Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Luiz Carlos Antunes (Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), , Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).

BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

ASSIM ERA GILLESPIE (Por Pablo Aguirre)

07 janeiro 2018

São 24 anos desde a morte de Dizzy Gillespie, uma das grandes lendas de jazz. Sua contribuição para o desenvolvimento do jazz moderno, juntamente com Charlie Parker e outros revolucionários do be-bop, foi incomensurável. 
Eu (Pablo Aguirre) o vi e ouvi muitas vezes em Londres, conheci-o pessoalmente e tive a sorte de entrevistá-lo para o Serviço Mundial da BBC em 1985. Para as toneladas de textos que foram transmitidos sobre ele, eu só posso contribuir com minha impressão pessoal: um gênio musical com um profundo e inato senso de ritmo, um extraordinário trompetista, compositor e cantor, pioneiro na época, um homem afável, simples e amigável com um grande senso de humor, que emanava calor e generosidade humana. Foi um prazer estar em sua companhia. Sua discografia é imensa e conhecida. Mas o vídeo singular e curto abaixo reflete, em certa medida, algumas das características da personalidade simples e humorística de Dizzy Gillespie, convidado que foi para o lendário Show of the Muppets em 1980. 


(traduzido do blog Noticias de Jazz de Pablo Aguirre)

2 comentários:

pedrocardoso@grupolet.com disse...

Estimado MÁRIO JORGE:

Excelente vídeo com DG em boa forma.
Tive o prazer de vê-lo no "Canecão" em companhia de Mestre LULA, em noite com GILLESPIE um tanto "desligado" (informaram-nos que ele havia passado a noite anterior tocando para os funcionários da casa).
Mas qualquer pouco de GILLESPIE era um muito de música e de carisma.

PEDRO CARDOSO

Anônimo disse...

Super legal Dizzy era realmente uma figuraça, tb o assistí no Canecaõ e em um free jazz com Reunion Band. Infelizmente em épocas já um tanto caído mas uma emoção vê-lo e ouví-lo.
Carlos Lima