Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Luiz Carlos Antunes (Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), , Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).

BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

GI JIVE e GI JILL

04 fevereiro 2016


Eu sempre fui um assíduo ouvinte de rádio, fanático mesmo. Aprendi com meu querido pai e meu querido avô. Com eles eu ouvia programas musicais, novelas, seriados, crônicas, futebol, programas cômicos e outros. Com meu pai ouvia Pelas Esquinas da Broadway com o disc-jockey Waldir Finoti, onde ele tocava musica popular americana e jazz. Ouvíamos também o Voice Of America Jazz Hour com o Willis Conover.  Muitos anos atrás, na internet, descobri uma série de programas colocados para uso público pela AFRS (Air Force Radio Service) e que eram distribuídos para os soldados americanos na frente de batalha na Segunda Guerra Mundial. Um deles me agradou muito e consegui baixa-los e arquiva-los. Chamado de GI JIVE.
GI JIVE era um programa de rádio de mais ou menos 15 minutos. Sua frequência inicial era de cinco dias por semana e mais tarde aumentou para seis dias por semana. GI JIVE era diferente dos programas da AFRS como Command Performance e Mail Call, onde ele é utilizado num formato de disc-jockey, com alguém tocando gravações populares. Em contraste, Command Performance and Mail Call transmitia performances ao vivo de artistas populares. GI JIVE inicialmente contava com um DJ convidado para cada transmissão  e alguns eram celebridades civis, enquanto nos eram militares. Em Maio de 1943, no entanto, o formato foi modificado para ter um apresentador normal, Martha Wilkerson, que ficou conhecida no ar como "GI Jill".
Patrick Worley, em This Is the American Forces Network declara que "Martha Wilkerson foi provavelmente a artista mais popular na AFRS e, certamente, a única que fez o maior impacto sobre o moral das tropas." "Era uma fórmula simples - uma coleção de pedidos dos ouvintes, algumas brincadeiras alegres de GI Jill, e entrevistas ocasionais com celebridades como Bing Crosby, Frank Sinatra e Dinah Shore. Foi a personalidade de Jill que criou o programa. Ela tinha uma voz inconfundível, encantadoramente esganiçada, e ela era, para citar um ouvinte, "quente, carinhosa e íntimo. Perfeito para recrutas com saudades e longe de casa." "O efeito que ela tinha sobre seus ouvintes se resume numa carta de um sargento do Pacífico:
"Sua voz alegre faz maravilhas para a nossa moral. Tokyo Rose também está no ar. É como se duas mulheres de países inimigos estavam lutando para agradar os soldados. Estou feliz que você está ganhando Jill."
Ela foi por vezes citada como a resposta da América a Tokyo Rose e Axis Sally, mas ao contrário dessas duas senhoras nunca houve qualquer indício de propaganda em qualquer um dos seus programas.
O número total de programas do GI JIVE transmitido parece estar indisponível, mas um livro faz referência numa lista: "Prog. 2322". Parte destes dados foram por mim coletados na internet.
Coloco aqui um dos programas do GI JIVE com a GI JILL e espero que vocês também gostem.





 








3 comentários:

MARIO JORGE JACQUES disse...

Olá Tibau, ótima "pescaria" esses programas eram ótimos, recordação que nos leva a grande saudade.

PS. Tibau, para facilitar podia colocar o stream do aúdio, ou vc colocou mas não está aparecendo?
Abração

Carlos Tibau disse...

Amigo Mario
Recordar é viver então vamos viver.
Obrigado pela força.
Abç

Anônimo disse...

Sensacional, tambem ouvia a voz da América e outros programas até porque fiz uma especialização em engenharia de microondas na Collins Radio no TExas foram só 3 meses mas ouví muita coisa boa. Ótima recordação.
Carlos Lima