Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Luiz Carlos Antunes (Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), , Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).

BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

BIX BEIDERBECKE – 110 ANOS

11 março 2013


  
Isso mesmo. Se vivo fosse, Leon “Bix” Beiderbecke estara completando cento e dez anos. Nascido  em Davenport- Iowa em 10 de março de 1903, Bix desde cedo revelou-se um fenômeno. Estudou e também  de forma autodidata dedicou-se ao cornet. Frequentou a “Lake Forest Acadamy” em Chicago em 1921, época em que  ouviu a orquestra de King Oliver . Com alguns colegas estudantes formou em 1923 a “Wolverines  Orchestra” que no ano seguinte  se deslocou para New York. No fim desse ano ele foi substituido por Jimmy McPartland, voltando a Davenport e depois Chicago atuando na banda de Charlie Straigh. Depois St. Louis onde encontrou aquele que seria seu companheiro por muito tempo , Frankie Trumbauer. Logo ambos estavam na orquestra de Jean Goldkette(1926) e logo depois na do “rei do Jazz”, Paul Whiteman.  Infelizmente, Bix bebia muito, numa época em que havia muita bebida falsificada, não tinha limites para o alcoolismo e vitimado por uma pneumonia veio a falecer em seis de agosto de mil novecentos e trinta e um. Mas, não só  o cornet era seu instrumento. De ouvido tocava e compunha ao piano produzindo peças belíssimas que Frankie Trumbauer pacientemente passava para as pautas. Assim surgiram “In a mist”, “Flashes”, “In the dark”, "Candelights" e ”Davenport Blues” . Segundo alguns críticos, Bix estava muito  à frente de sua época e o fato de ouvir muito a escola impressionista francesa, notadamente Ravel e Debussy encontrou subsídios bastante para suas composições. Leon Bix Beiderbecke, um gênio incomparável.

Um comentário:

Anônimo disse...

Mestre:

BIX foi um divisor de águas com seu toque que precedeu o "cool" e sua capacidade de composição e domínio da divisão.
É importante conhecer o livro "Bix, Man And Legend" (quase um "diário" da vida e obra dele), de Richard Sudhalter e Philip R. Evans (Inglaterra, 1ª edição em 19675), onde temos as formações de suas gravações e muito mais.
Uma pena que o gim falsificado tenha aprisionado esse jovem que tanto ainda poderia ter nos dado de MÙSICA e alegria.

APOSTOLOJAZZ