Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Luiz Carlos Antunes (Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), , Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).

BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002
SIGA-NOS TAMBÉM NO FACEBOOK

35 ANOS SEM HARRY JAMES

05 julho 2018


Esta data marca os 35 anos da morte de Harry James com 67 anos, um dos mais destacados e melhores trompetistas da era do swing.
Músicos de estilos tão diversos e posteriores a ele admiraram e prestaram homenagem, como é o caso de Miles Davis e Clifford Brown.
James tinha uma técnica refinada para tocar seu instrumento e ampla versatilidade criativa para improvisar. Ele dirigiu suas próprias big bands e tocou nas de outros, como as de Ben Pollack e Benny Goodman.
Ele participou de muitos filmes de Hollywood, 19 deles, e escreveu métodos de aprendizado de trompete que ainda são usados.
No clipe abaixo nós vemos e ouvimos ele com uma de suas últimas grandes bandas DON'T BE THAT AWAY com o baterista Buddy Rich, em 1965



(traduzido e adaptado do blog Noticias de Jazz)

Gravando desde 1939 a 1979 liderou 41 singles e  16 álbuns.
Sua filmografia:
·         Hollywood Hotel (1937) (o próprio, na Benny Goodman's band)
·         Syncopation (1942) (o próprio)
·         Springtime in the Rockies (1942) (o próprio)
·         Private Buckaroo (1942) (o próprio)
·         Swing Fever (1943) (o próprio)
·         Best Foot Forward (1943) (o próprio)
·         Bathing Beauty (1944) (o próprio)
·         Two Girls and a Sailor (1944) (o próprio)
·         Do You Love Me (1946) (orquestra)
·         If I'm Lucky (1946) (orquestra)
·         Carnegie Hall (1947) (o próprio)
·         I'll Get By (1950) (o próprio)
·         The Benny Goodman Story (1956) (o próprio)
·         The Opposite Sex (1956) (o próprio)
·         Outlaw Queen (1957) (orquestra)
·         Riot in Rhythm (1957) (o próprio)
·         The Big Beat (1958) (orquestra)
·         The Ladies Man (1961) (o próprio)
·         The Sting II (1983) (orquestra)

2 comentários:

pedrocardoso@grupolet.com disse...

Estimado MÁRIO JORGE:
Bela lembrança e homenagem a um dos grandes - não foi o "máximo" mas foi destaque permanente na época de ouro das big bands.
A gravação de "Trumpet Blues" é, com todos os motivos, uma das mais festejadas de sua discografia (devidamente incluída no longa metragem "Escola de Sereias" - Bathing Beauty, veículo para as coreografias aquáticas de Esther Williams).

ts disse...

E DON'T BE THAT AWAY tem um belo arranjo do Ray Coniff!!!