Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Luiz Carlos Antunes (Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), , Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).

BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

FALECEU ION MUNIZ

01 setembro 2009


Faleceu em 30 de agosto aos 61 anos de idade o saxofonista e flautista Ion Muniz. Além do Jazz Ion dedicou-se também a educação musical, lançando os livros “Functional Improvisation” e “Muniz Music”. Conhecemos Ion Muniz nos tempos do “Clube de Jazz e Bossa” quando atuava nas “Jam Sessions” de domingo no Copacabana Palace. A causa mortis foi “cirrose aguda”.
RIP

6 comentários:

Roberto Murilo disse...

A causa mortis do Ion, foi a mesma do Victor Assis Brasil, do Edson Maciel e tantos outros: todos vítimas do star system subdesenvolvido tupiniquim.

Anônimo disse...

Star System é cana?

Leandro Souto-Maior

Anônimo disse...

Seja la qual for a causa meus amigos (AMIGOS ?), o que na realidade e realmente importante, e a MUSICA que nos foi deixada por esse SER HUMANO de um talento inigualavel.

Saudades caro Ion, dos nossos momentos com o quateto do Edison Machado.

Luiz Carlos Cunha

Paulo Macedo disse...

Ion foi, além de um grande músico, um professor dedicado e apaixonado pela música. Deixará uma grande lacuna e muita saudade.

Sua causa mortis pouco importa. O que foi relevante foi a sua causa vida.

PM

barao disse...

Ion foi um grande saxofonista. O som dele era gigantesco, dificil de ser capturado em gravação.

Houve uma época em que todo saxofonista brasuca queria ser Coltrane e tocava Giant Steps. Ion era talvez o único que podia. E como.

Mais uma vez, uma sensação de imensa perda, de um talento fulgurante que se foi cedo demais e que devia ter sido mais celebrado, mais conhecido, mais documentado. O Brasil perdeu um de seus grandes músicos e nem percebeu.

Joe Carter disse...

R.I.P. Ion. I have very fond memories of your beautiful sound and of us playing together with Luiz Eca at People Jazz Bar in 1988.