Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Luiz Carlos Antunes (Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), , Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).

BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

HOMENAGEM a B.B. KING

16 maio 2015


O músico B.B. King, considerado o "rei do blues" e integrante do Hall da Fama desde 1987, morreu na madrugada desta sexta-feira (15) em Las Vegas, nos Estados Unidos, aos 89 anos de idade.
Riley Ben King, conhecido como B. B. King, foi um guitarrista de BLUES e RHYTHM & BLUES compositor e cantor estado-unidense. O "B. B." em seu nome significa Blues Boy, seu pseudônimo.
A lenda se despede com 16 prêmios Grammy, mais de 50 álbuns em quase 60 anos de carreira. Considerado o maior guitarrista de Blues da atualidade, verdadeira lenda. B B. King, nasceu em 16 de setembro de 1925, no Mississippi, Estados Unidos. Sua infância foi parecida com a de milhares de meninos negros, trabalhadores agrícolas nas grandes plantações de algodão do sul segregacionista ao extremo.
Tocava nas esquinas e em bares. Comprou a primeira guitarra quando a falta de eletricidade no interior do país fazia dos instrumentos musicais a maior atração dos anos de 1940.
O músico foi autodidata, nunca teve professor convencional. Gostava de ser seduzido pelas melodias. Mas teve a sorte de contar durante a adolescência com o apoio protetor de Bukka White, seu primo. Este guitarrista, muito renomado na região, deu as dicas de guitarra ao futuro gênio e o levou a descobrir a grande cidade da música, e do blues, Memphis, para onde se mudou em 1947.
O futuro B.B. King passou a conviver com Sonny Boy Williamson (Rice Miller), Robert Lockwood Jr, Bobby "Blue" Bland e tocava regularmente na Beale Street, onde mais tarde abriu um clube com seu nome, conhecido com a "Broadway" da música negra nos Estados Unidos.
Sua carreira ganhou novo fôlego em 1949 ao ser contratado como DJ de uma rádio, onde ganhou o apelido que o eternizou, Blues Boy, ou B.B.
Seu primeiro grande sucesso nacional foi “Three o'clock blues”, que estourou nos anos 1950. A partir daí começou a fazer turnês sem parar. Só no ano de 1956 sua banda chegou a fazer 342 apresentações.
B.B. King criou um estilo autêntico de guitarra. Em seus solos, ao contrário de outros guitarristas, o Rei do Blues preferia usar poucas notas. Ele dizia que conseguia fazer uma nota valer por mil.
Em 2012, fez parceria inesperada com o presidente americano Barack Obama, durante um show de blues na Casa Branca.
Em outubro de 2014, o guitarrista precisou abandonar um espetáculo em Chicago, diante de um quadro de desidratação e esgotamento, o que provocou a suspensão do restante da turnê, que ainda tinha 8 shows programados.
Aos 86 anos, ainda fazia cerca de 100 apresentações por ano. O último show no Brasil ocorreu em 2012, em São Paulo. Antes, se apresentou no Rio de Janeiro e em Curitiba.

Abaixo BB King Band em atuação no Festival de Montreaux em 1993

 WHY I SING THE BLUES  (Dave Clark / Riley   King)

 TWO I SHOOT BLUES (Eddie S. Synigal / J.  Bolden / L. Warren / Walter King)


 LET THE GOOD TIMES ROLL (Fleecie Moore /  Sam Theard)



PARA BAIXAR O ARQUIVO DE ÁUDIO :

http://www.divshare.com/download/26930228-f17

3 comentários:

Tibau disse...

Salve Mario
Valeu a homenagem. Um excelente bluezeiro se foi. Lamentável.
Abç

Anônimo disse...

GRANDE BLUSEIRO E MERECIDA HOMENAGEM
CARLOS LIMA

MauNah disse...

Grande, Mestre MaJor, sempre em cima da pinta, preparadíssimo. Ótima a homenagem ao grande Bibi.
Abs.