Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Luiz Carlos Antunes (Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), , Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).

BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

13 agosto 2008

DE VOLTA ...

É isso aí, depois de muito tempo sem a senha perdida, estou de volta à nossa coluna e para falar/escrever sobre 2 assuntos: o primeiro, como não poderia deixar de ser, sobre um pianista que acabou ficando para agora muito embora seu lugar é entre os primeiros, pelo menos para mim e nem sei porque esperei tanto para falar do "magnífico" como bem o classificou o LOC em sua coluna do JB de algumas semanas atrás.
Trata se desse francês de coração e criação mas argelino de nascimento chamado Martial Solal no alto de seus 81 anos, em plena forma, sempre inovando nos "standards" e muito criativo em suas composições.
Pianista vigoroso que iniciou carreira acompanhando Django Reinhardt e Sidney Bechet, seguidor de Art Tatum e Bud Powell, mas declara que sua principal influência foi Thelonious Monk, de quem diz que todo e qualquer pianista moderno passeia e bebe na fonte Monkiana e suas ricas harmonias.
Quando Bill Evans afirmou ser Solal "The first [in the] rank of pianists", mudou o tom da crítica norte americana, que o tratava como "a very good jazz player for a european ???", principalmente pela sua mão esquerda.
Um dos seus trios foi com Nils-Henning O. Pedersen (b) e Daniel Humair (dr), com quem gravou pela Polygram francesa (MPS) algumas pérolas. Cito e recomendo entre elas "Suite for Trio" com 3 temas próprios e igual número de standards ( S'Wonderful, Cherokee & Here's That Rainy Day), escreve trilhas de filmes, inclusive premiado pelo "À Bout de Souffle" do Godard.
Atualmente, está vinculado, ou pelo menos teve seu último CD lançado pela ótima gravadora CamJazz (2008) chamado "Longitude", que foi justamente o mote da coluna do LOC, acima citada.

O segundo tema, que também está vinculado ao Martial Solal, entre muitos outros, é sobre um assunto ainda polêmico para alguns e é sobre o site "EzTorrent" (
http://www.dimeadozen.org/), que vem a ser um site cuja administração é na Alemanha e com não mais do que 100 mil usuários pelo mundo (alguns até contribuintes), onde não se tem nada gravado ou lançado oficialmente, ou seja, a quase totalidade das gravações tanto para CDs ou DVDs são de apresentações ao vivo, bem como em rádio ou televisão.
O descobridor desse site foi o nosso confrade Guzz, grande pesquisador da internet e profundo conhecedor do mundo virtual.
O Torrent não é só de jazz mas sim de musica em geral, mas seu acêrvo jazzístico é enorme e aí entra mais uma vez o Martial Solal em um concêrto com seu trio; Reggie Johnson (b) e Louis Moutin (dr) apresentando ainda o elegante Johnny Griffin (falecido recentemente), por si só já histórico, em Baltica/Alemanha (2000), que posso garantir ser de tirar qualquer um do sério, tanto pela qualidade musical como perfeito entrosamento dos musicos, com solos e improvisos de arrepiar.
É de fato um grande barato e só para se ter uma idéia de quão atual, algumas apresentações nos festivais de jazz da Europa desse verão, como os de Umbria (Itália) e Gasteiz (Espanha), já fazem parte do seu acêrvo, que pretendo divulgar entre os cejubianos (sei que temos outros usuários), objetivando maior disseminação desse nosso gosto apaixonado "graças a Deus" pelo JAZZ.

Sazz

P.S.: Na próxima (bem breve espero) vou rabiscar sobre esses italianos e seus maravilhosos instrumentos como: Rava, Fresu, Pieranunzzi, Os Stefanos, Petrella, Del Fra, etc...

Nenhum comentário: