Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Luiz Carlos Antunes (Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), , Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).

BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

P O D C A S T # 4 4 2

30 novembro 2018



GRANDES SOLOS DA HISTÓRIA DO JAZZ





PARA DOWNLOAD DO ARQUIVO DE ÁUDIO USAR O LINK ABAIXO E CLICAR EM  BAIXAR


4 comentários:

Anônimo disse...

Grande seleção, Major! Destaco o Hank Mobley (o seu "Soul Station" é sensacional) e o Cannonball Adderley.
Ouvindo a Ella Fitzferald, dá pra ver o quão notável era o Paul Smith ao piano. E, pro meu gosto, o quão decepcionalnte eram os seus discos como líder. Não consegui gostar de nenhum!
Grande abraço,
Takechi

MARIO JORGE JACQUES disse...

ok TAKECHI, que bom que gostou da seleção, acho a única viável da famigerada lista da JAZZTIMES, mas como disse no programa são grandes solos mas não os maiores da história do jazz, até porque para mim é impossível conceber os tais maiores da história do jazz, sempre ficariam alguns de fora, agora grandes solos, ótimos solos, podemos enumerar muitos, e a cargo do gosto de cada um. Se vc tiver o livro Jazz Panorama do Jorginho Guinle, ao final tem uma seleção de 10 ou 12 cronistas, historiadores, pequisadores com uma lista dos 10 maiores músicos. Há alguma unanimidade, mas listas muito diferentes e até algumas surpresas. Valeu e um abraço.

Nelson disse...

Endossamos aqui os comentários do produtor do "pod", e meu amigo, Mario Jorge. Adicionalmente, de que dentre os solistas apresentados, eles mesmos, têm outros solos que traduzem, em meu gosto, maior atratividade.
Reparem como o solo de Freddie Hubard tem toda uma consistência de improviso e digitação do grande Clifford Brown, em largos momentos.
O confrade Takechi está correto, quanto ao Paul Smith que conheci quando veio ao Brasil, Copacabana Palace - RJ, acompanhando Ella Fitzgerald. Todavia, seu disco "Cool and Sparkling" é "bom de ouvir".
O finado e saudoso Mestre Lulla diria que o jazz de Paul Smith "é agua com açúcar e bonitinho"

Obrigado Mário,

Abçs. e Bom final de semana.

"Nels"

Edison Junior disse...

Fantástico podcast! Mal vi as quase duas horas de programa passarem. Abraços!