Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Luiz Carlos Antunes (Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), , Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).

BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

OUVINDO RUDRESH MAHANTHAPPA

24 janeiro 2009

Complementando o post do MauNah sobre Rudresh Mahanthappa, deixo na vitrola 2 temas do próprio com seu quarteto em Munich, Alemanha em 8 de novembro passado.

Acompanham Vijay Iyer piano, Carlo de Rosa contrabaixo e Dan Weiss batera.
Os temas - My Sweetest e The Killer

Som na caixa !

3 comentários:

LeoPontes disse...

Olá mestre Guzz.Há muito tempo, desde Brubeck não ouvia temas em quaternarios ímpares e agradeço por ter me relembrado tais compassos.E não é que o indiano é bom mesmo? Talvez não seja um clássico como Mulligan e Parker entre tantos outros,mas nada deixa a desejar.Há muita adrenalina despejada no tema do Killer.Também com esse nome não poderia ser diferente né?

Fala aí voce.

Abçs

Tenencio disse...

Léo,
ha um engano aqui:
quaternario é um compasso de 4 tempos.Pode ser 4/4,4/8,4/2,4/16 etc.São compassos obviamente pares.
Aqui claramente não esta em compasso quaternario.Ainda não descobri em que compasso esta,talvez nunca descubra.
Isso é da tradição da musica indiana. Ela é diferente da musica ocidental ,de origem europeia,no ritmo e até na afinação, não usam o sistema temperado. Nesse caso como é com instrumentos ocidentais(sax,piano e baixo) houve uma adaptação muito interessante e musical.
Ritmicamente parece que ha uma adição de compassos ,como por exemplo:3/4+2/4+7/8 (essa eu ja vi em um livro sobre o assunto).
Gostei muito,interessante e muito musical.
Abraço

Mau Nah disse...

Será que dava pra nosso leitor silencioso mas nem por isso menos importante, o Maestro Vittor Santos, botar aqui a sua opinião a respeito?

Talvez traga para nós um pouco mais de sedimento às instigantes questões levantadas pelo Leo e contestadas na boa pelo nobre Tenencio.

Estão igualmente convidados a darem suas opiniões os demais profissionais da música e aqueles que possam trazer mais certezas do que novas dúvidas a respeito do assunto.

Ou será essa uma missão para OS MESTRES?