Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Luiz Carlos Antunes (Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), , Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).

BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

DOCUMENTÁRIO SOBRE NAT HENTOFF

10 junho 2015


Como hoje (10 de junho) é o aniversário do crítico de jazz Nat Hentoff, um dos mais famosos na história do jazz, lembramos um documentário sobre sua vida, que foi lançado há quase um ano em Nova York e Los Angeles. Hentoff está com 90 anos.
Além de crítico e colunista por décadas na Down Beat, The Washington Post, New Yorker e Jazz Times, principalmente, Hentoff é um escritor e historiador do jazz, junto com romancista e jornalista político (muito sobre as liberdades civis). Ao longo dos anos ele escreveu um imenso conjunto de colunas, artigos, críticas, comentários e notas para álbuns de jazz. Seu nome é muito respeitado em seu país, na Europa e em outros lugares.

O filme é chamado de "The Pleasures Of Being Out Of Step” (Os Prazeres de Estar Fora De Sintonia) com notas sobre a vida de Nat Hentoff, e foi dirigido por David L. Lewis.
Na trilha do filme temos: Duke Ellington, Miles Davis, John Coltrane, Charles Mingus e muitos outros músicos que eram amigos do jornalista ou foram muito admirados por ele
O documentário inclui conversas com Hentoff, juntamente com clips de entrevistas com Amiri Baraka, Stanley Crouch, Floyd Abrams, Aryeh Neier e Dan Morgenstern (outro grande crítico de jazz e escritor) e entrevistas inéditas e ainda música, fotografias e antologia de filmes.

(adaptado de Noticias de jazz)

Um comentário:

Tibau disse...

Mario
Caramba.!! O cara conseguiu ser mais bagunceiro que eu.
Figura importantíssima no movimento jazzístico. Muito justa a homenagem.
Valeu.
Abç