Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Luiz Carlos Antunes (Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), , Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).

BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

PARTIU MAIS UM DOS MEUS ÍDOLOS

30 setembro 2015

The Jazz Line
Alto Sax Legend Phil Woods Has Died At 83
By David La Rosa, Editor | Sep 29, 2015, 03:34 PM

Just three weeks ago, jazz legend and saxophonist Phil Woods gave a historic performance of Charlie Parker’s classic ‘With Strings’ album alongside the Pittsburgh Symphony Orchestra.
However, right before launching into his last song of the night, Gerry Mulligan’s “Rocker,” he explained that his emphysema had worsened and as a result the song would, in fact, serve as his last performance ever.
On September 4, 2015 Phil Woods left his alto saxophone on stage at the Manchester Craftsmen’s Guild in Pittsburgh, officially marking the end of an illustrious 70-year career making incredible music and serving as inspiration for countless future musicians.
Now, it is with great sadness we report that Woods has passed away.
The Bensing-Thomas Funeral Home in Stroudsburg, PA confirmed that Woods died this morning (September 29) to The Jazz Line. He was 83.
Arrangements are currently being made for what is expected to be a private service for family and close friends.
Woods was born in Springfield, MA on November 2, 1931. Rather amusingly, after being gifted his first instrument – a saxophone, obviously – at the age of 12, his first instinct was to melt it down to make more toy soldiers for his collection. Thankfully, his mother stopped that from happening and insisted he use the instrument as it was supposed to be used. So he found a music teacher in the phone book, Harvey LaRose, who used the works of Benny Carter to start Woods on a musical path. Incidentally, Carter would later become a close friend and mentor to Woods.
After building a solid foundation on the instrument, Woods sought an academic foundation for his talents and attended Julliard School of Music in New York. The school had yet to introduce a saxophone program in 1948, so he was mentored by close friend clarinetist Joe Lopes while studying clarinet performance and music composition at the conservatory.
He spent the following years establishing himself as a powerhouse bandleader and a diligent sideman, performing with the likes of Thelonious Monk, Quincy Jones, Clark Terry, and Billy Taylor before testing more experimental sounds and spending some time in France, where he married Chan Woods (who was best known as Chan Parker, saxophonist Charlie Parker’s widow) and spent almost 20-years with her.
Woods’ name became familiar to even casual rock and pop listeners after he was featured as a soloist on Billy Joel’s “Just the Way You Are,” which served as Joel’s first Top 10 hit and went on to be covered by countless other artists. Most notably by Barry White.
Phil spent much of his adult life living in Pennsylvania with his wife Jill Goodwin, where they raised their children. He stands as a named performer or bandleader on well over 100 albums. He won a total of four Grammys and was named an NEA ‘Jazz Master’ in 2007.
In a statement made after receiving the accolade, Woods said:
“Jazz will never perish.
It’s forever music, and I like to think that my music is somewhere in there and will last, maybe not forever, but may influence others.”

Rest In Peace Phil Woods.

CRÉDITOS DO PODCAST # 276

29 setembro 2015

LIDER
EXECUTANTES
TEMAS / AUTORES
GRAVAÇÕES LOCAL e DATA
CORY WEEDS
Cory Weeds (sa), Mike LeDonne (org), Peter Bernstein (gt) e Joe Farnsworth (bat)
CONDITION BLUE
(Jackie McLean)
Paramus, NJ, 12/novembro/2014
HOWARD RUMSEY
Lighthouse All Stars: Conte Candoli (tp), Stu Williamson (v-tb), Bud Shank (sa), Bob Cooper (st), Claude Williamson (pi), Howard Rumsey (bx, ldr) e Stan Levey (bat)
DICKIE’S DREAM
(C. Basie / Lester Young)
Los Angeles, 3/dezembro/ 1954
SHORTY ROGERS
Shorty Rogers (tp), Bob Enevoldsen (v-tb), John Graas (fhr), Paul Sarmento (tu), Bud Shank (sa), Jimmy Giuffre (cl), Lou Levy (pi), Ralph Pena (bx) Shelly Manne (bat)
CHANT OF THE COSMOS (Shorty Rogers)  
Los Angeles, 9/dezembro/1955
NEW ORLEANS RHYTHM KINGS 
Paul Mares (cnt), George Brunies (tb), Leon Rappolo (cl), Jack Pettis (st), Elmer Schoebel (pi,arr,dir), Lou Black (bj), Steve Brown (bx) e Frank Snyder (bat)
FAREWELL BLUES
(Paul Mares, Leon Rappolo)
Gennett Records Richmond, Indiana, 29/agosto/1922
HOT CLUB DE PIRACICABA 
Fernado Seifarth (gt), Marcos Monaco (cl), Carlos Chaim (bx) e Cidão Lima (bat)
MR. JOHN
(Fernando Seifarth)
Piracicaba, SP, 2007
MEL POWELL
Johnny Glasel (tp), Jimmy Buffington (fhr), Chuck Russo (sa), Boomie Richman (st), Mel Powell (pi, ldr), Mundell Lowe (gt), Joe Kaye (bx), Edie Phyfe (bat)
EASY SWING 
(Bob Wilbur) 
New York, 1/dezembro/1954
THE JAZZ CRUZADERS
Wayne Henderson (tb, ldr), Wilton Felder (st), Joe Sample (pi), Buster Williams (bx) e Stix Hooper (bat)
IMPRESSIONS (John Coltrane)
Live "The Lighthouse Cafe", Hermosa Beach, CA, 13/novembro/1967
BIG MIKE GRIFFIN 
Big Mike Griffin (gt, vcl), Jim "Fish" Michie (orgão hammond b3), Bob Babbit (bx) e Johnny Bird (bat)
TO MEET THE BLUES
 (Mike Griffin) 
Antioch, Tennessee, dezembro/2003
GEORGIE AULD
Frank Rosolino (tb), Georgie Auld (st), Lou Levy (pi), Leroy Vinnegar (bx) e Mel Lewis (bat)
I FOUND A MILLION DOLLAR BABY
 (Harry Warren/ Billy Rose) 
Hollywood, CA, 2/abril/1963
MILT BERNHART
Milt Bernhart (tb), Bob Enevoldsen (v-tb), Jack Montrose (st), Marty Paich (pi), unknown (bx) e Larry Bunker (bat)
PENNIES FROM HEAVEN  (Arthur Johnston / Johnny Burke)
Live at Hotel Trade Winds, Inglewood, Ca., 24/ março/ 1952
B G
BILL HOLMAN And His Orchestra: Conte Candoli, Al Porcino, Ray Linn (tp) Stu Williamson (tp,v-tb) Lew McCreary, Ray Sims, Bob Fitzpatrick (tb), Herb Geller, Charlie Mariano (sa), Bill Holman, Richie Kamuca, Charlie Kennedy (st), Steve Perlow (sbar), Lou Levy (pi), Max Bennett (bx) e Mel Lewis (bat)
THE BIG STREET

 (Bill Holman)  
Los Angeles, 29/abril/ 1957

FESTIVAL DE JAZZ MANOUCHE – O LEGADO DE DJANGO REINHARDT

28 setembro 2015

31 de outubro de 2015 (Piracicaba) 
2 de novembro de 2015 (São Paulo)      

Entre os dias 28 de outubro e 8 de novembro, vários eventos serão realizados no Brasil, dentre eles apresentações no SESC de Piracicaba, a 3a Edição do Festival de Jazz Manouche de Piracicaba, e a 2a Edição do Festival de Jazz Manouche no  Bourbon Street, São Paulo
Para a edição de 2015 do Festival de Jazz Manouche (em Piracicaba) estão confirmadas as presenças de artistas internacionais expoentes do estilo como Robin Nolan (NED/UK) e Paul Mehling (USA – Hot Club of San Francisco), além do destaque para os acordeonistas e violonistas nacionais que têm tido participação representativa nos grupos do gênero: Bina Coquet (São Paulo), Benoit Decharneux (São José dos Campos), Mauro Albert (Florianópolis), Marcelo Modesto (Campinas), Vinicius Araújo (Curitiba), os acordeonistas  Marcelo Sanfoneiro Cigano (Curitiba), Daniel Grajew (São Paulo) e Thadeu Romano (Campinas) e os grupos Hot Jazz Club (Campinas), Hot Club de Piracicaba (Piracicaba) e Jazz Cigano Quinteto (Curitiba).
Reafirmando sua vocação fundamental de promover o intercâmbio entre as diferenças culturais, o Festival de Jazz Manouche traz músicos com carreiras artísticas estabelecidas e personalidades marcantes, que, malgrado sejam todos praticantes do estilo manouche, desenvolvem trabalhos com personalidades completamente diferentes, enriquecendo assim o cenário musical e promovendo a diversidade. Desde cultores do estilo com linguagem mais purista e tradicional até os que exercitam o intercâmbio do manouche com linguagens jazzísticas contemporâneas; e as misturas vão além: o jazz manouche dá as mãos tanto com o choro, samba e baião quanto com o pop nacional e internacional. Todos os músicos convidados serão acompanhados pelo Hot Jazz Club e/ou pelo Hot Club de Piracicaba, numa verdadeira celebração da alegria, liberdade e irmandade universal através da música.
A origem da palavra francesa ‘manouche’ remonta a milenar Índia, de onde se diz originarem as tribos ciganas, especificamente do vocábulo sânscrito ‘manushya’, que se traduziria como ‘homem’. Como músicos, podemos dizer que, independentemente da nacionalidade, da pátria ou muitas pátrias que cada um já tenha percorrido, o jazz manouche tem sido nosso hino em comum que cantamos com tantos sotaques diferentes, nossa bandeira multicolorida, nosso território sem fronteiras onde nos reconhecemos todos em nossa essencial humanidade.      (Texto: ERNANI TEIXEIRA)

I - Participantes do Festival:
Piracicaba: (31 de outubro de 2015, 19hs00) – Teatro Erotides de Campos
1.            Paul Mehling
2.            Robin Nolan
3.            Hot Jazz Club (Fernando Seifarth, Gilberto de Syllos, Ernani Teixeira)
4.            Hot Club de Piracicaba e Pa Moreno
5.            Jazz Cigano Quinteto (Vinicius Araújo)
6.            Daniel Grajew
7.            Marcelo Sanfoneiro Cigano
8.            Bina Coquet
9.            Três Tigres Tristes
II- São Paulo:  (2 de novembro de 2015, 21hs00, Bourbon Street Music Club).
1.            Paul Mehling
2.            Robin Nolan
3.            Hot Jazz Club (Ernani Teixeira, Marcelo Modesto, Gilberto de Syllos e Fernando Seifarth).
4.            Daniel Grajew
5.            Thadeu Romano
6.            Marcelo Sanfoneiro Cigano
7.            Benoit Decharneux
8.            Flavio Nunes

9.            Vinicius Araújo.

DIANA KRAL ABRE O VOLL-DAMM JAZZ FESTIVAL INTERNACIONAL DE BARCELONA

26 setembro 2015

Diana Krall é uma das muitas estrelas internacionais que participa hoje da versão 47a do famoso Festival de Jazz de Barcelona. Pianista e cantora canadense faria a mesma coisa no ano passado, mas teve de cancelar devido a uma pneumonia que a manteve longe do palco durante meses.
Este festival, um dos maiores da Europa, decorre até 22 de dezembro e traz para seus palcos centenas de músicos de jazz internacionais.
Além de Diana Krall, podemos apontar  Chick Corea, Chucho Valdes, Uri Caine, Alexander Abreu, Becca Stevens, Gemma Genazzano, Joe Scott, James Brandon Lewis, Buika, Fatoumata Diawara, Roberto Fonseca, Ambrose Akinmusire, Bela Flek, Maria Schneider, Richard Galiano, Antonio Sanchez, Kurt Rosenwinkel, Cécile McLorin Salvant, Paquito D'Rivera, Gonzalo Rubalcaba, entre centenas de outros.

Festival de Barcelona tem lugar em diferentes locais e cenários, mas também há muitas outras atividades, tais como workshops, exposições, filmes, palestras, jam sessions, actividades para crianças, e uma degustação de vinhos já tradicional.
Ao longo dos anos este evento trouxe a seus palcos os maiores nomes internacionais no mundo do jazz e, a julgar pelos participantes deste ano, a tradição continua.
O patrocínio geral é da Voll Damm-Doble Malta - um estilo de cerveja Malzebier da cervejaria Damm. Para desenvolver este tipo a Voll Damm-Doble Malta acrescenta duplo malte na receita, o que intensifica seu corpo e sabor.
 (adaptado de Noticias de Jazz)





RECUPERANDO COLUNAS DO MESTRE LOC

25 setembro 2015

Fred Hersch celebra 60 anos com novo CD

Por Luiz Orlando Carneiro, em 12/9/15


No próximo mês de outubro, entre os dias 20 e 25, o pianista Fred Hersch vai celebrar, no minúsculo palco do Village Vanguard, em Nova York, 60 anos de uma vida ao mesmo tempo dramática e gloriosa. A matéria de capa da edição de outubro da revista Downbeat – já disponível na versão digital – tem como título The Miracle of Fred Hersch. E, em entrevista a Ted Panken, ele anuncia a publicação, em 2017, de um livro de memórias, Good things happen slowly(Coisas boas acontecem devagarinho), em colaboração com David Hadju.

Além disso, Hersch está lançando o CD Solo, o seu 12º para a etiqueta Palmetto, num período de 15 anos. Os dois últimos registros foram Free flying(2013), em duo com o guitarrista Julian Lage, e Floating (2014), com o seu notável trio (John Hebert, baixo; Eric McPherson, bateria).

Fred Hersch Solo é o décimo disco do pianista (e compositor) a sós com um Steinway. E é, segundo ele, uma espécie de presente que dá a si mesmo por ocasião do seu ingresso na faixa dos sexagenários.

O novo álbum foi gravado numa velha igreja ao norte de Nova York, em agosto do ano passado, na mesma ocasião em que Hersch foi um dos concertistas do Windham Chamber Music Festival, ao lado da pianista Simone Dinnerstein e outros intérpretes da chamada música erudita.

Como sabem os iniciados, a música de Fred Hersch é tão erudita e tão jazzística (em termos de improvisação e swing) como a arte de Keith Jarrett e de Brad Mehldau – os outros dois grandes pianistas-recitalistas do jazz contemporâneo.

Em fevereiro de 2012, no Village Vanguard, ele fez questão de gravar um set com o seu trio, que foi editado pela Palmetto, seis meses depois, com o significativo título de Alive at the Vanguard – e não simplesmente Live at the Vanguard. O ilustre pianista celebrava então o fato de estar não apenas tocando de novo live (ao vivo), no seu clube preferido, mas de estar ainda alive (vivo). Em 2008, ele estivera muito perto da morte, em coma, durante dois meses, com a migração para o seu cérebro do vírus da Aids, com o qual convive há mais de 30 anos.

Agora, no novo CD, Fred Hersch nos presenteia com uma espécie de súmula definitiva de sua arte - refinada sem ser arrogante, brilhante sem ser ostensiva, emotiva sem ser piegas, densa sem ser hermética.

As sete faixas do álbum consistem num recital de pouco mais de uma hora, começando com a mais longa (12m35), uma junção de Olha Maria e O grande amor, de Tom Jobim, temas que já tinham sido explorados pelo pianista, separadamente, em Plays Jobim (Sunnyside), gravado em 2001, mas só lançado em 2009.

Do book jazzístico propriamente dito, Fred escolheu duas peças muito conhecidas, bem diferentes, nas quais consegue encontrar caminhos surpreendentes em termos de oscilações rítmicas e combinações harmônicas: Caravan (7m40), a composição “oriental” do trombonista Juan Tizol, de 1936, que logo virou um dos temas marcantes da orquestra de Duke Ellington; In walked Bud (7m30), um dos achados melódicos mais irresistíveis de Thelonious Monk.

Do chamado American songbook, o pianista pinçou The song is you (7m50), de Jerome Kern, e Both sides now (8m), de Joni Mitchell.

De sua pena, Hersch apresenta novas versões magníficas de Whirl (7m55) – faixa-título de um CD em trio de 2010 – e de Pastorale (8m50) – peça dedicada a Schumann, registrada anteriormente no álbum Alone at the Vanguard, editado em 2011, também pela Palmetto.


P O D C A S T # 2 76

CORY WEEDS
BIG MIKE GRIFFIN  
MEL POWELL

GEORGE AULD





PARA DOWNLOAD DO ÁUDIO CLICAR NO HYPERLINK ABAIXO:

http://www81.zippyshare.com/v/SNfJxwsT/file.html

COLTRANE E DAVIS JUNTOS – ÚLTIMAS GRAVAÇÕES

23 setembro 2015



O Selo Acrobat já está vendendo uma coleção de 4 CDs com gravações obtidas na longa turnê europeia do Miles Davis Quintet em 1960, que marcou o fim da parceria fértil com John Coltrane que havia começado cinco anos antes.
No quinteto também atua a seção rítmica lendária composta por Wynton Kelly (piano), Paul Chambers, (baixo) e Jimmy Cobb  (bateria).
A coleção inclui gravações feitas em transmissões ao vivo de radios europeias, apresentações em concertos e gravações de estúdio. Algumas dessas faixas históricas foram publicadas antes, individualmente e esporádicas em alguns álbuns. Contudo, esta é a primeira vez que uma seleção ordenada das faixas é realizada em quatro CDs.
Entre as seis faixas do primeiro álbum uma entrevista com John Coltrane por Carl-Eric Lindgren está incluída.
A seleção inclui seis horas de gravações tecnicamente de boa qualidade de som e inclui um livreto de 36 páginas escrito pelo crítico e saxofonista Simon Spillett, incluindo também várias fotografias.

(adaptado de Noticias de Jazz)

DE VEZ EM QUANDO UM RANKING

22 setembro 2015

Como acho que todos já sabem, de tempos em tempos procuro trazer pra cá um chart das vendas semanais de CDs nos EUA. E como sempre digo quando o façao, é muito mais para conhecer artistas que se estão lançando com alguma repercussão de momento para poder ouvir seus trabalhos e conhecê-los. Assim segue o da semana terminada ontem.
Escolhi só até o 20o. posto para não ficar longo demais. Clicando sobre a imagem ele aumenta mais um pouco, facilitando a leitura.

Divirtam-se, abraços.

































P.S.: 1) as notações nas primeiras colunas são: TW- this week; LW- last week; 2W- 2 semanas atrás.
2) não sei porque ficou uma linha em amarelo, nem porque o 8 está vermelho, ok? =8^()

CRÉDITOS DO PODCAST # 275

LIDER
EXECUTANTES
TEMAS / AUTORES
GRAVAÇÕES LOCAL e DATA
SIDNEY BECHET
Sidney Bechet And His New Orleans Feetwarmers: Rex Stewart (cnt), Sidney Bechet (cl, ss), Earl Hines (pi), John Lindsay (bx) e Baby Dodds (bat)
AIN’T MISBEHAVIN
 (Fats Waller)
Chicago, 6/setembro/1940
STOMPY JONES
 (Duke Ellington)
Sidney Bechet & His All Stars: Guy Longnon (tp), Jean-Louis Durand (tb), Sidney Bechet (s-sop), Charlie Lewis (pi), Alf "Totole" Masselier (bx) e Armand Molinetti (bat) James Campbell (vcl)
THAT OLD BLACK MAGIC (Harold Arlen / Johnny Mercer)
Paris, 21/janeiro/ 1952
BECAUSE OF YOU
 (Dudley Wilkinson)
Sidney Bechet (cl), Earl Hines (pi) e Baby Dodds (bat)
BLUES IN THIRDS (Earl Hines)
Chicago, 6/setembro/1940
Clarence Williams' Blue Five: Tom Morris (cnt), John Mayfield (tb), Sidney Bechet (cl,sop) Clarence Williams (pi) e Buddy Christian (bj)
KANSAS CITY MAN BLUES (Clarence Williams / James P. Johnson) 
New York, 30/julho/1923
Sidney Bechet (s-sop), Lloyd Phillips (pi), Pops Foster (bx) e Arthur Herbert (bat)
JUST ONE OF THOSE THINGS (Cole Porter)
New York, 31/julho/1947
LAURA
(David Raksin / Johnny Mercer)
Sidney Bechet's Blue Note Quartet: Sidney Bechet (cl,sop), Teddy Bunn (gt), Pops Foster (bx)  e Sidney Catlett (bat)
DEAR OLD SOUTHLAND  (Henry Creamer / Turner Layton) 
New York, 27/março/ 1940
Sidney Bechet (s-sop), Lloyd Phillips (pi), Pops Foster (bx) e Freddie Moore (bat)
BUDDY BOLDEN STOMP (Sidney Bechet)
New York, 23/julho/1947
Sidney Bechet (sop,vcl), Cliff Jackson (pi), Wellman Braud (bx) e Sidney Catlett (bat)
MAKE ME A PALLET ON THE FLOOR
 (Traditional)
New York, 4/junho/ 1940
Sidney Bechet (s-sop), Meade Lux Lewis (pi), Teddy Bunn (gt), Johnny Williams (bx) e Sidney Catlett (bat)
SUMMERTIME (G. Gershwin)
New York, 8/junho/1939
Frankie Newton (tp), Albert Ammons (pi), Sidney Bechet (cl, s-sop), Teddy Bunn (gt), Pops Foster (bx) e Sid Catlett (bat)
LONESOME BLUES
(Lil Armstrong)
Chicago, 7/abril/1939
Pierre Dervaux (tp), Guy Longnon (v-tb), Claude Luter (cl) e Sidney Bechet (s-sop), Christian Azzi (pi), Roland Bianchini (bx) e Moustache Galepides (bat)
I GOT RHYTHM
(George Gershwin / Ira Gershwin)
La Chaux-de-Fonds, Neuchâtel, Suiça, 4/novembro/1950
SOCIETY BLUES
(Sidney Bechet)
Muggsy Spanier (cnt), George Brunies (tb), Albert Nicholas (cl), Sidney Bechet (s-sop), James P. Johnson (pi), Danny Barker (gt), Pops Foster (bx) e Baby Dodds (bat)
CHARLESTON
(Cecil Mack / James P. Johnson) 
Radio Broadcast, New York, 1/março/ 1947
BG - Guy Longnon (tp), Jean-Louis Durand (tb), Andre Reweliotty (cl), Sidney Bechet (s-sop) Eddie Bernard (pi), Zozo D'Halluin (bx) e Andre Jourdan (bat)
I HAD IT BUT IT'S ALL GONE NOW (Sidney Bechet)
Paris, 5/dezembro/ 1955

CONCERTO DE GALA EM HONRA DE SONNY ROLLINS

21 setembro 2015

A "Jazz Foundation of America", anunciou que este ano vai ser agraciado com o prêmio "Lifetime Achievement" o saxofonista Sonny Rollins no concerto de gala anual chamado "A Grande Noite Em Harlem".

Este é o décimo quarto evento anual de seu tipo realizado em Nova York e este ano em 22 de outubro será uma ocasião muito especial por causa da popularidade de Sonny Rollins que conquistou ao longo de décadas entre os fãs e colegas de diferentes gerações.

Entre os músicos que irão realizar este evento estarão: Jimmy Heath, Jack DeJohnette, Gary Bartz, Billy Harper, Randy Brecker, Clifton Anderson, Kenny Garrett, Ravi Coltrane, Al Foster, James Carter, Wallace Roney, Cecil Bridgewater Big Band.


Sonny Rollins está aposentado do palco  a partir de um dois anos atrás por causa de problemas de saúde e vive em seu apartamento em Nova York, depois de uma carreira de décadas, que começou, dentre outros grupos, os quintetos de Clifford Brown e Miles Davis para continuar a desenvolver uma carreira como um dos gigantes do jazz até recentemente, tornando-se um dos expoentes mais importantes de seu instrumento o sax tenor na história do jazz moderno. Nos últimos anos fez intensas digressões internacionais realizadas em festivais de jazz e salas de concerto.
(adaptado de Noticias de Jazz)

Série   PIANISTAS  DE  JAZZ
Algumas Poucas Linhas Sobre o Piano e os Pianistas
18ª Parte

(23)     ELMO HOPE   -   Escutando Bud Powell          (Resenha longa)

Elmo Sylvester Hope, ELMO HOPE, pianista, compositor e arranjador norte-americano, nasceu (27/junho/1923) e faleceu (19/maio/1967) em New York.
Filho de pais das Antilhas (Simon e Gertrude Hope), com muitos irmãos, iniciou seus estudos e práticas no piano com 07 anos de idade, voltado para a  música clássica com a qual venceu concurso de piano.solo com 15 anos e com base na qual dava recitais.
Foi amigo de infância de ninguém menos que Bud Powell, com quem estudava, tocava e ouvia horas a fio JAZZ e música clássica, sendo ambos contemporâneos e companheiros de Thelonius Monk.
Foi estudante na “Benjamin Franklin High School” até completar 17 anos, ainda residente na Madison Avenue para depois deixar o Harlem, certo de que seu lugar seria o “centro” da ilha, a então capital do JAZZ.
Aquí abrimos um parênteses para o que poderia ter sido uma morte ainda mais prematura do então jovem ELMO HOPE, já que ele com 17 anos e por milagre sobreviveu aos tiros efetuados por um grupo de  políciais de New York;  foi levado para o “Sydenham Hospital” onde os médicos constataram que uma das balas por milímetros não atingira sua espinha dorsal.   Após 06 semanas de internação ele saiu do hospital diretamente para um tribunal, acusado de “agressão, tentativa de roubo e violação da Lei Sullivan”, com os policiais envolvidos testemunhando que ELMO HOPE fora parte de um grupo de cinco envolvidos em um assalto;   ele declarou que estava no local e fugiu com muitos outros transeuntes depois que os policiais começaram a atirar, sendo atingido ao entrar em um beco;   ocorre que nenhum dos outros quatro “assaltantes” e tampouco as três “vítimas” brancas jamais foram identificados pelos policiais;  o advogado de HOPE descreveu a ação policial como um “ultraje” e as acusações como acobertamento e o Juiz absolveu HOPE de todas as acusações.
ELMO HOPE tornou-se pianista de orquestras de baile e em botecos (“speak easys”) marcando presença desde o Bronx até Coney Island,  fez parte de octeto liderado pelo trumpetista Eddie Robinson em 1947 e no período de 1948/1951 (com intervalo no qual esteve no exército americano) e com o surgimento do “bebop” é empregado na banda de Joe Morris que, se por um lado garante-lhe sustento e projeção, por outra parte o afasta por momentos de New York, já que a banda realizou apresentações em “ballrooms” e clubes, excursionando por todo o território americano, além de realizar muitas gravações.
Em New York e segundo testemunho do saxofonista Johnny Griffin, muitos músicos [ 13 ]viviam praticando e aprendendo na casa de Monk no Harlem ou na de ELMO HOPE no Bronx, ouvindo Charlie Parker e Dizzy Gillespie, montando e decifrando harmonias, com ELMO sempre pronto a tirar as dúvidas.
Em 06/março/1943 e em vias de completar 20 anos, já casado (o casal havia perdido 01 filho) HOPE alistou-se no exército americano, então envolvido na IIª Guerra Mundial.     Os termos do alistamento o definiam como “solteiro e com dependentes” e  sua permanência até quando durasse o conflito e mais 06 meses.
Retornando a New York em meados dos anos 1950 ele gravou como “sideman” para diversos músicos então em evidência, ai incluídos John Coltrane, Lou Donaldson, Clifford Brown, Sonny Rollins e Jackie McLean;   uma dessas gravações, de 1953,  despertou a atenção do produtor Alfred Lion que em uma semana supervisionou a   gravação de estreia como líder de ELMO HOPE (“Elmo Hope Trio”, álbum de 10 polegadas), ao lado de Percy Heath no baixo e  de Philly Joe Jones na bateria.    A sessão de gravação rendeu a ELMO HOPE cerca de 01 ano após, o álbum "Elmo Hope Quintet, Volume 2".
Em agosto de 1954 ELMO HOPE gravou para o selo Prestige o álbum “Moving Out” (liderado por Sonny Rollins), assinando contrato com essa etiqueta  em 1955 e gravando os álbuns “Meditations” em trio e “Jazz Informal”, secundado por Donald  Byrd, Em janeiro de 1956 HOPE gravou com com Jackie McLean (álbum “Lights Out!), este então em ascensão e protagonizou  logo após episódio bizarro ao deixar o estúdio onde deveria gravar com Gene Ammons;  disse que visitaria uma tia no hospital, mas todos sabiam que o problema era a maldita droga pois, a essa altura ELMO HOPE já era usuário de heroína, tendo sido em 1956 condenado por posse e como usuário de drogas, tendo a licença cassada (“New York Cabaret Card”), sendo proibido de atuar em clubes de New York;    excursionou com Chet Baker e foi  para a Costa Oeste (Los Angeles) em 1957, alí residindo por, para ele que criara raízes em New York, longos 04 anos, ainda que com colaborações interessantes como, por exemplo, com Harold Land, que no  “Jazz Workshop” de San Francisco de 1957 o apreciou acompanhando Sonny Rollins, Scot LaFaro e Lennie McBrowne, decidindo contratá-lo assim como a toda a seção rítmica, com eles cumprindo temporada no “Cellar” de Vancouver.
ELMO HOPE gravou com Harold Land, montou e gravou com grupo próprio (ele mais Stu Willianson, Leroy Vinegar e Frank Butler) e assumiu nova formação com Jack Sheldon e Pepper Adams.
Em 1959 HOPE gravou em quinteto o álbum “The Fox”, com 04 temas de sua autoria (além do álbum “Elmo Hope Trio”) que, segundo o crítico e historiador David Rosenthal, eram uma clara ilustração do alto patamar musical desenvolvido pelo pianista na Costa Oeste.    O álbum “Elmo Hope Trio” recebeu da revista “Down Beat” a rara apreciação de 05 estrelas, afirmando que a estética de HOPE continha uma melancolia agridoce que aparenta influir no cerne de outros músicos de JAZZ.
Em 1960 conhece a pianista Bertha Rosemond (mais tarde Bertha Hope sua segunda e definitiva esposa), com quem gravou em 1961 “Hope-Full”.
Até então e descontadas as apreciações dos álbuns de 1959, diversos críticos opinavam que ELMO HOPE ofuscava sua carreira gravando com muitos músicos “emergentes” (artigo de 1976 do “Buffalo Jazz”, por exemplo), enquanto outros  afirmavam que sua individualidade extremamente complexa e sutil tanto na técnica de tocar quanto na de compor, ultrapassavam o virtuosismo predominante no “bebop” em curso.
HOPE gravou ainda em quinteto com Curtis Counce e foi contratado por Lionel Hampton para apresentação no”Moulin Rouge” de Hollywood.
A carreira do pianista foi interrompida em diferentes ocasiões, em consequência de prisões pela posse e uso de narcóticos, levando Orrin Keepnews do selo Riverside a aconselhá-lo a que retornasse para New York, o que efetivamente ocorreu em 1961, quando HOPE retornou com a mulher e sua pequena filha, passando a gravar seguidamente em diversos formatos (trio, sexteto) com Blue Mitchell, Frank Foster, Jimmy Heath, Percy Heath e Philly Joe Jones.
Com a saúde acusando problemas a atividade de ELMO HOPE foi sendo reduzida, mas reencontrou  Curtis Counce para substituir Carl Perkins.
Em junho/1961 HOPE integrou quinteto que incluía o trumpetista Freddie Hubbard, além de gravar  nessa  época 04 álbuns ("Here's Hope!", "High Hope!", "Homecoming!" e "Hope Full"), que incluem piano.solo e duetos com a esposa (ela também ao piano).    Em 1963 gravou em sexteto o álbum "Sound From Rikers Island (referência ao complexo prisional de New York, onde todos os músicos participantes da gravação já haviam cumprido pena ! ! !).
Havia  gravado no final de 1962 com Jackie McLean, liderou trio em 1963 (Ray Jenney no baixo e Lex Humphrie à bateria), em 1964 seu trio apresentava John Ore no baixo e Billy Higgins na bateria, prosseguiu em 1965 liderando trio e quarteto, mas os anos de droga cobravam altos juros e até o final da carreira apresentou-se com baixíssima frequência, culminando em 1966 com sua derradeira apresentação, no “Judson Hall” de New York.
HOPE foi HOPE foiHOHhospitalizado com pneumonia em 1967, falecendo em poucas semanas e deixando esposa com 31 anos e 03 fillhos (uma filha, Monica Hope, tornou-se cantora de JAZZ).
O estilo de ELMO HOPE foi fortemente influenciado pelo blues e pela tradição, com emprego de harmonias dissonantes, linhas melódicas e frases em contraste (delicadeza + contraste + ousadia), tons muitas vezes “sombrios”, mudanças de acordes nas introduções e com senso de tempo muito pessoal do que resultava imprevisibilidade na colocação das notas (avanço ou retardamente em relação às batidas).   Em muitos momentos ele nos lembra Bud Powell.
Enquanto compositor HOPE legou-nos algumas belezas enigmáticas entre suas mais de 70 composições: "Minor Bertha", “One Down”, “Barfly” e “Tranquility” são  exemplos de sua complexa criatividade.
Com certeza a tríade ELMO HOPE, Bud Powell e Thelonius Monk constituíram um claro “ponto-de-partida” para os pianistas iniciantes das décadas de 1960/1970/1980:   Lafayette Gilchrist, Alexander Hawkins, Frank Hewitt e Hasaan Ibn Ali, assim como para músicos de outros instrumentos (por exemplo, o guitarrista Kurt Rosenwinkel).
A pianista e esposa Bertha Hope casou-se mais tarde com o contrabaixista Walter Booker e juntos criaram em 1999 o grupo "Elmollenium" que apresentava composições de ELMO, segundo ela poucas,  uma vez que muitas delas perderam-se em incêndio no apartamento que possuíam no Bronx.  
A discografia de ELMO HOPE não é extensa, até pelo seu pouco tempo de atividade em função de morte prematura, mas a seguir listamos uma relação compacta incluindo álbuns em que ele lidera e outros em que é “sideman”.
1953           Elmo Hope Trio                              Blue Note       Líder
1953           New Faces New Sound                    Blue Note
1954           Elmo Hope Quintet                         Blue Note      Líder
1955           Elmo Hope Trio                               Prestige         Líder
1955           Elmo Hope / Frank Foster Quintet  Prestige         Co-líder 
1956           Elmo Hope All Stars Sextet            Prestige         Líder
1957           Elmo Hope Quintet                          Pacific J       Lider
1959           Elmo Hope Trio  -  The Fox            HiFi Jazz      Líder
1961           Elmo Hope Sextet                            Riverside     Líder
1961           Elmo Hope Trio                               Riverside      Líder
1961           Elmo Hope / Bertha Hope               Riverside      Co-líder
1961           Elmo Hope Trio                               Beacon         Líder
1963           Elmo Hope Ensemble                      Audio Fidelity      Líder
1966           Elmo Hope Trio                               OJC              Líder
1966           Elmo Hope Trio                               OJC              Líder
Prosseguiremos  nos  próximos  dias