Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Mestre Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Mario Vieira (Manim), Luiz Carlos Antunes (Mestre Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (Mestre MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).


BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

DOIS ANOS SEM JON HENDRICKS

27 novembro 2019





Jon Carl Hendricks, um dos vocalistas mais criativos na maneira de cantar jazz com letras transcrevendo solo instrumental, morreu há dois anos em Nova York aos 96 anos de idade.
Hendricks teve uma sólida carreira artística que o levou à fama com o famoso conjunto "Lambert, Hendricks e Ross", com seus colegas Dave Lambert e Annie Ross. 
Com eles, compôs músicas e transcreveu instrumentais solo de solistas pertencentes a orquestras como Count Basie ou Duke Ellington, adicionou letras e as interpretou com a voz. Alguns altamente complicados devido aos tempos e estilos rápidos do bebop. Ele também fez o mesmo com arranjos orquestrais, que eles cantaram em uníssono.
Dos três Jon e Annie Ross foram os que mais se destacaram em suas carreiras solo, e Jon Hendricks também foi um grande expoente do estilo "scat" para improvisar com a voz.
Hendricks começou a cantar quando criança e, aos 12 anos, Fats Waller o convidou para uma turnê, o que ele não pôde fazer por causa de sua tenra idade. Ele se interessou por bateria, mas continuou cantando e participou de programas de rádio com Art Tatum, morador de sua mesma cidade, Newark.
Depois de estar no exército durante a Segunda Guerra Mundial, Jon se matriculou na Universidade de Toledo, mas logo decidiu aceitar um convite de Charlie Parker para ir a Nova York, que o conheceu e ouviu em Toledo. Em Nova York, ele começou sua bem-sucedida carreira musical.
Seu período principal foi no grupo "Lambert, Hendricks e Ross", com o qual eles gravaram vários álbuns, incluindo um já lendário com o Count Basie, além de fazer inúmeras apresentações em clubes e festivais de jazz. Cenários como "Manhattan Transfer" e "New York Voices" devem muito a esse trio.
Vocalistas como Kurt Elling, Van Morrison, Al Jarreau e Bobby McFerrin afirmam abertamente ter influências de Jon Hendricks. Kurt Elling o chama de "guru" musical.
Em 1968, ele se mudou para Londres - segundo ele, para que seus filhos tivessem uma educação melhor - com a qual ele começou a segunda parte de sua carreira solo, que também teve muito sucesso, com turnês européias, pelo Oriente e breves retornos ao país, EUA.
Em 2000, ele voltou para sua casa nos EUA para ensinar na Universidade de Toledo.
No ano passado (2017), Hendricks pôde ouvir, entre o público, a estréia de seus arranjos vocais para Miles Ahead, que incluem vozes para os arranjos originais de Gil Evans e os solos de Miles Davis.
Jon Hendricks apareceu em sete filmes e deixou gravado cerca de 35 álbuns como líder e 25 em participações.
(traduzido e adaptado do blog Noticias de Jazz)


Nenhum comentário: