Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Luiz Carlos Antunes (Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), , Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).

BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

"POSSIBILITIES", A AUTOBIOGRAFIA DE HERBIE HANCOCK

11 abril 2018


Não é a primeira vez que o título "POSSIBILITIES" é associado a Herbie Hancock. Já havia um documentário audiovisual sobre ele com esse nome, e também era o título de um de seus álbuns. Mas Hancock decidiu usá-lo para sua autobiografia, recebida com grande elogio há pouco tempo.
O livro é, em grande parte, uma história pessoal do desenvolvimento do jazz moderno, imerso em sua própria experiência e carreira musical.
Herbie Hancock é um músico multifacetado respeitado e admirado por músicos de todos os gêneros. Pianista e compositor de nota, sua carreira de quase sete décadas em que ele ganhou 14 prêmios Grammy, um Oscar, assim como inúmeros outros prêmios e honrarias. Essa autobiografia, portanto, era ansiosamente aguardada em vários setores do mundo cultural e artístico, além do próprio jazz.
Vai desde o seu início como uma criança prodígio em Chicago (onde ele fez sua estréia como pianista clássico aos 11 anos, tocando um concerto de Mozart com a Orquestra Sinfônica de Chicago), ao seu status atual como um embaixador cultural da UNESCO e presidente do Thelonious Monk Instituto de Jazz.
Conta em detalhes o seu trabalho com artistas como Miles Davis, Wayne Shorter, Stevie Wonder, Kathleen Battle, Joni Mitchell, Sting, Paul Simon, Carlos Santana, Annie Lennox, John Mayer, Christina Aguilera e Tina Turner, que deixa claro a versatilidade e amplitude do interesse artístico de Hancock.
Ele conta como se tornou um pianista clássico e depois um pianista de jazz; sua estreita amizade com Donald Byrd, Wayne Shorter e Tony Williams;  personagens de muitos de seus álbuns - a tremenda influência que Miles Davis teve sobre ele; seu encontro com drogas e, depois, com o budismo; seu interesse pela música eletrônica; seu relacionamento com sua família; como o racismo o afetou apesar de sua fama; seus prêmios; sua música para filmes e o "Oscar" que ele conseguiu com a direção musical do filme "Round Midnight"; honras acadêmicas internacionais e muito mais.
Este livro é uma leitura obrigatória para todos os amantes da música que apreciam a arte de Herbie Hancock.

Sua beleza reside no fato de que o ponto focal é a VIDA, e não só a música. Isso leva Herbie a se abrir completamente ao leitor, expondo seus altos e baixos, e fazendo um ponto forte sobre como o Budismo Nichiren desempenhou (e ainda desempenha) um papel central em sua vida.

Inegavelmente um documento precioso para a história do jazz baseado neste notavel músico.

(traduzido e adaptado do blog Noticias de Jazz)

2 comentários:

pedrocardoso@grupolet.com disse...

Estimado MÁRIO JORGE:

Vou correr atrás - sem dúvida um documento mais que importante, assim como HERBIE.

pedrocardoso@grupolet.com disse...

Estimado MÁRIO JORGE:

Complementando o comentário anterior, lembro que hoje, 12/abril, é data do 78º aniversário de HERBIE (Herbie Hancock, piano, Illinois, 1940).