Colaboradores : MauNah, Sazz, Bene-X, PegLu, I-Vans, Mario Jorge Jacques, Gustavo Cunha, JoFlavio, Nelson Reis, Beto Kessel, Tenencio, BraGil, Reinaldo, LaClaudia, Marcelon, Marcelo Siqueira, Nelson Reis, Pedro Cardoso o Apóstolo.

26 agosto 2014

ANNIE ROSS INTERPRETA BILLIE HOLIDAY



A vocalista de jazz de origem britânica, Annie Ross, anunciou que vai lançar um álbum de tributo a Billie Holiday, Lady With Love em outubro.
A acompanhar nas gravações John e Bucky Pizzarelli, entre outros. O CD trará 10 composições todas famosas por Holiday.
Annie Ross é uma das lendas do jazz vocal. Ela tornou-se famosa no Lambert Hendricks e Ross Group, que reinterpretava arranjos orquestrais de Basie, Ellington, entre outros, incluindo transcrições das improvisações dos solistas originais. Entre os muitos músicos de jazz com quem atuou lista-se: James Moody, Kenny Clarke, Milt Jackson, Harry Sweets Edison, Count Basie, Gerry Mulligan, Art Farmer, Chet Baker e Louis Armstrong.
Mas Annie Ross também teve uma carreira solo há várias décadas e agora na atualidade pode-se vê-la e ouví-la e no Metropolitan Room, em Nova York.
Annie recebeu o prestigioso prêmio NEA Masters of Jazz em 2010, já gravou cerca de 30 álbuns, a metade deles em seu nome.

(Adaptado do Noticiero de Jazz)

CRÉDITOS DO PODCAST # 221

LIDER
EXECUTANTES
TEMAS / AUTORES
GRAVAÇÃO  LOCAL / DATA
HANK MOBLEY
Hank Mobley (st), Lee Morgan (tp), Harold Mabern (pi), Larry Ridley (bx) e Billy Higgins (bat)
THE BREAK THROUGH
(Jim Morrison / John Densmore / Ray Manzarek / Robby Krieger)
Englewood Cliffs, N.J., 18/junho/1965
BALLIN’
(Antoine Kearney / Demetrius Ellerbee / Dwayne Carter / Jay Jenkins)
COUNT BASIE e DIZZY GILLESPIE
Dizzy Gillespie (tp), Count Basie (pi), Ray Brown (bx) e Mickey Roker (bat)
BACK TO THE LAND
(Count Basie / Dizzy Gillespie)
Las Vegas, 3/fevereiro/1977
YOU GOT IT (Frank Foster)
CHRIS THOMPSON
Olivier Bodson (flh, tp), Vincent Bruyninckx (pi), Jef Coolen (tp), Bart De Lausnay (tb), Eddie DeVos (st), Ruggero Munafo (gt), Bart De Nolf (bx), Bruno Castellucci (bat) e Chris Thompson (vcl)
DO NOTHING TILL YOU HEAR FROM ME
(Duke Ellington)
Londres, 2012
OLE BUTTERMILK SKY
(Hoagy Carmichael)
KENNY BARRON
Kenny Barron & The Brazilian Knights: Idriss Boudrioua (sa), Mauricio Einhorn (hca), Kenny Barron (pi), Lula Galvão (gt), Sergio Barrozo (bx) e Rafael Barata (bat)
JA ERA (Maurício Einhorn)
Rio de Janeiro, 10/junho/2012
RAPAZ DE BEM (Johnny Alf)
JAN LUNDGREN
Jan Lundgren (pi), Mattias Svensson (gt), Zoltan Csorsz, e Jr. (bat,perc)
COMPUTER LIEBE
(Emil Schult / Karl Bartos / Ralf Hütter)
Cavalicco, Italia, 7/outubro/2008
SEPTEMBER SONG
(Kurt Weill / Maxwell Anderson)
MICKEY ROKER
Milt Jackson (vib), Joe Pass (gt), Ray Brown (bx) e Mickey Roker (bat)
JOE’S TUNE (Joe Pass)
Los Angeles, 4/fevereiro/1977
BLUES FOR THE STONE
(Milt Jackson)
DONALD BYRD
Donald Byrd (tp) Hank Mobley (st) Jerome Richardson (st,fl), Mal Waldron (pi), Kenny Burrell (gt), Doug Watkins (bx) e Art Taylor (bat)
BOO-LU (Hank Mobley) 
Hackensack, N.J., 28/ dezembro/1956
TUNE UP (Miles Davis)
B G
Guy Barker (tp), Donald Harrison (sa), Robert Hurst (bx), Julian Joseph (pi), BILLY COBHAM (bat, lider)
INFINITE HEART
(Donald Harrison)  BG
New York, 2002

25 agosto 2014

2o Festival de Jazz Manouche de Piracicaba


Jose Fernando e a Traditional Jazz Band (Marcos Monaco, William Anderson, José Carlos de Araujo, Alcides Lima, Edmundo Callia Junior).

As long as I live, pela Traditional Jazz Band com os convidados Zeca Araújo (baixo) e Fernando Seifarth (guitarra solo). Destaque para Marcos Monaco no clarinete.

video

22 agosto 2014

P O D C A S T # 2 2 1

CHRIS THOMPSON 
JAN LUNDGREN 

MICKEY ROKER 



PARA BAIXAR O ARQUIVO DE ÁUDIO:

http://www.divshare.com/download/25987516-9a8

20 agosto 2014

CRÉDITOS DO PODCAST # 220

LIDER
EXECUTANTES
TEMAS / AUTORES
GRAVAÇÃO
 LOCAL e DATA
PHIL WOODS
Howard McGhee (tp), Phil Woods (sa), Dick Hyman (pi), Teddy Kotick (bx) e Roy Haynes (bat)
LEMON DROP
(George Wallington)
Hackensack, N.J., 3/março/1959
Phil Woods (sa) e Franco d'Andrea (pi)
MY MANS GONE NOW
DuBose Heyward / George Gershwin / Ira Gershwin)
Milão, 7/setembro/ 2005
THEY CAN'T TAKE THAT AWAY FROM ME
(George Gershwin / Ira Gershwin)
Burt Collins (tp), Phil Woods (sa), Nat Pierce (pi), Barry Galbraith (gt), John Drew (bx) e Gus Johnson (bat)
BLUES IN PIG ALLEY
(Nat Pierce) 
New York, agosto/1957
I HADN'T ANYONE 'TIL YOU (Ray Noble)
Brian Lynch (tp), Phil Woods (sa), Bill Charlap (pi), Steve Gilmore (bx) e Bill Goodwin (bat)
JOHNNY COME LATELY
(Billy Strayhorn)
New York, 20/junho/2008
Benny Bailey (tp), Julius Watkins (fhr), Phil Woods (sa), Tommy Flanagan (pi), Les Spann (fl), Buddy Catlett (bx) e Art Taylor (bat)
TIPSY (Oliver Nelson)
New York, 25/novembro/1960
HARD ROCK DANCE
(Quincy Jones)
ARTURO SANDOVAL
Arturo Sandoval (tp), Mahesh Balasooyria (pi), Zane Musa (st), John Belzaguy (bx), e Johnny Friday (bat)
THERE WILL NEVER BE ANOTHER YOU
(Harry Warren / Mack Gordon)
estúdios KPLU, Seattle, 13 janeiro/ 2011
VON FREEMAN
Von Freeman (st), Richard Wyands (pi), John Webber (bx) e Jimmy Cobb (bat)
DISORDER AT THE BORDER (Coleman Hawkins)
New York, maio/2003
SOM DOS GATOS
Eumir Deodato (pi, arr), Durval Ferreira (violão), Sergio Barroso (bx), Wilson das Neves (bat), Meirelles e Copinha (fl), Paulo Moura (sa), Neco (violão), Maciel e Norato (tb), Maurilio (flh) e Mauricio Einhorn (ha)
ÁGUA DE BEBER
(Antonio Carlos Jobim / Vinícius de Moraes)
1966
CONTE CANDOLI
Conte Candoli (tp), Richie Kamuca (st,) Russ Freeman (pi), Chuck Berghofer (bx) e Shelly Manne (bat / ldr)
THE KING SWINGS
(John Williams)
Radio Show "The Navy Swings", Hollywood, CA, novembro/1961
URBIE GREEN
Ruby Braff (tp), Urbie Green (tb), Med Flory (sa), Frank Wess (st,fl), Sir Charles Thompson (pi), Freddie Green (gt), Aaron Bell (bx) e Bobby Donaldson (bat)
OLD TIME MODERN
(Urbie Green)
New York, 17/agosto/1954
B G
LEE MORGAN (tp), Wayne Shorter (st), Harold Mabern (pi), Bob Cranshaw (bx) e Billy Higgins (bat)
YOU GO TO MY HEART (Haven Gillespie / J. Fred Coots)
Englewood Cliffs, N.J., 25/junho/1965

19 agosto 2014

OUTRA COLUNA DO MESTRE LOC NO JB - 16/8/14

Tentando por a casa em ordem. E em dia...

Manuel Valera, outro cubano a brilhar na cena do jazz

Por Luiz Orlando Carneiro

"A Ilha de Cuba produz, além de charutos e rum, excepcionais pianistas de jazz que não devem ser rotulados, apenas, como especialistas no chamado Afro-Cuban jazz. Os exemplos mais eloquentes são os magníficos Bebo Valdés (1918-2013) e seu filho Chucho – este ainda ativo, aos 72 anos, e detentor de nada menos do que oito grammies, conquistados entre 1979 e 2012.

Além dos já canonizados Valdés, gozam de justo prestígio, no planeta jazz, mestres do teclado como Hilario Durán, Omar Soza e Gonzalo Rubalcaba (Grammy winner com o CD Supernova, Blue Note, 2001). Mais recentemente, foram elevados à categoria de rising stars (estrelas em ascensão) os cubanos Aruán Ortiz, Roberto Fonseca, Fabián Almazan, Alfredo Rodriguez e Manuel Valera - todos eles radicados nos Estados Unidos, com discografias já significativas, e agendas cheias de compromissos em clubes e festivais.

O CD mais recente e relevante dessa turma mais nova, que se formou nas até hoje afamadas escolas de música de Havana, é de Manuel Valera, e tem o título de Self portrait (Mavo Records). É o oitavo álbum do pianista de 33 anos, mas o primeiro totalmente solo, na companhia – apenas – de um Steinway restaurado de 1918. Os seus registros anteriores foram feitos à frente do New Cuban Express, um sexteto decubop (Cuban bebop), tendo como principais parceiros o saxofonista alto Yosvany Terry e o guitarrista Tom Guarna.

Self portrait é uma seleção de 13 faixas, das quais oito de autoria do pianista, incluindo três “impromptus” (literalmente improvisos) nas quais Valera exibe, especialmente, a sua intimidade com a música dita erudita, aquela que estudou no conservatório: o nº 1 (4m40) é dedicado a George Gershwin (1898-1937); o nº2 (2m30) a Erik Satie (1866-1925), o “minimalista” autor das Gymnopédies; o nº3 (1m55), a Nicolas Slonimsky, compositor e maestro nascido na Rússia, mas que emigrou cedo para os Estados Unidos, onde morreu, em 1995, aos 101 anos. Há também uma peça no mesmo espírito dos impromptus, intitulada, simplesmente, Improvisation (2m25).

O virtuosismo clássico de Manuel Valera é ainda realçado na articulação dos seus românticos arpejos, em contraste com o fraseado em contraponto da outra mão, sobretudo em Spiral (5m55), Water (6m40) e Hope (5m55). Mas na última faixa, Blues (3m40), o cubano de Havana, sediado em Nova York, é a própria encarnação de um Bobby Timmons ou de um Red Garland.

Valera não poderia deixar de incluir num álbum intitulado “Autorretrato” composições de ícones do teclado jazzístico que o marcaram ou o influenciaram, de um modo ou de outro. E escolheu três preciosas joias que são relapidadas com arte e engenho próprios, sem prejuízo de suas estruturas melódico-harmônicas originais: Very early (5m35), de Bill Evans; Hallucinations (3m40), de Bud Powell; Ask me now (6m30), de Thelonious Monk. (32)

Também fez questão de relembrar as melodias de dois boleros que, certamente, ouviu muito em sua casa, quando garoto: Solamente una vez (5m20), de Agustín Lara (1900-1970), e Las perlas de tu boca (5m15).


Na apresentação de Self portrait, Manuel Valera escreveu: “Espero que este disco ajude a pintar, para o ouvinte, um retrato de onde estou vindo e também para onde estou indo como pianista e compositor”."

18 agosto 2014

COLUNA DO MESTRE LOC NO JB, EM 9/8/14

Correndo atrás do meu atraso. Sorry, Mestre!

Melissa Aldana, a nova estrela do sax tenor

por Luiz Orlando Carneiro

"No ano passado (21/9/2013), esta coluna registrou a vitória da saxofonista chilena Melissa Aldana, então com 24 anos, na competição anual do Thelonious Monk Institute of Jazz – o mais importante concurso aberto a jovens músicos de talento, em busca de renome. O vencedor recebe um prêmio-bolsa de US$ 25 mil, mais um contrato de gravação com o selo Concord.

A especialista no sax tenor - nascida em Santiago, e formada no Berklee College of Music de Boston - foi a primeira mulher-instrumentista a ganhar o cobiçado prêmio, lançado há 27 anos. E o seu feito valorizou-se mais ainda em face da relevância dos jurados: os eminentes Wayne Shorter, Jimmy Heath, Bobby Watson, Branford Marsalis e Jane Ira Bloom. Vale anotar que o seu pai, Marcos Aldana, também saxofonista tenor, participou da Thelonious Monk Competition em 1991, e foi um dos três semifinalistas do concurso.

Pois bem. A Concord Jazz vem de lançar o CD Melissa Aldana & Crash Trio, o terceiro e mais significativo de uma discografia iniciada na etiqueta Inner Circle (Free fall, 2010, e Second cycle, 2012), sob os auspícios do influente saxofonista Greg Osby, que foi professor de Melissa.

Agora, no comando do Crash Trio, ela dá um show de autoconfiança e de domínio técnico do sax tenor, sem esconder sua devoção ao patriarca Sonny Rollins, e sua confessa admiração por Michael Brecker (1949-2007) e pelo também magistral Mark Turner (que tem o dobro da sua idade).


Os companheiros de Melissa na nova empreitada são o seu compatriota Pablo Menares (contrabaixo) e o cubano Francisco Mela (bateria), cuja cotação na cena jazzística subiu ainda mais quando passou a integrar o quinteto US Five do grande saxofonista Joe Lovano, que gravou para a Blue Note os álbuns Folk art (2009), Bird songs (2011) e Cross culture (2013).

Das 10 peças do disco da Concord, quatro são assinadas pela líder, duas por Mela e outras tantas por Menares. A balada You're my everything (5m05) e Ask me now (4m15), joia de Thelonious Monk, completam a seleção temática.

As composições de Melissa são: M&M (4m55), um “cartão de visitas” que realça o seu sopro seguro e encorpado, concluído com uma destemida coda; Turning (5m40), de construção melódica sofisticada, mas sem overdressing, à la Joshua Redman; Bring him home (5m05), idem; New points (6m35), a faixa mais longa do CD, levada num balanço meio bossa nova.

Pablo Menares contribui com Tirapié (6m05) - cuja abertura é um solo de quase dois minutos do excelente baixista – e Perdón (4m15) – em clima mais meditativo. O baterista Mela escreveu Peace, love & music (5m45) – com referências rítmicas explícitas ao flamenco – e Dear Joe(3m55) – um dos momentos mais animados da sessão.

Deve-se sublinhar que, apesar das origens nacionais de Aldana, Menares e Mela, o envolvente Crash Trio não deve ser rotulado como um conjunto que toca Latin jazz, muito embora o tempero rítmico caribenho ou brasileiro seja acentuado, aqui e ali, pela seção rítmica superatuante, que responde prontamente às provocações da saxofonista-líder, no mesmo nível de excelência. É música previamente escrita e arranjada, mas desenvolvida (improvisada) em action playing, sem o radicalismo do free jazz.


Na faixa final do álbum, Ask me now, Melissa Aldana dispensa o apoio dos sidemen para uma brilhante recriação, totalmente a capella, da inesquecível balada de Monk."

UM ALTAR DEDICADO À MEMÓRIA DO MESTRE RAFFAELLI

Está no ar o site O MELHOR DO JAZZ, preparado cuidadosamente por Flavio Raffaelli, filho do nosso inesquecível educador José Domingos Raffaelli - o Mestre Raf dos CJUBianos -, para manter viva a sua memória e os ensinamentos deixados por ele nesse assunto. Além de sua biografia para fácil consulta dos interessados, há também seu extenso currículo profissional.



Acrescente-se a isso os inúmeros artigos escritos pelo Raf, além da sua tão almejada entrevista com Ray Charles, tudo vazado com a pena firme, certeira e o estilo limpo desse nosso eterno amigo.

Num trabalho de recuperação do vasto material produzido por seu pai, vai o Flávio acrescentando mais e mais artigos interessantes na medida em que o seu escasso tempo permite, o que nos garante que dentro de mais algum tempo teremos um repositório muito valioso da vida jornalística desse gigante da crônica da música instrumental no Brasil e, principalmente, por conta de sua maior paixão, do exterior.

O site conta ainda com uma área comercial onde o Flávio vem colocando à venda parte do acervo histórico do Mestre, composto de raridades que mereceriam ir para um museu, vez que não podem ser encontradas no comércio, mesmo o especializado.

Vale muito a pena ir lá e passar algumas horas conferindo esse trabalho que homenageia, como devido e necessário, a memória e a trajetória do nosso Grande Mestre.

Ave, Raf!


NORMAN GRANZ ─ O JAZZ USADO COMO JUSTIÇA


Norman Granz,  foi uma das figuras mais proeminentes no desenvolvimento do jazz "moderno",
Lançado o livro de Tad Hershorn: “The Man Who Used Jazz For Justice", biografia de um dos produtores, promotores e empresários mais célebre, trabalho muito detalhado que fornece um monte de informações sobre uma das épocas mais ricas do jazz.
Norman Granz foi empreendedor tão importante para o mundo do jazz,  como era Miles Davis. Em sua vida dedicada ao jazz conheceu pessoalmente centenas de músicos, com quem compartilhou sua vida e era amigo da maioria deles.
Ele foi o criador e organizador das famosas turnês internacionais de jam sessions batizadas “Jazz At The Philharmonic (JATP)”, onde floresceram grandes nomes do jazz como Oscar Peterson, Flip Phillips e Ella Fitzgerald.
O livro mostra, entre outras coisas, como o talento empreendedor de Granz conseguiu que Ella Fitzgerald fosse de estrela para estrela internacional do jazz.
ELLA FITZGERALD & NORMAN GRANZ
Isto, em grande parte devido a Granz, que fundou o selo de jazz Verve, bem como fez um monte de outros músicos, incluindo "gigantes" como Dizzy Gillespie, Milt Jackson, Clark Terry, Niels Pedersen, Joe Pass, Johnny Griffin e Oscar Peterson, entre dezenas de outros.
Mas um aspecto importante do livro é expresso na imensa dedicação de Granz em combater o racismo e lutar pelos direitos e pela justiça social, paz e igualdade, para os músicos afro-americanos.
Granz, que morreu em 2001, foi entrevistado longamente pelo autor do livro várias vezes, e essas entrevistas refletem claramente a posição do produtor em relação aos direitos civis e de justiça, Norman Granz sempre repetiu o que seus três objetivos principais na vida:
§  a luta contra o racismo
§  dar ao público um produto de qualidade musical
§  e ganhar a vida oferecendo a oportunidade para os músicos de jazz fazerem boa música.
(Adaptado do Noticiero de Jazz)

15 agosto 2014

P O D C A S T # 2 2 0

URBIE GREEN
PHIL  WOODS


VON FREEMAN



PARA BAIXAR O ARQUIVO DE ÁUDIO:  http://www.divshare.com/download/25956100-468

14 agosto 2014

ÁLBUM INÉDITO DE JIM HALL e CHARLIE HADEN

A gravadora Impulse anunciou que no próximo mês estará trazendo para o mercado um álbum com o guitarrista Jim Hall e o baixista Charlie Haden, um dueto em uma performance lendária no Festival Internacional de Jazz de Montreal, em 1990, nunca publicado antes. O álbum é intitulado simplesmente Charlie Haden-Jim Hall, com notas de Ethan Iverson.
Ambos os músicos deixaram uma marca indelével no desenvolvimento do jazz e seus nomes estão entre os "gigantes" do gênero.
Anteriormente a Impulse tinha lançado um álbum semelhante, um dueto, gravado em Berlin Jazz Festival em 2002.
Hall e Haden também gravaram um álbum de estúdio para o selo Impulse! e em suas carreiras muitas performances conjuntas.
Jim Hall morreu menos de um ano atrás, em dezembro de 2013 Charlie Haden morreu em julho deste ano.
As composições de acordo com a apresentação de 1990, escolhidas para o disco são:
1. Bemsha Swing (Thelonious Monk/Denzil Best)
2. First Song (Charlie Haden)
3. Turnaround (Ornette Coleman)
4. Body & Soul (John Green/Edward Heyman/Robert Sour)
5. Down From Antigua (Jim Hall)
6. Skylark (Hoagy Carmichael/Johnny Mercer)
7. Big Blues (Jim Hall)
8. In The Moment (Charlie Haden)

JAZZ PELAS AMÉRICAS




O Lincoln Center, em Nova York, onde Wynton Marsalis  é diretor artístico e gerencial anunciou que dia 18 próximo abrirá a temporada de concertos 2014-2015. Será com uma estréia de um trio composto pelo trompetista Wynton Marsalis o pianista Chucho Valdés e o percussionista Pedrito Martinez.
Esta apresentação será realizada no Teatro Rosa no Jazz At Lincoln Center e dará início a um programa de extensão chamado "Através das Américas." Nesta temporada, irá explorar como jazz integrou as ricas tradições musicais do Caribe, do Norte, Central e América do Sul, quanto o influenciou."
Os três músicos nesta temporada, que não precisam de introdução, são "gigantes" do jazz e grandes mestres nos seus próprios instrumentos.

O interessante aqui é que Wynton Marsalis vem explorando há algum tempo a relação entre o jazz e outras formas musicais do mundo e nos EUA (assim como Herbie Hancock e outros), e ambos Chucho Valdés e Pedrito Martinez representama a música de outras nações das Américas.
(Adaptado do Noticiero de Jazz)

12 agosto 2014

CRÉDITOS DO PODCAST # 219

LIDER
EXECUTANTES
TEMAS AUTORES
GARAVAÇÃO
LOCAL / DATA
BOBBY HACKETT
Bobby Hackett (cnt), Dave McKenna (pi), Bob Carter (bx) e Dick Scott (bat)
STOMPIN’ AT THE SAVOY
(Benny Goodman, Chick Webb, Edgar Sampson, e Andy Razaf)
New York, 24/março/1959
CHERYL BENTYNE
- Cheryl Bentyne (vcl), Kenny Barron (pi) e Ray Drummond (bx)
Brooklyn, NY, 21/abril/2004
CHICK WEBB
Mario Bauza, Bobby Stark (tp), Taft Jordan (tp), Sandy Williams, Claude Jones (tb) Pete Clark (cl,sa), Edgar Sampson (sa,arr), Skippy Williams, Wayman Carver (st,fl), Joe Steele (pi), John Trueheart (gt), John Kirby (bx) Chick Webb (bat, ldr)
New York, 10/setembro/1934
MULGREW MILLER
Mulgrew Miller (pi), Derrick Hodge (bx) e Karriem Riggins (bat)
COMES LOVE (Charles Tobias / Lew Brown / Sam H. Stept)
Live "Yoshi's" Restaurante e Jazz Club, Oakland, CA, 23 julho/2003
MODERN JAZZ QUARTET
Johns Lewis (pi), Milt Jackson (vib), Percy Heath (bx) e Connie Kay (bat)
TRUE BLUES
(Milt Jackson)
Alexandra Palace, em Londres, em 1982
DOC CHEATHAM
Doc Cheatham (tp), Ellis Marsalis (pi), Reginald Veal (bx), Martin Butler (bat)
ON THE SUNNY SIDE OF THE STREET
(Dorothy Fields / Jimmy McHugh)
Sweet Basil, Greenwich Village, New York, 1994
BOB ENEVOLDSEN
Bob Enevoldsen (v-tb), Marty Paich (pi), Howard Roberts (gt), Harry Babasin (bx), Don Heath (bat) e Roy Harte (bgo)
DANZA TO BRAZIL
(Marty Paich)
Hollywood, CA, 18/julho/1954
JAY McSHANN
Clark Terry (flh), Tony Russo, Terence Blanchard, Carmell Jones (tp), Al Grey, Jimmy Wilkins (tb), Marc Steckar (b-tb), Benny Carter, Phil Woods (sa), Hal Singer, Jimmy Heath, James Moody (st), Sahib Shihab (sbar), Jay McShann (pi), Jimmy Woode (bx), Mel Lewis (bat) e Ernie Wilkins (arranjo, condução)
THE JUMPIN' BLUES
(Charlie Parker / Jay McShann)
Live "La Villette", Paris, 13/junho/1989
MOTEN’S SWING
(Benny Moten)
THE L. A. FOUR
Bud Shank (sa), Laurindo Almeida (gt), Ray Brown (bx) e Jeff Hamilton (bat)
JUST FRIENDS
(John Klenner)
Los Angeles, final de 1978
HARRY "SWEETS" EDISON
Harry "Sweets" Edison (tp), Lester Young, Illinois Jacquet (st), Marlowe Morris (pi), Barney Kessel (gt), John Simmons (bx) e Jo Jones (bat)
JAMMIN’ THE BLUES
(Lester Young)
Soundstage of Warner Bros., Hollywood, CA, agosto/1944
PATRICIA BARBER
Patricia Barber (pi), Wolfgang Muthspiel (el-gt), Marc Johnson (bx), Adam Nussbaum (bat)
YELLOW CAR
(Patricia Barber) 
New York, 29/novembro/1991
HARRY JAMES
Harry James (tp, ldr), Nick Buono, Gino Bozzacco, Bill Hicks, Robert Berrenson (tp), Tom Padveen, Chuck Anderson (tb), Houghton Peterson (b-tb), Quin Davis (cl,sa), Pat Longo (sa), Mel Kunkle, Bob Lawson (st), Norm Smith (sbar), Tommy Todd (pi), Dave Stone (bx), Les DeMerle (bat) e Thad Jones (arr)
MORE SPLUTIE, PLEASE (Thad Jones)
Wylie Chapel, First Presbyterian Church, Hollywood, CA, 30/julho/1976
B G
HAROLD MABERN (pi), Nat Reeves (bx), Joe Farnsworth (bat) e o convidado Eric Alexander (st)
NANCY WITH THE LAUGHING  FACE
(James Van Heusen / Phil Silvers)
Tokyo, 2/dezembro/2001