Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Luiz Carlos Antunes (Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), , Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).

BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

P O D C A S T # 4 4 0

16 novembro 2018

DEE DEE BRIDGEWATER 
BIRELI LAGRENE

DICK HYMAN 

ED THIGPEN 


PARA DOWNLOAD DO ARQUIVO DE ÁUDIO USAR O LINK ABAIXO E CLICAR EM BAIXAR 
https://www.4shared.com/mp3/DJ4ibXE0fi/PODCAST_440.html

40 MELHORES SOLOS DA HISTÓRIA DO JAZZ

13 novembro 2018


A revista JAZZ TIMES publicou a lista dos 40 solos que mais impressionaram os críticos e músicos de jazz, depois de fazer uma pesquisa vasta e profunda entre eles, que levou vários meses.
O resultado é lucrativo e empolgante, pois engloba artistas de todos os períodos e estilos, incluindo improvisações vocais. É também um bom guia para aqueles que desejam completar suas coleções de discos com o melhor que foi gravado ao longo dos anos.
O músico escolhido com o maior número de solos foi John Coltrane.
A seguir estão os 40 melhores solos de todos os tempos, de acordo com esta pesquisa:
 1  Miles Davis. “So What”. Kind of Blue (Columbia, 1959)
2.   Cannonball Adderley. “Milestones”. Miles Davis. Milestones (Columbia, 1958)
3.   Louis Armstrong. “Potato Head Blues”. Louis Armstrong & His Hot Seven. “Potato Head Blues” (OKeh, 1927)
4.   Louis Armstrong. “West End Blues”. Louis Armstrong & His Hot Five. “West End Blues” (OKeh, 1928)
5.   Paul Bley. “All the Things You Are”. Sonny Rollins/Coleman Hawkins . Sonny Meets Hawk! (RCA Victor, 1963) 
6.   Charlie Christian. “Swing to Bop”. Charlie Christian. Various compilations (rec. 1941)
7.   Ornette Coleman. “Chronology”. Ornette Coleman. The Shape of Jazz to Come (Atlantic, 1959)1.  
8.   John Coltrane. “Chasin’ the Trane”. John Coltrane. Coltrane “Live” at the Village Vanguard (Impulse!, 1962)
9.   John Coltrane. “Crescent”. John Coltrane Quartet. Crescent (Impulse!, 1964)
10.  John Coltrane. “Giant Steps”. John Coltrane. Giant Steps (Atlantic, 1960)
11.  John Coltrane. “My Favorite Things”. John Coltrane. My Favorite Things (Atlantic, 1961)
12. John Coltrane. “Resolution” . John Coltrane. A Love Supreme (Impulse!, 1965)
13. John Coltrane. “Transition”. John Coltrane. Transition (Impulse!; rec. 1965, rel. 1970)
14.  Chick Corea. “Matrix”. Chick Corea. Now He Sings, Now He Sobs (Solid State, 1968)
15.  Israel Crosby, “But Not for Me”. Ahmad Jamal. At the Pershing: But Not for Me (Argo, 1958)
16.  Bill Evans, “Come Rain or Come Shine”. Bill Evans Trio. Portrait in Jazz (Riverside, 1960)
17.  Ella Fitzgerald, “How High the Moon”. Ella Fitzgerald. Mack the Knife: Ella in Berlin (Verve, 1960)
18.  Paul Gonsalves. “Diminuendo and Crescendo in Blue”. Duke Ellington. Ellington at Newport (Columbia, 1957)
19.  Dexter Gordon. “Cheese Cake” . Dexter Gordon. Go (Blue Note, 1962)
20.    Charlie Haden. “Ramblin’”. Ornette Coleman. Change of the Century (Atlantic, 1960)
21.  Herbie Hancock. “Actual Proof”. Herbie Hancock. Thrust (Columbia, 1974)
22.  Coleman Hawkins. “Body and Soul”. Coleman Hawkins & His Orchestra. “Body and Soul” (Bluebird, 1939)
23.  Freddie Hubbard. “Birdlike”. Freddie Hubbard. Ready for Freddie (Blue Note, 1962)
24. Freddie Hubbard. “One Finger Snap”. Herbie Hancock . Empyrean Isles (Blue Note, 1964)
25.  Elvin Jones. “Monk’s Dream”. Larry Young. Unity (Blue Note, 1966)
26.   Rahsaan Roland Kirk. “C Jam Blues”. Charles Mingus. Mingus at Carnegie Hall (Atlantic, 1974)
27.   Pat Metheny. “Bright Size Life”. Pat Metheny. Bright Size Life (ECM, 1976)
28.   Hank Mobley,“Remember”. Hank Mobley. Soul Station (Blue Note, 1960)
29.    Oliver Nelson. “Stolen Moments”. Oliver Nelson. The Blues and the Abstract Truth (Impulse!, 1961) 
30.  Charlie Parker. “Embraceable You”. Charlie Parker Quintet. “Embraceable You” (Dial, rec. 1947)
31.  Charlie Parker. “Just Friends”. Charlie Parker. Charlie Parker With Strings (Verve, rec. 1949)
32.  Charlie Parker. “Ko Ko”. Charlie Parker’s Ri Bop Boys. “Ko Ko” (Savoy, 1945)
33.  Jaco Pastorius. “Donna Lee”.Jaco Pastorius. Jaco Pastorius (Epic, 1976)
34.  Jaco Pastorius.“Havona”. Weather Report. Heavy Weather (Columbia, 1977)
35.   Sonny Rollins. “Blue 7”. Sonny Rollins. Saxophone Colossus (Prestige, 1956)
36.   Sonny Rollins, Sonny Stitt . “The Eternal Triangle”.Dizzy Gillespie/Sonny Rollins/Sonny Stitt. Sonny Side Up (Verve, 1959) 
37.  Wayne Shorter. “On Green Dolphin Street”. Miles Davis. The Complete Live at the Plugged Nickel 1965
38. Lennie Tristano. “Line Up”. Lennie Tristano. Lennie Tristano (Atlantic, 1956)
39. McCoy Tyner. “Passion Dance”. McCoy Tyner. The Real McCoy (Blue Note, 1967)
40.  Sarah Vaughan, Clifford Brown. “September Song”. Sarah Vaughan Sarah Vaughan With Clifford Brown (EmArcy, 1955) 


PS: O PODCAST VAI APRESENTAR EM BREVE UM PROGRAMA ELEGENDO ALGUNS DESTES SOLOS

CRÉDITOS DO PODCAST # 439

11 novembro 2018

LIDER
EXECUTANTES
TEMAS / AUTORES
GRAVAÇÃO  LOCAL / DATA
GIACOMO GATES
Giacomo Gates (vcl, Jerome Richardson (st), Harold Danko (pi), Rufus Reid (bx) e Akira Tana (bat)
FOUR (Miles Davis)
New York, janeiro/1995
WHERE OR WHEN
(Lorenz Hart / Richard Rodgers)
KENNY DORHAM, FATS NAVARRO
Kenny Dorham, Fats Navarro (tp), Sonny Stitt (sa), Morris Lane (st), Eddie De Verteuil (sbar), Bud Powell (pi), Al Hall (bx), Kenny Clarke (bat) e Gil Fuller (arranjo)
EVERYTHING'S COOL
(Gil Fuller / Sonny Stitt) 
New York, 6/setembro/1946
FAT BOY (Fats Navarro)
NIELS-HENNING ORSTED PEDERSEN
Renee Rosnes (pi), Niels-Henning Orsted Pedersen (bx) e Jonas Johansen (bat)
THE SHADOW OF YOUR SMILE
(Johnny Mandel / Paul Francis Webster)
Copenhagen, 28/agosto/1995
KENNY
 (Niels-Pedersen)
MICHAEL DEASE
Michael Dease (tb), Chris Madsen (st), Drew Pierson (pi), Yasushi Nakamura (bx) e Marion Felder (bat)
BLUES FOR JOE 
(Michael Dease)
Brooklyn,NY, 30/set/2005
FULLER UP 
(Chris Madsen)
TERRY GIBBS
Al Porcino, Ray Triscari, Conte Candoli, Stu Williamson, Frank Huggins (tp ), Frank Rosolino, Vern Friley, Bob Edmondson (tb), Joe Maini, Charlie Kennedy (sa), Richie Kamuca, Bill Perkins (st), Jack Nimitz (sbar), Terry Gibbs (vib), Pat Moran (pi), Buddy Clark (bx) Mel Lewis (bat) e Bill Holman (arranjo)
JA DA (Bob Carleton)
Live at "Summit Club", Hollywood, CA, 22/janeiro/1961
DAY IN DAY OUT
 (Rube Bloom / Johnny Mercer)
EMILY REMLER
Hank Jones (pi), Emily Remler (gt), Buster Williams (bx) e Marvin "Smitty" Smith (bat)
BLUES FOR HERB
 (Emily Remler)
New York, maio/1988
HOT HOUSE 
(Tadd Dameron)
STANLEY COWELL
Stanley Cowell (pi), Cheyney Thomas (bx) e Wardell Thomas (bat)
STELLA BY STARLIGHT
(Ned Washington / Victor Young
Live at Copenhagen Jazz House, Dinamarca, 8/abril/1993

P O D C A S T # 4 3 9

09 novembro 2018

EMILY REMLER 


MICHAEL DEASE 
NIELS-HENNING ORSTED PEDERSEN 




PARA DOWNLOAD DO ARQUIVO DE ÁUDIO USAR O LINK ABAIXO E CLICAR EM  BAIXAR

https://www.4shared.com/mp3/_4H-3FnJee/PODCAST_439.html

CRÉDITOS DO PODCAST # 438

04 novembro 2018

LIDER
EXECUTANTES
TEMAS / AUTORES
GRAVAÇÃO
LOCAL /DATA
ZOOT SIMS & KENNY DREW
Zoot Sims (st,ssop) acc pelo trio de Kenny Drew (pi), Niels-Henning Orsted Pedersen (bx) e Alex Riel (bat)
FLOWER WALTZ (Kenny Drew)
Live at, Copenhagen, Dinamarca, 4/Agosto/1978
COME RAIN OR COME SHINE
(Harold Arlen / Johnny Mercer)
FRED (Neal Hefti)
I WONDER WHERE OUR LOVE HAS GONE
(Buddy Johnson)
IN A MELLOW TONE (Duke Ellington)
CARAVAN 
(Duke Ellington / Juan Tizol)
I GOT IT BAD AND THAT AIN'T GOOD
(Duke Ellington)
IT'S ALRIGHT WITH ME (Cole Porter)
SOFTLY AS IN A MORNING SUNRISE
(Oscar Hammerstein II / Sigmund Romberg)
IN THE MIDDLE OF A KISS
 (Sam Coslow)
BLUE HODGE (Gary McFarland)

P O D C A S T # 4 3 8

02 novembro 2018




PARA DOWNLOAD DO ARQUIVO DE ÁUDIO USAR O LINK ABAIXO E CLICAR EM  BAIXAR
https://www.4shared.com/mp3/tBL-PaBWfi/PODCAST_438.html

31 outubro 2018


Série   PIANISTAS  DE  JAZZ
Algumas Poucas Linhas Sobre o Piano e os Pianistas
57ª Parte    III   -   Final
(49)(c)  DAVE BRUBECK   Um Formador dePúblico

Na década de 1960 (1960 a 1969) e com o quarteto fazendo sucesso de crítica e de público, foram lançados de 03 a 05 álbuns por anos aumentando a série dedicada aos “tempos”, assim como foram retratadas as viagens do grupo e os temas nacionais na série “impressions” (USA, Eurásia, Japão, New York).
Na década de 1960 BRUBECK dirigiu programa radiofônico com todas as “formas” de JAZZ, para a “WEZN/FM” (antiga “WJZZ/FM”), juntamente com seu vizinho e amigo John E. Metts, primeiro afro-americano a dirigir uma emissora de rádio.
Em 1961 BRUBECK participou da adaptação de “Othello” no longa metragem britânico “All Night Long” (lançado no Brasil com o título “A Noite Toda”, em DVD pela “Coperdisc”), 1,5 hora, P&B, com a presença do genial Tubby Hayes, de Charlie Mingus e Johnny Dankworth. BRUBECK é filmado em “closes” executando seu clássico “Raggy Waltz” e com Mingus em “Non Sectarian Blues".
Em 1968 BRUBECK gravou o LP “The Gates Of Justice” (lançado em 1969), com as palavras de Martin Luther King, Jr. em cantata bíblica.
O contrato de BRUBECK com o selo Columbia foi interrompido (a última gravação para esse etiqueta foi o LP “Summit Sessions” em 1971), e ele voltou-se para a “Atlantic Records”.
Ele foi o autor e executante do episódio “The NASA Space Station” para a “CBS TV”, dentro da série “This Is America, Charlie Brown”.
Em 2000 e com sua esposa IOLA, BRUBECK criou, dentro da “University Of The Pacific”, o arquivo de seus documentos musicais pessoais, para mais adiante fornecer bolsas de estudo e oportunidades de educação no JAZZ para estudantes. A instituição que está instalada em Stockton, Califórnia, em uma das ruas principais que leva o nome de “Dave Brubeck Way”.
Ele havia gravado diversas faixas (05) do álbum “Jazz Goes To College” na faculdade de Ann Arbor (“Concordia University Ann Arbor”) de Michigan, que visitou em diversas ocasiões. Finalmente alí apresentou-se em 2006 no “Hill Auditorium”, local onde recebeu o prêmio de distinção artística da “Musical Society” da “University Of Michigan”.
Em 2008 (08 de abril) e na Casa Branca dos U.S.A. BRUBECK ofereceu um curto recital para os integrantes do Departamento de Estado americano, ocasião em que a Secretária Condoleezza Rice o agraciou com o “Benjamin Franklin Award for Public Diplomacy”, em virtude dele proporcionar uma visão americana de esperança, de liberdade e de oportunidade para os U.S.A. e para o mundo; a Secretária declarou na ocasião que desde menina cresceu com o som de BRUBECK, já que seu pai era o maior fã do pianista. Para essa ocasião o comunicado oficial do Departamento de Estado americano pronunciou que “como pianista, compositor, emissário cultural e educador, o trabalho da vida de DAVE BRUBECK exemplificava o melhor da diplomacia cultural da América”.
Em 18 de outubro de 2008 BRUBECK recebeu o grau de “Music Honorary Degree” pela “Estman School of Music” de New York.
O Governador da Califórnia Arnold Schwarzenegger ao lado de Maria Shriver, Primeira Dama estadual, anunciou em 28 de maio de 2008 que BRUBECK seria homenageado no “California Hall Of Fame” (parte integrante do “The California Museum For History, Women And The Arts”), o que efetivamente veio a ocorrer no dia 10 de dezembro do mesmo ano em cerimônia com BRUBECK ao lado de outros 11 famosos californianos.
Ainda nesse ano de 2008 BRUBECK tornou-se um defensor do “Jazz Foundation Of America”, entidade voltada para salvar vidas e casas dos músicos de JAZZ e Blues, idosos, ai incluidos os sobreviventes do Furacão Katrina. Em apoio à “Foundation” ele participou do show beneficente anual “A Great Night In Harlem”.
BRUBECK seguiu recebendo prêmios e honrarias até o final de sua vida, como em 2009, 2010 e 2011, muitos dos quais indicamos ao final da presente resenha.
Quando da ocasião de seu falecimento em 05/12/2012, havia sido planejada uma festa de aniversário para ele com convidados famosos - a festa tornou-se um tributo “in memorian” em maio de 2013.
John Fordham, autor do excelente livro “JAZZ - History, Instruments, Musicians, Recordings”(1ª Edição, 1993, Inglaterra) escreveu no “The Guardian” que “a realização real de BRUBECK foi saber mesclar as ideias europeias de composição, com estruturas rítmicas muito exigentes, mais os estilos da música de JAZZ e a improvisação, em formas expressivas e acessíveis”.
Em editorial o “The Economist” assinalou que “acima de tudo foi difícil acreditar que o JAZZ mais bem sucedido na América estava sendo tocado por um homem de família, um californiano descontraído, modesto, gentil e aberto, que seria feliz como rancheiro, só que ele não poderia viver sem tocar o piano, porque o ritmo do JAZZ era o ritmo do seu coração."
O “Concord Boulevard Park” na cidade natal de BRUBECK (Concord, Califórnia) foi rebatizado de "Dave Brubeck Memorial Park", sendo que o Prefeito local, Dan Helix, sempre lembrava das apresentações de BRUBECK no local e dizia que “ele nunca morrerá porque sua música é imortal”.
Os estudos de música clássica foram um impulso definitivo para BRUBECK tornar-se um compositor de respeito, com formas que se apoiavam com grande habilidade em variações rítmicas, polifonias, fugas, rondós, aí incluida música sacra e trilhas sonoras para a televisão americana, citando-se como exemplos seus trabalhos para o show “Mr. Broadway” (vide LP “Jazz Impression Of New York”) e para as mini-séries “This Is America” e “Charlie Brown”.
BRUBECK foi original ! ! !
Retornaremos com o pianista BARRY HARRIS

30 outubro 2018



Série   PIANISTAS  DE  JAZZ

Algumas Poucas Linhas Sobre o Piano e os Pianistas

57ª Parte   -    II
(49)(b)   DAVE BRUBECK      Um Formador de Público

Prosseguimos com o foco na figura de Dave BRUBECK, relacionando algumas de suas principais gravações, claro que a imensa maioria em quarteto (ano, título do álbum, etiqueta), umas poucas delas com breves comentários.
O inicio das gravações de BRUBECK data de 1946, prosseguindo pela etiqueta “Fantasy” em 1948 e 1953.

1951 - Brubeck / Desmond - Fantasy
1952 - Jazz At Storyville - Fantasy
1952 - The Dave Brubeck Quartet - Fantasy
1953 - Jazz At Oberlin - Fantasy
1953 - Jazz At The College Of The Pacific - OJC
1953 - Jazz At The College Of The Pacific, Vol. 2 - OJC
1954 - A Place In Time - Columbia - Excelente álbum com o quarteto BRUBECK, Desmond, Bob Bates e Joe Dodge, desfilando clássicos como “Audrey”, “Jeepers Creepers”, “A Fine Romance” e mais 05 temas
1957 - Jazz Impressions Of The U.S.A. - Columbia - Primeira gravação da série “Impressions”, mais tarde seguida por “Eurasia”, “Japan” e “New York”
1957 - Jazz Goes To Junior College - Columbia - Este álbum e mais o “Jazz Goes To College” foram reunidos em um álbum duplo sob o título “The Dave Brubeck Quartet On Campus”, contendo as 12 faixas dos outros dois, com todas as 12 faixas e as duas formações – sempre BRUBECK e Desmond, com Joe Dodge/Joe Morello à bateria e Bob/Norman Bates ao contrabaixo
1958 - Jazz Impressions Of Eurasia - Columbia - O segundo álbum da série “Impressions”
1959 - Gone With The Wind - Columbia - Album duplo com 16 faixas a cargo de Brubeck/ Desmond/Wright/Morello, desfile de clássicos como “The Lonesome Road”, “Georgia On My Mind”, “Basin Street Blues”, “Ol’ Man River” e outros, acompanhados das faixas do álbum “Time Out”, comentado a seguir
1959 - Time Out - Início das capas dos LP’s de BRUBECK com a participação de Miró (outras com artistas famosos foram “Time Further Out”, “Time In Other Space” e “Time Changes”). Esse o álbum que projetou definitivamente o quarteto (mais de 01 milhão de cópias vendidas), com 07 faixas excelentes, cada uma em andamento distinto: “Blue Rondo A La Turk” (“9/8”), “Strange Meadow Lark”(harmonias em terças e quartas com frases de 10 compassos), “Take Five” (“5/4”), “Three To Get Ready”(sequência repetida de 02 compassos de 3, seguido de 02 compassos de 4), “Kathy’s Waltz” (iniciado com 4/4 seguido de valsa), “Everybody’s Jumpin’” e “Pick Up Sticks” (ambos em “6/4”). Essa gravação foi a primeira de BRUBECK com farta experimentação em “tempos”
1960 - Adventures In Time - Columbia - A meu juízo um dos melhores álbuns do quarteto Brubeck / Desmond / Gene Wright / Morello, com um total de 21 faixas (trata-se de álbum duplo), variação de tempos, unidade musical dos 04 integrantes e temas da mais alta musicalidade, entre os quais e com absoluto destaque “Cassandra” (“4/4”). Além disso desfilam “Castilian Drums” (“5/4”), “Unisphere” (“10/4”), “Cable Car” (“3/4”) e muito mais. Realmente e para o ouvinte “uma aventura no tempo”. Album duplo recomendado sem restrições
1961 - The Real Ambassadors - Columbia - Esse álbum, muito bom, é a expressão do f New trabalho desenvolvido em 1960 por BRUBECK com a esposa Iola, em que o roteiro foi baseado nas apresentações do quarteto nos “colleges” (patrocinadas pelo Departamento de Estado americano) e resultando no musical de JAZZ “The Real Ambassadors”, sómente apresentado para o público em 1962, no “Monterey Jazz Festival” - comparecem nas faixas do LP o grande Luis Armstrong, o grupo vocal “Lambert, Hendricks & Ross” e a perfeita Carmen McRae
1964 - Jazz Impressions Of Japan - Columbia - Penúltimo da série “Impressions”
1964 - Jazz Impressions Of New York - Columbia - O último da série e seguramente a melhor gravação das “Impressions”, contendo o tema da série de televisão “Mr. Broadway”, além de “Spring In Central Park”, “Summer On The Sound” e 08 temas mais
1966 - Anything Goes! The Quartet Plays Cole Porter - Columbia - Um primor de gravação, a última do quarteto em estúdio, verdadeiro “songbook” de Cole Porter, com o quarteto em plena forma desfilando “Anything Goes”, “Night And Day”, “I Get A Kick Out Of You” e muito mais
1967 - Bravo! Brubeck! - Columbia - Gravação ao vivo em festival no México e com a participação de percussionistas locais
1967 - The Last Time We Saw Paris - Columbia - Última gravação do quarteto BRUBECK/Desmond/Wright/Morello, desfeito logo após – retornariam em apresentações/gravações comemorativas, como em 1976 para reencontro marcando 25 anos da formação do primeiro quarteto de BRUBECK
1968 - Blues Roots - Columbia - A primeira gravação com Gerry Mulligan, acompanhados por Jack Six/Alan Dawson (baixo/bateria) em 07 faixas primorosas, que incluem o clássico “Limehouse Blues”. Como corolário, a melhor capa de LP entre todas as de BRUBECK
1975 - The Duets - A&M - BRUBECK e Desmond em 08 temas que incluem “Alice In Wonderland”, “These Foolish Things”, “Stardust” e mais 05 temas em que os dois “trocam” idéias e belos solos. Longo texto de Paul Desmond na capa, sempre com muito bom humor
1976 - 25th Anniversary Reunion - Horizon / A&M Records - Gravação importante editada no Brasil em 1977 pela “Horizon / A&M Records”, com extensas notas de Doug Raney e textos de cada um dos músicos – BRUBECK, Desmond, Gene Wright (apelidado de “The Senator”) e Joe Morello (transcritos em parte mais adiante). Apenas 06 faixas mas todas de longa duração: “St. Louis Blues”, “Three To Get Ready”, “African Times Suite”(em 03 movimentos), “Salute To Stephen Foster”, “Take Five” e “Don’t Worry ‘Bout Me”.
No ano de 1951, como já visto na “Parte I” da presente resenha, BRUBECK organizou seu “quarteto”: BRUBECK/piano, Paul Desmond/sax.alto, Bob Bates/contrabaixo e Joe Dodge/bateria, tornando-se o "quarteto residente" do night club "Black Hawk" de San Francisco . É a partir desse ano que foram contados os “25 anos” do quarteto, comemorados em 1976 com temporada por 25 cidades americanas em 25 dias, iniciando pelo “Alfred College”, em Alfred / New York, com o grupo viajando em ônibus (08 camas, dois aparelhos de televisão, cozinha, 02 banheiros, chuveiro, 02 sistemas de áudio, um sistema de transmissão/recepção e muito mais). Durante a temporada e em “Fort Wayne” / Indiana, Joe Morello que tinha progressiva deficiência visual desde criança, foi ficando cego - antes da tournée seu oftalmologista em Boston achou que psicologicamente a viagem seria boa para Morello, mas durante o trajeto ele ficou cego.
Com relação aos textos dos músicos abrimos aquí um parênteses para focá-los a seguir, parcialmente, já que constituem-se em documento histórico.
      (a) BRUBECK - Janeiro/1976
Como musicistas, tentamos explorar toda a nossa herança musical – dos tambores africanos a Bach, Jelly Roll, Stravinsky ou Parker. Como seres humanos, tentamos explorar todas as emoções humanas. Nosso trabalho, como improvisadores, é traduzir as emoções numa linguagem musical que aprofunde a nossa compreensão e desperte os nossos sentidos. Sinto o público como um colaborador, como o quinto instrumento do nosso quarteto.........o primeiro desafio que se apresenta a um intérprete de JAZZ é a unificação do público, de modo que ele se torne uma entidade; só depois de conseguir essa união, é que podemos começar a dividir a experiência criativa.........esse momento de inspiração é o propósito do JAZZ.
Paul Desmond, Joe Morello e Eugene Wright têm muita personalidade e dessas diferentes personalidades, perspectivas musicais e experiências vem a força do quarteto.............nós nos comunicamos num plano além dessas diferenças............
          (b) Paul Desmond - Janeiro/1976
..........podemos começar pela tarde em que conhecí Dave BRUBECK....foi no começo de 1944........eu estava na banda do exército, em San Francisco e ele partia para o exterior como soldado.........na Alemanha ele acabou dormindo na cama de Herman Goering (é bom acrescentar, logo, que Goering não estava lá, na ocasião). Naquela tarde, ele veio chegando, ansioso para tocar, desconfiado, andando depressa, enrolado numa jaqueta de lã roxa. Encontramos outros músicos e tocamos cerca de ½ hora. Acho que foi “Rosetta” em “Fá Maior” - o mais perto que Brubeck conseguiu chegar foi um relutante acorde em “Sí”...........e Desmond prossegue cm seu humor cáustico.
             (c) Gene Wright - Março/1976
.......A prova de quanto esse grupo é bom, foi demonstrado pelo fato de que mal tivemos tempo para dizer “olá”, antes de subir ao palco........foi como se tivéssemos nos separado apenas por um mês de férias. Acho que a gravação ao vivo é melhor, porque vocês têm chance de ver o artista expressar-se em seu ambiente natural..................Para mim, é um disco divertido e todos os que assistiram ao concerto, a família e os amigos do Leste, contarão toda a beleza da noite.......
              (d) Joe Morello - Março/1076
,,,,,Sinto que nós quatro amadurecemos muito. Tocamos bem, e eu acho que posso trabalhar em função do grupo e, ao mesmo tempo, conservar uma grande liberdade de criação.............. Pessoalmente estamos felizes apenas por estarmos tocando juntos novamente.........somos quatro pessoas que curtem um reencontro maravilhoso, numa atmosfera sadia de compreensão e respeito........A incrível receptividade do público, aumenta a satisfação dessa tournée.
2006 - Indian Summer - Telarc
2007 - 50 Years: The Monterey Jazz Festival, 1958-2007 - MJF

Ademais dessas gravações de BRUBECK com seu(s) quarteto(s) (ou solo, duo etc) ao longo do tempo, há um documento que recomendamos como mais que importante para conhecimento do pensamento e da técnica de composição desse Maestro do teclado. Trata-se do mini-estojo “Time Out Take Five” (Columbia Records), composto por 02 CD’s e 01 DVD, no mercado em 2009 comemorando os 50 anos do lançamento do álbum “Time Out” de 1959. Nada de novo nos 02 CD’s, com gravações daquele LP de 1959, mas no DVD temos (a) extensa entrevista com BRUBECK em que ele relata como ouve os sons e os tempos (reminiscências inclusive de suas cavalgadas), (b) desfile de fotos do quarteto e (c) filmagem interativa de BRUBECK ao piano, com 03 posições de apreciação (laterais, superior), que podem ser comandadas pelo controle remoto.
Recomendamos mais 02 DVD’s com momentos musicais do quarteto:
(1) Jazz Shots From The West Coast, volume 2 - da “EFORFILMS”, em que Paul Desmond e mais quarteto nos brinda com magnífico solo do clássico e belo tema “Emily” de Johnny Mandel e Johnny Mercer
(2) Jazz Shots From The West Coast, volume 3 – também da “EFORFILMS”, em que o quarteto BRUBECK/Desmond/Wright/Morello se apresenta nos temas “Take Five” de Desmond, “Castillian Blues” e “Raggy Waltz” ambos de BRUBECK.
A “EFORFILMS” lançou 06 DVD’s com “shots”, sendo 03 com músicos da “West Coast” e 03 com músicos da “East Coast”, entre os quais Wes Montgomery, Gerry Mulligan, Shorty Rogers, Lester Young, Teddy Edwards, Bill Evans, Ahmad Jamal, Phil Woods, Thelonius Monk, Johnny Griffin, Oscar Peterson, Duke Ellington, Keith Jarrett, Jimmy Smith, Roland Kirk, Art Pepper, Chet Baker, Phineas Newborn, Toshiko Akiyoshi, Shelly Manne, Miles Davis, Art Blakey, Charlie Parker, Louis Armstrong, Modern Jazz Quartet, Ben Webster, Art Farmer, Count Basie, Art Tatum, Bobby Hackett, John Coltrane, Wynton Marsalis, Dizzy Gillespie, Thad Jones, Woody Herman, Sonny Rollins, Pony Poindexter etc. Ufa ! ! ! . . . São momentos especiais, com imagens bem recuperadas e dignas de qualquer arquivo.
Há também 02 documentários musicais importantes sobre BRUBECK:
(1) Dave Brubeck – Retrato Musical, pela “BBC Vídeo”, comemoração dos 25 anos de “estrada” de BRUBECK em jantar no “Friars Club” de New York, com a presença da esposa IOLA e dos filhos. BRUBECK toca acompanhado dos filhos Danny (bateria), Chris (baixo e trombone) e Darius (teclados), após o que assumem Joe Morello à bateria e Paul Desmond no sax.alto. As memórias são inevitáveis por meio de depoimentos, trocados entre BRUBECK e Desmond, em meio a cenas noturnas de New York
(2) DVD Dave Brubeck – Live In ’64 & ’66, da série “Jazz Icons”, que foi apresentado durante a segunda quinzena de setembro de 2018 na televisão nacional, canal “ARTE”. Apresentação do quarteto BRUBECK / Desmond / Gene Wright / Morello na Bélgica (10/10/1964) e na Alemanha (06/11/1966).

Prosseguiremos com BRUBECK

CRÉDITOS DO PODCAST # 437

28 outubro 2018

LIDER
EXECUTANTES
TEMAS / AUTORES
GRAVAÇÕES LOCAL e DATA
TEDDY CHARLES
Donald Byrd (tp), Bob Brookmeyer (v-tb), Hal McKusick (sa), Frank Socolow (st), Teddy Charles (vib), Mal Waldron (pi), George Duvivier (bx) e Ed Shaughnessy (bat)
SWINGING GOATHERD BLUES
 (Teddy Charles)
New York, 30/abril/1959
IKE QUEBEC
Ike Quebec (st), Freddie Roach (org), Milt Hinton (bx) e Al Harewood (bat)
EASY - DON'T HURT
(Ike Quebec) 
Englewood Cliffs, N.J., 9/dezembro/1961
LORRAINE DESMARAIS
Lorraine Desmarais Big Band: Jocelyn Couture, Ron Di Lauro, Jocelyn Lapointe (tp), Aron Doyle (flh), Muhammad Abdul Al-Khabyyr, Richard Gagnon, David Grott (tb), Bob Ellis (b-tb), David Bellemare (sa), Jean-Pierre Zanella (sa, ssop), Richard Beaudet, Andre Leroux (st), Jean Frechette (sbar), Lorraine Desmarais (pi, arranjo), Frederic Alarie (bx) e Camil Belisle (bat)
NEW MORNING
(Lorraine Desmarais)
Montreal, Canadá,15/fevereiro/2009
FATS WALLER
Fats Waller (pi,vcl), Herman Autrey (tp), Ben Whitted (cl,sa), Al Casey (gt), Billy Taylor, Sr. (bx) e Harry Dial (bat)
DO ME A FAVOR
(Jack Lawrence / Peter Tinturin) 
New York, 16/maio/1934
MONICA RAMEY
Monica Ramey And The Beegie Adair Trio Monica Ramey (vcl), Beegie Adair (pi), Roger Spencer (bx) e Chris Brown (bat)
WITCHCRAFT
(Cy Coleman / Carolyn Leigh) 
New York, 2012
MÁRCIO MONTARROYOS
Marcio Montarroyos (flh), Lulu Martin (teclados, arranjo), Leo Gandelman (sa), André Neiva (bx) e Claudio Infante (bat)
O BARQUINHO
(Roberto Menescal / Ronaldo Bôscol)
Rio de Janeiro, 2008
SAL NISTICO
Nat Adderley (cnt), Sal Nistico (st), Barry Harris (pi), Sam Jones (bx) e Walter Perkins (bat)
HEAVYWEIGHTS
(Frank Pullara) 
New York, 20/dezembro/1961
WARREN VACHE
Warren Vache & The New York All Star Big Band: Warren Vache (tp,vcl), Randy Reinhart (tp), John Allred, Matt Bilyk (tb), Chuck Wilson (sa,cl), Harry Allen, Rickey Woodard (st), Alan Barnes (sbar), Steve Ash (pi), Murray Wall (bx) e Jake Hanna (bat)
SWINGTIME! 

(Warren Vache)
New York, 12/janeiro/2000
JOHNNY MAYAL
John Mayall (pi, vcl),Peter Green (gt), John McVie (bx), Hughie Flint (bat)
SO MANY ROADS
(Marshall Paul)
Londres, 1969
BENNY BAILEY
Benny Bailey (tp), John Bunch (pi), Bucky Pizzarelli (gt), Jay Leonhart (bx) e Grady Tate (bat)
SOMEDAY YOU'LL BE SORRY
(Louis Armstrong)
Englewood Cliffs, N.J., 17/novembro/1999
JOHN HICKS
John Hicks (pi), Ray Drummond (bx) e Marvin "Smitty" Smith (bat)
UP JUMPED SPRING
(Freddie Hubbard)
Englewood Cliffs, N.J., 1/setembro/1993