Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Luiz Carlos Antunes (Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), , Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).

BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

FESTIVAL DE JAZZ MANOUCHE – O LEGADO DE DJANGO REINHARDT

28 setembro 2015

31 de outubro de 2015 (Piracicaba) 
2 de novembro de 2015 (São Paulo)      

Entre os dias 28 de outubro e 8 de novembro, vários eventos serão realizados no Brasil, dentre eles apresentações no SESC de Piracicaba, a 3a Edição do Festival de Jazz Manouche de Piracicaba, e a 2a Edição do Festival de Jazz Manouche no  Bourbon Street, São Paulo
Para a edição de 2015 do Festival de Jazz Manouche (em Piracicaba) estão confirmadas as presenças de artistas internacionais expoentes do estilo como Robin Nolan (NED/UK) e Paul Mehling (USA – Hot Club of San Francisco), além do destaque para os acordeonistas e violonistas nacionais que têm tido participação representativa nos grupos do gênero: Bina Coquet (São Paulo), Benoit Decharneux (São José dos Campos), Mauro Albert (Florianópolis), Marcelo Modesto (Campinas), Vinicius Araújo (Curitiba), os acordeonistas  Marcelo Sanfoneiro Cigano (Curitiba), Daniel Grajew (São Paulo) e Thadeu Romano (Campinas) e os grupos Hot Jazz Club (Campinas), Hot Club de Piracicaba (Piracicaba) e Jazz Cigano Quinteto (Curitiba).
Reafirmando sua vocação fundamental de promover o intercâmbio entre as diferenças culturais, o Festival de Jazz Manouche traz músicos com carreiras artísticas estabelecidas e personalidades marcantes, que, malgrado sejam todos praticantes do estilo manouche, desenvolvem trabalhos com personalidades completamente diferentes, enriquecendo assim o cenário musical e promovendo a diversidade. Desde cultores do estilo com linguagem mais purista e tradicional até os que exercitam o intercâmbio do manouche com linguagens jazzísticas contemporâneas; e as misturas vão além: o jazz manouche dá as mãos tanto com o choro, samba e baião quanto com o pop nacional e internacional. Todos os músicos convidados serão acompanhados pelo Hot Jazz Club e/ou pelo Hot Club de Piracicaba, numa verdadeira celebração da alegria, liberdade e irmandade universal através da música.
A origem da palavra francesa ‘manouche’ remonta a milenar Índia, de onde se diz originarem as tribos ciganas, especificamente do vocábulo sânscrito ‘manushya’, que se traduziria como ‘homem’. Como músicos, podemos dizer que, independentemente da nacionalidade, da pátria ou muitas pátrias que cada um já tenha percorrido, o jazz manouche tem sido nosso hino em comum que cantamos com tantos sotaques diferentes, nossa bandeira multicolorida, nosso território sem fronteiras onde nos reconhecemos todos em nossa essencial humanidade.      (Texto: ERNANI TEIXEIRA)

I - Participantes do Festival:
Piracicaba: (31 de outubro de 2015, 19hs00) – Teatro Erotides de Campos
1.            Paul Mehling
2.            Robin Nolan
3.            Hot Jazz Club (Fernando Seifarth, Gilberto de Syllos, Ernani Teixeira)
4.            Hot Club de Piracicaba e Pa Moreno
5.            Jazz Cigano Quinteto (Vinicius Araújo)
6.            Daniel Grajew
7.            Marcelo Sanfoneiro Cigano
8.            Bina Coquet
9.            Três Tigres Tristes
II- São Paulo:  (2 de novembro de 2015, 21hs00, Bourbon Street Music Club).
1.            Paul Mehling
2.            Robin Nolan
3.            Hot Jazz Club (Ernani Teixeira, Marcelo Modesto, Gilberto de Syllos e Fernando Seifarth).
4.            Daniel Grajew
5.            Thadeu Romano
6.            Marcelo Sanfoneiro Cigano
7.            Benoit Decharneux
8.            Flavio Nunes

9.            Vinicius Araújo.

2 comentários:

APÓSTOLO disse...

Estimado MÁRIO JORGE:
Perfeito - suponho que estarei lá, para aplaudir esses músicos que cultivam a arte de DJANGO.

APÓSTOLO disse...

Estimado MÁRIO JORGE:
Em tempo - tal como em 2014 no 2º Festival, estarei no dia 31/10 em Piracicaba para fazer a apresentação de abertura do 3º Festival.