Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Luiz Carlos Antunes (Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), , Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).

BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

P O D C A S T # 3 9 9

02 fevereiro 2018






PARA DOWNLOAD DO ARQUIVO DE ÁUDIO USAR O LINK ABAIXO E CLICAR NA JANELA BAIXAR:

6 comentários:

pedrocardoso@grupolet.com disse...

Estimado MÁRO JORGE:

Grande "pod" com uma das glórias do JAZZ, invadindo com sucesso terras politicamente hostís.
A MÚSICA é a linguagem universal.

Anônimo disse...

MARAVILHA MAJOR, um concerto pra ninguem botar defeito, realmente histórico em 1962 uma banda de jazz norte-americana ser aclamada em plena guerra fria. O povo sob domínio comunista não merecia o isolamento cultural que tentavam impor, cultura é universal!!!
Carlos Lima

Edison Junior disse...

Um magnífico concerto, realmente!
Ao ouvir a história sobre a restrição à cultura ocidental na URSS, me lembrei do filme Os Últimos Rebeldes (Swing Kids), sobre a luta dos apreciadores de jazz (gente como nós!) na Alemanha sob o jugo nazista para poder ouvir e dançar sua música. Para quem não assistiu, recomendo!
Abraços, MaJor, e rumo aos 400!

pedrocardoso@grupolet.com disse...

Parabéns EDISON JUNIOR pela feliz lembrança de um belo filme.
Jovens tentando romper as estúpidas barreiras do nazismo (que como todos os "ismos" nada mais são que poder pelo poder e alienação cultural).

MARIO JORGE JACQUES disse...

Valeu Junior vou procurar o filme Abraço

Nelson disse...

SWING, SWING, SWING, BENNY, BENNY, BENNY
Não adianta tentar conter o progresso e a cultura da humanidade. Seja a Igreja no passado, o nazismo ou comunismo, mais próximos. Música não tem fronteira. Está aí um exemplo disso. Uma tremenda banda de jazz, de excelentes músicos, em plena "guerra fria" (Rússia X USA).
Grande "pod", Mário.

Obrigado pela bela escolha.
"Nels"