Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Luiz Carlos Antunes (Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), , Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).

BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

17 junho 2009

IMPRESSÕES DE RIO DAS OSTRAS III

Sábado de sol e início de tarde no palco da Lagoa de Iriri para o show do gaitista Jefferson Gonçalves, que teve o mesmo repertório da noite de quinta-feira. Bom público presente e animado. Final de tarde rumo a praia da Tartaruga completamente lotada e ensandecida pelo show da noite anterior do guitarrista Coco Montoya. O show na Praia da Tartaruga é em cima da pedra junto ao quebra-mar e o visual de fim de tarde com música é tudo o que todo mundo precisa. Assim, ficam renovadas as energias !

Noite de sábado e sobe ao palco o grupo Bad Plus. O show mais acústico e mais jazzy do festival, iniciado em trio sem a presença da cantora Wendy Lewis. Só tinha assistido o Bad Plus em vídeo e realmente ao vivo a história é outra. Um repertório explorando muito as dinâmicas e as convenções e um destaque mais que especial para o baterista David King que usava divisões ritmicas bastante interessantes em perfeita harmonia com o contrabaixista Reid Anderson criando uma atmosfera sonora ímpar.

O grupo chama a cantora Wendy Lewis e o show transforma-se mais intimista com a recriação de alguns temas da safra pop-rock. Wendy não apresentou extensão de voz mas mostrou uma beleza com sua voz linear e envolvente completamente encaixada com o trio que, literalmente, entortou os arranjos em forma de balada para os temas Blue Velvet, Smells Like Teen Spirits (Nirvana), uma belíssima interpretação de Under a Blood Red Sky (U2) com o piano de Ethan Iverson explorando todas as teclas causando até um certo frenesi, Comfortably Numb (Pink Floyd) e um encerramento mais frenético com Barracuda (Heart).

E esse é o grande barato, a recriação de temas de pop-rock em linguagem mais jazzistica; é o que se precisa para trazer o público mais jovem não habituado com a linguagem jazz a ouvir jazz.
A inclusão da cantora Wendy Lewis complementou de forma brilhante o trio. Esperamos que o CD lançado pelo quarteto não fique na unidade.


Este show - simplesmente espetacular, o show do festival !

A noite segue com o show do guitarrista John Hammond e seu quarteto formado por contrabaixo acústico, hammond e bateria. Com um som mais enraizado no blues, Hammond sempre se utilizou do suporte de gaita e alternou o show entre a guitarra elétrica, o violão de aço e o dobro.

Fim de noite e a atração tão polêmica e esperada, Spyro Gyra. Quem já gostou um dia também gostou do show! O grupo cancelou a turnê pelo México para estar novamente no Brasil, sábia decisão pois não esperava-se que a gripe suino instalaria-se por lá.
Explorando muito o ritmo latino, o destaque da banda foi o baixista Scott Ambush abraçado a um elétrico de 6 cordas com uma musicalidade impressionante dando espaço a belos walking e a longos improvisos. A banda o deixou deitar e rolar !

Da safra antiga, os temas Shaker Song e Morning Dance. Jay Beckerstein tocou alto e soprano, em alguns momentos ambos ao mesmo tempo; o guitarrista cubano Julio Fernandes deu asas a seu lado cubano e arriscou-se aos vocais com um belissimo tema de sua autoria e o baterista Boney B fez muito barulho no encerramento do show bem ao estilo funky dos 70`. O público gostou e eu também !




Enfim, só temos que agradecer e comemorar mesmo a realização deste festival e ano que vem esperamos mais!

Mais que tudo é a oportunidade de estar ao lado dos nossos amigos blogueiros Salsa e Olney Batera; e como sempre colocar em dia o papo animado e musical com a equipe da produção e imprensa do festival e os jornalistas Antonio Amaral da Rolling Stone Brasil e Leandro Souto Maior do Jornal do Brasil.

foto Cezar Fernandes : Spyro Gyra

8 comentários:

Salsa disse...

Beleza, Guzz,
Agora é Ouro Preto. Já comecei a economizar.
Abraços,

PS - Ivan já liberou a programação?

I-Vans disse...

Tá quase pronto. Boas surpresas virão.
Abraço,
Ivan Monteiro

figbatera disse...

Parabéns, Guzz, pela ótima reportagem - suas impressões - sobre o festival.
Sobre Ouro Preto - que tb pretendo ir - só espero que no próximo festival eles façam como no de Rio das Ostras e outros em que rolam 3 (TRÊS) shows por noite; é o que a maioria do público consegue assistir sem sono, sem cansaço.
E ainda poderia baixar o custo (que é alto). Nas duas ocasiões em que fui a O.Preto eu sempre perdia a metade do 1° show e a metade do último; haja resistência pra aguentar ficar das 18h até cerca de 2h da manhã...

figbatera disse...

ps.:há dias, mandei e-mail pra produção do festival (O.Preto) a respeito da programação e eles não deram resposta; agora, por aqui, fiquei sabendo que ainda não saiu. Mas eles poderiam ao menos ter me respondido, né?
(o Ivan deve ler este blog mas não os e-mails)rs

I-Vans disse...

Figbatera,
não trabalho na produtora e sim para a produtora (Multcult). Não é minha a responsabilidade de ler/responder os emails...
Assim que a programação estiver fechada o CJUB trará todas as informações.
Abraço,
Ivan Monteiro

figbatera disse...

Ok, Ivan, agora entendi.

Mau Nah disse...

Guzz,

beleza de trabalho de cobertura, afinal vc. é o nosso homem em "Rivière des Huîtres". Chique, não?

Em breve acho que vais levar um título de Cidadão Honorário, por conta da divulgação e da qualidade da matéria.

Parabéns!
Abs.

edú disse...

Concordo.