101 CD’s e 03 volumes, Ediciones Folio S.A., 1ª Edição, 1996, Espanha, tradução para o português), que teve reedição de 13 CD’s pela “Delira Música” em sua “Série Jazz”;    o CD nº 13 da coleção original é dedicado a BILL EVANS e recebeu, de nosso saudoso J.D.Raffaelli e nessa reedição, as concisas e precisas notas do encarte, para álbum “obrigatório” em qualquer discoteca seleta de JAZZ, pela reunião de temas clássicos ou tornados clássicos por BIIL EVANS, entre composições dele e de terceiros:     “Waltz For Debby”,  “Nardis”,  “Time Remembered”,  “Twelve Tone Tune”,   “What Are You Doing For The Rest Of Your Life”  e outros.
Considerando a alta qualidade da maior parte dos registros com a participação de BILL EVANS, em estúdio ou ao vivo, é extremamente arriscada e permeada pelo gosto pessoal a "aventura" de selecionar o melhor desse músico ímpar. Por esse motivo a discografia super-resumida apresentada a seguir deverá contar com a indulgência de nossos prezados colegas Cjubianos, sendo certo que quaisquer consultas que me façam será devidamente respondida com maiores detalhes (contatar-se pelo email "apostolojazz@uol.com.br").
A primeira gravação de BILL EVANS, então com 25 anos, aconteceu em 1954 (única gravação nesse ano) em New York com a banda de Jerry Wald.
01. Jerry Wald And His Orchestra (arranjos de Al Cohn)
Jerry Wald (clarinete), BILL EVANS (piano) e demais músicos não identificados
1954, New York, album da MGM
(02).  Miles Davis – Kind Of Blue
Miles Davis (trumpete), Cannonball Adderley (sax.alto), John Coltrane (sax.tenor), BILL EVANS (piano), Paul Chambers (baixo) e Jimmy Cobb (bacteria)
02/março e 06/abril/1959, Columbia 30th Street Studios (“a Igreja”), New York, album da Columbia
(03). Bill Evans – Explorations
BILL EVANS (piano), Scott LaFaro (baixo) e Paul Motian (bateria)
02/fevereiro/1961, New York, album da Riverside.
Com seu novo trio BILL EVANS gravou em 1962 nos meses de fevereiro, maio, junho e julho, entremeando gravações em álbum.solo ("Bill Evans - Conception" para a Milestone), com as orquestras de Tadd Dameron e de Benny Golson, em duo com o guitarrista Jim Hall, novamente com seu trio e Herbie Mann e o álbum "Empathy" para a VERVE (bela reunião com Shelly Manne), com a primorosa faixa "Let's Go Back To The Waltz".
04.  Emphaty
BILL EVANS (piano), Monty Budwig (baixo) e Shelly Manne (bateria)
14/08/1962, New York. Album da Verve
05. California Here I Come
BILL EVANS (piano) Eddie Gomez (baixo) e Philly Joe Jones (bateria).
17 e 18/agosto/1967, Village Vanguard, New York, album duplo da VERVE
06. Bill Evans Quintet
Harold Land (sax.tenor), BILL EVANS (piano), Kenny Burrell (guitarra), Ray Brown (baixo) e Philly Joe Jones (bacteria)
27 a 30/maio/1976, Berkeley, Califórnia, album da Fantasy “Bill Evans – Quintessence”
07. Bill Evans Trio
BILL EVANS (piano), Eddie Gomez (baixo) e Eliot Zigmund (bateria)
23 a 25/agosto/1977, Hollywood, Califórnia, álbum da Warner Brothers “Bill Evans – You Must Believe In Sprsing
08.  Bill Evans Trio
BILL EVANS (piano), Marc Johnson (baixo) e Joe LaBarbera (bacteria)
02, 03 e 08/setembro/1980, Keystone Korner, San Francisco, Califórnia, album da Milestone “Bill Evans – The Last Waltz”.
09.   Importante é o lançamento de 2012 pela“NOT NOW MUSIC” sob o título “Bill Evans – The Riverside Years”, em estojo com 05 CD’s (“New Jazz Conceptions”, “Everybody Digs Bill Evans”, “Portrait In Jazz”, “Explorations” e “Sunday At The Village Vanguard”), trazendo precioso encarte com texto de Peter Gamble que comenta as gravações, datas, componentes etc. Item de qualidade e para colecionadores exigentes.
Prosseguiremos nos próximos dias