Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Mestre Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Mario Vieira (Manim), Luiz Carlos Antunes (Mestre Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (Mestre MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).


BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

RECORDANDO BETTY CARTER

26 setembro 2020

 BETTY CARTER (nascida Lillie Mae Jones a 16 de maio de 1929, nos deixou em 26 de setembro de 1998,  conhecida por sua técnica de improvisação e outras habilidades musicais complexas que demonstrou seu talento vocal e interpretação imaginativa das letras e melodias. Mais elogios do que os críticos ou do seu público vieram da pianista e compositora Carmen McRae uma vez observou ― "há realmente apenas uma cantora de jazz – a única: Betty Carter."

Betty Carter é uma das poucas vocalistas de jazz "genuínas", uma cantora que os músicos de jazz respeitavam e admiravam, sua capacidade de recriar os temas musicais e improvisar sobre eles foi impressionante.

No vídeo abaixo - com Geri Allen (pi), Dave Holland (bx) e Jack DeJohnette (bat) - Carter realiza uma versão inspiradora de Giant Steps de John Coltrane

Nota: Betty inicia a apresentação com um notável rubatto –- Tempo rubato: "livre na apresentação", literalmente do italiano para '"tempo roubado” é um termo musical que se refere à liberdade expressiva e rítmica por uma ligeira aceleração e depois desaceleração do andamento de uma peça, a critério do solista. Rubato é uma forma expressiva de interpretação da música que faz parte do fraseado jazzístico e no qual Betty Carter era especialista.




Nenhum comentário: