Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Mestre Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) *in memoriam*, Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Luciana Pegorer (PegLu), Mario Vieira (Manim), Luiz Carlos Antunes (Mestre Llulla) *in memoriam*, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (Mestre MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo), Carlos Augusto Tibau (Tibau), Flavio Raffaelli (Flavim), Luiz Fernando Senna (Senna) *in memoriam*, Cris Senna (Cris), Jorge Noronha (JN), Sérgio Tavares de Castro (Blue Serge) e Geraldo Guimarães (Gerry).

CRÉDITOS DO PODCAST # 585

28 agosto 2021

 

LIDER

EXECUTANTES

TEMAS e AUTORES

GRAVAÇÃO /  LOCAL e DATA

ILLINOIS JAQUET

J.J. Johnson (tb), Illinois Jacquet, Jack McVea (st), Nat King Cole (pi), Les Paul (gt), Johnny Miller (bx) e Lee Young (bat)

LESTER LEAPS IN

 (Lester Young)

Live at "Philharmonic Auditorium", Los Angeles, 2/julho/1944

GIL EVANS

Johnny Coles, Louis Mucci, Ernie Royal (tp), Joe Bennett, Frank Rehak, Tom Mitchell (tb), Julius Watkins (trompa), Harvey Phillips (tu), Cannonball Adderley (sa), Jerry Sanfino (st), Gil Evans (pi, arranjo, condução), Chuck Wayne (gt), Paul Chambers (bx) e Art Blakey (bat)

New York, 9/abril/1958

NAT "KING" COLE

Com a  Quincy Jones And His Big Band - Nat King Cole (pi), Benny Bailey, Roger Guerin, Lennie Johnson, Floyd Standifer (tp), Jimmy Cleveland, Ake Persson, Melba Liston, Quentin Jackson (tb), Julius Watkins (trompa), Phil Woods, Porter Kilbert (sa), Budd Johnson, Jerome Richardson (st), Sahib Shihab (sbar), Patti Bown (pi), Buddy Catlett (bx) e Joe Harris (bat)), Quincy Jones (arranjo, condução)

Concert at "Kongresshaus", Zurich, Suiça, 1/maio/1960

JOEY ALEXANDER

Joey Alexander (pi), Alphonso Horne (tp), Russell Hall (bx) e Sammy Miller (bat)

TOUR DE FORCE

 (Dizzy Gillespie)

New York, 26/outubro/2014

IRMÃOS ADDERLEY

Nat Adderley (cnt), Cannonball Adderley (sa), Junior Mance (pi), Al McKibbon (bx) e Specs Wright (bat)

HOPPING JOHN

 (Nat Adderley)

New York, 12/julho/1956

BARNEY WILEN / MILT JACKSON

: Barney Wilen (st), Milt Jackson (pi), Percy Heath (bx) e Kenny Clarke (bat)

B B B [BAG'S BARNEY BLUES]

 (Barney Wilen)

Paris, 14/fevereiro/1958

HARRY "SWEETS" EDISON

Harry "Sweets" Edison (tp), Ben Webster (st), Jimmy Rowles (pi), Barney Kessel (gt), Joe Mondragon (bx) e Alvin Stoller (bat)

USED TO BE BASIE

 (Harry Edison)   

Los Angeles, 4/setembro/1956

JAKI BYARD

Jaki Byard (pi), Alan Dawson (vib), George Tucker (bx) e Joe Farrell (bat)

ALAN'S GOT RHYTHM

 (Jaki Byard / Alan Dawson)

Live at "Lennie's-on-the-Turnpike", West Peabody, Mass., 15/abril/1965

DENNIS RICHARD CHRISTIANSON

Denny Christianson (tp,flh), Pat LaBarbera (st), Jan Jarczyk (pi) polones e Alec Walkington (bx)

TO AND FRO

 (Denny Christianson) 

Montreal, Canada, 23/maio/2000

TOOTS THIELEMANS

Toots Thielemans (hca), Milt Jackson (vib), Oscar Peterson (pi), Joe Pass (gt), Niels-Henning Orsted Pedersen (bx) e Louie Bellson (bat)

REUNION BLUES

(Milt Jackson)

Live at  Montreux Jazz Festival, Montreux, Suiça, 16/julho/1975

P O D C A S T # 5 8 5

27 agosto 2021

 

JOEY ALEXANDER
TOOTS THIELEMANS 

PARA BAIXAR O ARQUIVO DE ÁUDIO USAR O LINK ABAIXO:

https://www.4shared.com/mp3/x58ykKatea/PODCAST_585.html


25 agosto 2021

 

Série: Histórias do Jazz

 

DO OUTRO LADO DO JAZZ # 16

A DANÇA E O JAZZ (Parte I)

O Jazz foi criado sobre um tipo de música extremamente dançante dentro da tradição afro e de seu berço, a cidade de New Orleans, incrivelmente alegre, festiva até mesmo nos funerais!

Podemos notar que as escolas de Jazz produziram música com indissociável característica dançante e, mesmo o “bebop”, cuja essência de complexidades rítmicas desviava-se bastante daquela que induzia à dança, teve também seus adeptos.

Na era “bebop” (a partir da primeira metade da década de 40 do século XX) as casas de espetáculos passaram a ocupar as pistas de dança com mesas para aumentar a audiência, já que o público passou a se interessar mais em apreciar os grandes solistas em suas extensas e livres improvisações, do que arriscar passos com tal ritmo.

A esta época iniciou-se a dissociação do Jazz com a dança e foi quando o Jazz passou a ser executado para ser “ouvido” realmente. A dança ficou mais associada à música “suingante” das grandes orquestras (as “big bands”) e à escola “dixieland”.

Tal dissociação se concretizou com o Free-Jazz onde qualquer tentativa de se dançar, expressa pelo que se pode designar como tal, deva ser frustrante. (!!!...)

A tradição africana da dança acompanhou passo a passo todo o processo pelo qual passou a música americana e suas influências europeias até se formar o Jazz.

Foi no ambiente do “minstrell-show” que surgiu a “tap-dance”, que conhecemos como sapateado, sendo utilizada de maneira inteiramente improvisada antecedendo ao próprio Jazz. Tal estilo de dança, tipicamente afro, acabou por ser vinculada estreitamente à música de Jazz.

Todos conhecemos o sapateado até porque os filmes musicais americanos dos anos 30, 40 e 50 o reverenciava nos pés de exímios dançarinos como Gene Kelly, Fred Astaire e Sammy Davis Jr, apesar de um tanto abastardados em relação aos grandes “tap-dancers”.

Os verdadeiros exímios foram Bill "Bojangles" Robinson, John W. Bubbles, Jack Wiggins, Donald "Baby" Laurence e outros "hoofers".

“Hoofer” é uma gíria aplicada aos sapateadores que emitem ruídos semelhantes aos cascos (“hoof”) de um cavalo.   Nos anos 30 existiu no Harlem um “Hoofer’s Club” que reunia dia e noite sapateadores em busca de “batalhas” ou somente para apresentar seus shows em troca de gorjetas.


Em New Orleans surgia no início dos anos 1900 o “Slow Drag”, música de inspiração afro-latina de rítmo arrastado e acompanhada de uma dança lasciva, muito apreciada pelas prostitutas negras que ficavam dançando para despertar e atrair os fregueses.

O “Slow Drag” era muito comum nas espeluncas de “Storyville”(*) e o pianista Jelly Roll Morton, um dos pioneiros do Jazz em New Orleans, era exímio executante do  “Slow Drag” (e provavelmente das moças também!).

Por volta de 1929 o “Slow Drag” tornou-se a primeira dança social afro-americana, sendo introduzida em espetáculos da Broadway e escandalizando os críticos de raça branca, os quais julgavam ameaçar a ordem moral e social pela sensualidade apresentada e, logicamente, se tornou muito popular também no Harlem.

Um dos mais conhecidos contrabaixistas de New Orleans, Alcide Pavageau (1888-1969), até 1927 atuava como guitarrista e tornou-se famoso também como dançarino ganhando o apelido de “Slow Drag”.

(*) - Storyville foi o distrito da luz vermelha de Nova Orleans de 1897 a 1917. Criado  por decreto municipal sob o Conselho Municipal de Nova Orleans, para regulamentar a prostituição. Sidney Story, um vereador da cidade, escreveu as diretrizes e a legislação para controlar a prostituição dentro da cidade. A portaria designava uma área na qual a prostituição, embora ainda nominalmente ilegal, era tolerada e regulamentada. A área foi originalmente referida como "O Distrito", mas seu apelido, "Storyville", logo pegou, para grande desgosto de Sidney Story seu criador.

Era limitada pelas North Robertson, Iberville, Basin e St. Louis Streets. Estava localizada próximo a uma estação ferroviária, tornando-se um destino popular para viajantes que chegavam à cidade, e se tornou uma atração central no coração de Nova Orleans. Apenas alguns de seus remanescentes casarões estão agora visíveis. O bairro fica em Faubourg Tremé e a maior parte do terreno foi reaproveitado para habitação pública. É bem conhecido por ter sido o lar de músicos de jazz, como Jelly Roll e principalmente Louis Armstrong como menor de idade viveu em Storyville.

 

MEXENDO NA DISCOTECA

21 agosto 2021

 Oi turma
Tudo bem?
Gente , olha o que eu achei aqui na minha discoteca. Um Lp do pianista, maestro e arranjador Nat Pierce. Ex pianista da banda do Woody Herman, gravou alguns Lps de excelente qualidade. Eu acho que este que coloco aqui é um deles. Com um grupo de gabarito e com ótimo temas, o Lp é muito bom mesmo.
Espero que vocês gostem da faixa selecionada.
Forte abraço e muita saúde.



Nat Pierce – Kansas City Memories

 Tracklist

B2 Sioux City Sue 3:00

Credits

Alto Saxophone – Hal McKusick

Bass – Oscar Pettiford

Drums – Jo Jones

Guitar – Freddie Green

Piano – Nat Pierce

Trombone – Bill Harris

Trumpet – Joe Newman

Recorded New York, June 1956






CRÉDITOS DO PODCAST # 584

 

LIDER

EXECUTANTES

TEMAS e AUTORES

GRAVAÇÃO LOCAL e DATA

HAROLD MABERN

Harold Mabern (pi), Ron Carter (bx) e Adam Nussbaum (bat)

Mr. P.C. (John Coltrane)

New York, 1983

Harold Mabern (pi solo)

UNFORGETABLE

(Irving Gordon)

New York, 20/dezembro

/2006

WAIL BAIT (Quincy Jones)

Steve Davis (tb), Vincent Herring (sa), Eric Alexander (st), Harold Mabern (pi), John Webber (bx) e Joe Farnsworth (bat)

MR. JOHNSON

(Harold Mabern)

New York, 7/janeiro/ 2018

Harold Mabern (pi), Kieran Overs (bx)

LAZY BIRD (John Coltrane)

Toronto, Canada, 29/fevereiro

/1992

Eric Alexander (st), Harold Mabern (pi), Nat Reeves (bx e ) Jimmy Cobb (bat)

THE IRON MAN

(Eric Alexander)

New York, 17/abril/ 2017

Harold Mabern (pi), John Webber (bx) e Joe Farnsworth (bat)

ROAD SONG

(Wes Montgomery)

Live at, "Smalls Jazz Club", New York,  23/junho/2012

THE NEARNESS OF YOU

(Hoagy Carmichael / Ned Washington)

George Coleman (st), Harold Mabern (pi), Buster Williams (bx) e Leo Morris (bat)

BLUES FOR PHINEAS

(Harold Mabern)

New York, 30/junho/1969

Harold Mabern (pi), Nat Reeves (bx) e Joe Farnsworth (bat)

MY FAVORITE THINGS

(Oscar Hammerstein II / Richard Rodgers)

New York, 6/abril/2003

BAGS GROOVE (Milt Jackson)

Tokyo, 2/dezembro

/2001

Eric Alexander (st), Harold Mabern (pi), John Webber (bx) e Joe Farnsworth (bat)

HOW INSENSITIVE

(Vinícius de Moraes / Norman Gimbel / Antônio Carlos Jobim)

Live at "Smoke Jazz Club", New York, 7/janeiro/2018

P O D C A S T # 5 8 4

20 agosto 2021

MÚSICO EM FOCO - HAROLD MABERN


 


PARA BAIXAR O ARQUIVO DE ÁUDIO USAR O LINK ABAIXO:

https://www.4shared.com/mp3/bZv3FeTyiq/PODCAST_584.html


18 agosto 2021

 

Série: Histórias do Jazz

 DO OUTRO LADO DO JAZZ # 15

JAZZ AFTER MIDNIGHT

Parece que o Jazz conseguiu se realimentar das sessões JAM, ou seja, aquelas segundo afirmam alguns historiadores, referiam-se à sigla de “Jazz After Midnight”, execução informal após as horas normais de trabalho e, certamente, após à meia noite.   Jazz sem compromisso de público, sem interferência de proprietários e de produtores. As reuniões eram feitas pela madrugada em algum cabaré, clubes de Jazz ou mesmo no domicílio de um músico.

Músicos oriundos de vários grupos e orquestras se encontravam após o trabalho regular e muitos destes encontros propiciaram novas fórmulas para a evolução e mesmo aperfeiçoamento de seus participantes e, em consequência, do próprio gênero.  Funcionavam, tais “jam sessions”, como cursos noturnos, laboratório ou como os americanos dizem "masterclass".

O objetivo maior era executar Jazz em longas improvisações sobre vários temas, que acabavam em contendas entre os instrumentistas.

“Cutting contest” é a expressão que designa tais contendas ou disputas entre músicos, orquestras ou dançarinos e cujas origens remontam desde as ruas de New Orleans até as informais “jam-sessions” modernas. Nada mais é do que uma competição musical em que cada músico se esmera em solar, improvisar melhor e maior número de “choruses” que o outro.  Eram muito habituais nos anos 20 e 30 as contendas entre músicos de mesmo instrumento ou mesmo entre bandas de rua que, ao se encontrarem, partiam para uma batalha cuja vencedora seria aquela que mais empolgasse o público.

“Chase”, literalmente caça, perseguição, é como se nomeia a reunião de 02 ou mais instrumentistas a improvisarem um certo número de compassos cada um, uma espécie de duelo, sendo também muito comum nas “jam sessions”.   

De uma forma geral os músicos vão alternando o número de compassos improvisados iniciando com 32, depois 16, 08, 04, 02 e até 01, quando então a perseguição se torna evidente.  A “chase” difere da “cutting contest” na medida em que o importante não é o número de “choruses” improvisados e sim a alternância, cada vez mais rápida, entre as idéias dos músicos.

Há uma passagem histórica no “Sunset Café” de Chicago, onde Louis Armstrong estreou em 1926, praticamente introduzindo o verdadeiro espírito da música de Jazz com suas exibições em solo para delírio da platéia. Certa noite surgiu King Oliver, portando seu inseparável “derby hat” (chapéu côco) marrom e subindo ao palco   junto com Armstrong fizeram uma incrível  “cutting contest” de cerca de 125 choruses do clássico “Tiger Rag”, simplesmente enlouquecendo o público.

A “jam sessiom”, nos anos 40, tornou-se prática habitual em Kansas City, Chicago e na fabulosa rua 52 em New York, mas no fim dos anos 20 tal atmosfera já reinava, segundo depoimento de Sonny Greer, baterista de Duke Ellington. ― "Um músico não tinha vontade de ir para casa, estava sempre à procura de um lugar onde alguém estivesse tocando algo que ele precisava ouvir. A qualquer hora surgia um cara que informava ― vai ter uma JAM em tal lugar - e para lá íam rumando todos. O clube México em Manhattan proporcionava, a noite do trompete às segundas, nas têrças o pessoal dos saxofones, os trombonistas nas quartas.....e assim por diante".

A maioria das JAM íam esquentando e acabavam em verdadeiras batalhas entre os músicos, “choruses” e mais “choruses” desenvolvidos até o esgotamento de idéias ou mesmo físico.

Billie Holiday contava uma história que mostra a linha divisória entre o prazer de tocarem juntos e a rivalidade entre músicos.  Benny Goodman havia trazido um rapazola franzino, branco, lá do Texas, onde os negros eram considerados uma merda (sic).  Tratava-se de Harry James que iria se tornar um dos mais célebres trompetistas da era swing, mas antes teve que aprender uma lição de humildade ao desafiar arrogantemente o tímido Buck Clayton, negro, mas que fraseava maravilhosamente e derrubou James na lona em uma dessas noites de JAM em uma  “cutting contest”.

Uma JAM de caráter permanente foi a  J.A.T.P. - sigla para a abreviatura de Jazz At Philarmonic nome de uma organização de concertos criada e dirigida pelo empresário Norman Granz. O 1º concerto ocorreu a 2 de julho de 1944 no Philarmonic Auditorium de Los Angeles de onde foi extraído seu nome At Philarmonic e após várias apresentações nos EUA fez excursões pelo mundo todo, particularmente, na Europa entre os anos de 1950/57.

O ambiente era de uma JAM os músicos ficavam à vontade e Norman Granz não intervinha em nada, apenas na organização. Os próprios músicos convidados montavam a JAM escolhendo repertório, formação de cada peça executada, arranjo, solos, etc.

Da edição das gravações destes concertos surgiu o formidável selo fonográfico Verve.

As gravações mantidas pela Verve Records dos primeiros cinco anos (1944–1949) de JATP foram emitidas em um conjunto Deluxe de 10 CDs. Pode-se sentir o clima total de jam-session.

Em 1967 foi realizada sua última apresentação. Praticamente todos os grandes nomes do Jazz à época atuaram na JATP.

 

CRÉDITOS DO PODCAST # 583

14 agosto 2021

 

LIDER

EXECUTANTES

TEMAS e AUTORES

GRAVAÇÃO  LOCAL / DATA

BETTY CARTER

Betty Carter (vcl), Ray Bryant (pi), Wendell Marshall (bx), Philly Joe Jones (bat), Jerome Richardson (fl), Quincy Jones (arranjo)

THE WAY YOU LOOK TONIGHT

 (Dorothy Fields / Jerome Kern)

New York, 16/maio/1955

CAN'T WE BE FRIENDS

(Paul James / Kay Swift)

ERNESTINE ANDERSON 

Ernestine Anderson (vcl) Clark Terry, Ernie Royal (tp), Frank Rehak (tb), Yusef Lateef (fl,st), Tate Houston (sbar), Hank Jones (pi), Kenny Burrell (gt), Mac Ceppos (vln), Art Davis (bx), Charlie Persip (bat), Willie Rodriguez (perc) e Ernie Wilkins (arranjo, condução)

SEE SEE RIDER (Tradicional)

New York, 1960

ALL MY LIFE 

(Sidney Mitchell / Sam H. Stept)

CATHERINE RUSSELL

Catherine Russell (vcl), Jon-Erik Kellso (tp), John Allred (tb), Mark Lopeman (st, sbar, cl), Andy Mark Shane (pi), Tal Ronen (bx) e Mark McLean (bat)

SWING ! BROTHER, SWING !

(Walter Bishop, Sr. / Lewis Raymond / Clarence Williams)

New York, 2/dez./2015

YOU'VE GOT THE RIGHT KEY BUT THE WRONG KEYHOLE

 (Eddie Green / Clarence Williams)

ETTA JONES

Etta Jones (vcl), Frank Wess (st,fl) Richard Wyands (pi) Skeeter Best (gt), George Duvivier (bx) e Roy Haynes (bat)

YES, SIR ! THAT'S MY BABY

 (Walter Donaldson / Gus Kahn)

Englewood Cliffs, NJ, 21/junho/1960

BYE BYE, BLACKBIRD

(Mort Dixon / Ray Henderson)

JUNE CHRISTY

June Christy (vcl), Joe Gordon (tp), Vince DeRosa (fhr), Bud Shank (sa,fl),  Norman Benno (oboe,celeste), Bob Cooper (st,b-cl), Buddy Collette (st, sbar,b-cl), Kathryn Julye (harp), Al Viola (gt),  Monty Budwig (bx) e Shelly Manne (bat)

ALL YOU NEED IS A QUARTER

 (Betty Comden / Adolph Green / Jule Styne)

Los Angeles, 2/fev./1961

ASKING FOR YOU

(Betty Comden / Adolph Green / Jule Styne)

MILDRED BAILEY

Mildred Bailey (vcl), Ellis Larkins (pi), Gene Fields (gt) e Beverly Peer (bx)

I'LL CLOSE MY EYES

(Buddy Kaye / Billy Reid)

Radio broadcast, WNEW, New York, 1/março/1947

THAT AIN'T RIGHT

(Nat King Cole)

SHIRLEY HORN

The Quincy Jones Orchestra: Shirley Horn (vcl,pi), Quincy Jones (arranjo)  músicos não são mencionados.

WOULDN'T IT BE LOVERLY ?

 (Frederick Loewe)

New York, 15/dezembro/ 1963

AFTER YOU'VE GONE

(Henry Creamer / Turner Layton)

CAROL WELSMAN 

Carol Welsman (vcl,pi), Ken Peplowski (cl), Pierre Cote (gt), Rene Camacho (bx) Frank Capp, (bat) e Cassio Duarte (perc)

DON'T BE THAT WAY

 (Benny Goodman / Mitchell Parish / Edgar Sampson)

Calabasas, CA, 27/agosto/2008

STOMPIN' AT THE SAVOY

(Benny Goodman / Andy Razaf / Edgar Sampson / Chick Webb)

CHERYL BENTYNE

Cheryl Bentyne (vcl), David "Fathead" Newman (st), Kenny Barron (pi), Corey Allen (pi), John Patitucci (bx) e Lewis Nash (bat)

LOVE ME OR LEAVE ME

(Walter Donaldson / Gus Kahn)

Brooklyn, NY, 21/maio/2002

YOU'D BE SO NICE TO COME HOME TO

(Cole Porter)

TERAESA VINSON

Teraesa Vinson (vcl), Ron Blake (st), Carlton Holmes (pi), Tom Dempsey (gt), Nicki Parrott (bx) e Dion Parson (bat)

THE WAY YOU LOOK TONIGHT

 (Dorothy Fields / Jerome Kern)      

New York, 5/abril/2004

BEAUTIFUL FRIENDSHIP

(Donald Kahn / Stanley Styne)

CHRIS CONNOR

Chris Connor (vcl), Jimmy Nottingham, Bernie Privin, Bernie Glow, Ernie Royal (tp), Frank Rehak, Mort Bullman, Chauncey Welsch, Bob Alexander (tb), George Berg, Phil Bodner, Jerry Sanfino (sa,cl), Al Klink, Romeo Penque (st,cl), Hank Jones (pi) Mundell Lowe (gt), Milt Hinton (bx) Don Lamond (bat) Richard Wess (arranjo)

WITCHCRAFT

(Cy Coleman / Carolyn Leigh)

New York, 14/set./1959

WHEN SUNNY GETS BLUE

 (Marvin Fisher / Jack Segal)