Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Luiz Carlos Antunes (Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), , Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).

BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

HISTÓRIAS DO JAZZ n ° 67

26 maio 2009


O SUCESSO DE “ IN THE MOOD”


Essa eu não li em nenhum livro ou revista especializada e captei o fato em um programa de televisão apresentado bem tarde da noite, não me lembro o canal, pela atriz Irene Ravache, lá se vão muitos anos. Era um programa de entrevistas feitas fora do país, e essa especialmente dedicada ao cultivo de uvas e a fabricação de vinhos. Não me interessei de início mas, abrindo o programa a atriz informava que um dos maiores cultivadores de uvas na California tinha em seu currículo ter sido músico da orquestra de Glenn Miller. Aguardei ansioso por essa entrevista e de certa forma fui recompensado . O músico era o trompetista Lee Knowles de quem jamais ouvira falar mas, por via das dúvidas fui conferir na Hot Discography de Charles Delaunay e lá estava o seu nome integrando a seção de metais. Antes de entrarem no assunto vinho, veio a pergunta sobre a participação do músico na orquestra de Glenn Miller e o que ele podia contar aos telespectadores sobre a famosa banda. E Knowles disse que apesar de ter muitas histórias , destacava a do tema “In the mood”, de autoria de Ed Garland, um dos maiores sucessos da banda. Informou que após uma exaustiva noite de ensaios,os músicos já cansados tiveram que retornar ao estúdio pois haviam chegado as partituras do arranjo original do tema e Glenn Miller não quis deixar para depois. Sentaram em suas cadeiras, abriram as partituras e obedecendo ao sinal do maestro executaram o tema. Knowles esclareceu que ninguém gostou da música. Uns a achavam repetitiva outros desanimados pelo cansaço optavam por sua exclusão do repertório mas, Glenn Miller insistia no ensaio do tema, tentando animar seus companheiros. Até que alguém sugeriu que mudassem o final do tema, inserindo aquela sequência dos trompetes. Como num passe de mágica o ambiente mudou. Os músicos, principalmente os trompetistas , deram tudo e o tema ficou pronto em poucos minutos. Assim, em primeiro de agosto de 1939 a orquestra gravou aquele que seria um de seus maiores sucessos. Tocaram na gravação de “In the mood” :
Clyde Hurley , Red McKinkle, Lee Knowles (tps)
Glenn Miller, Paul Tanner, Al Mastren (tbs)
Al Klink, Hal McIntyre, Tex Beneke, Wilbur Schwartz, Harold Tenison (sxs)
Chummy McGregor (p), Richard Fisher (g)- Rolly Bundock (b) , Moe Purtill (dm)

7 comentários:

APÓSTOLO disse...

Mestre LULA:

Essa já foi para o "consolidado", a essa altura com 130 páginas (espero que "por enquanto")

MAJOR disse...

Lula, em um documentário em DVD abordando Glenn Miller o Knowles aparece tb dizendo que In the Mood era muito chata mas que virou o grande sucesso.

Anônimo disse...

In the Mood é plágio de "Tar Paper Stomp", do trompetista Wingy Manone, gravado em 1930.

figbatera disse...

Ih, pronto; está criada a celeuma...

Anônimo disse...

Figbatera,

Não tente criar celeuma alguma, é só ouvir e constatar o plágio. Contra fatos, não há argumentos...

edú disse...

In the Mood “sofreu” uma versão de Aloysio de Oliveira rebatizada como “Edmundo” (não foi uma homenagem ao ex-jogador vascaíno ).

APÓSTOLO disse...

Prezado EDÚ:

Essa versão de "In The Mood" (Edmundo) foi gravada pela Traditional Jazz Band no CD duplo "Swing Era" (verão de 2001).
Na verdade foi um arranjo preparado para as apresentações do grupo no "28º Sacramento Jazz Jubilee" (25 a 28/maio/2001), com a intenção de mostrar ritmo brasileiro nesse festival, o que foi feito.