Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Mestre Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Mario Vieira (Manim), Luiz Carlos Antunes (Mestre Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (Mestre MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).


BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

TRIBUTO AO GUITARRISTA HOWARD ROBERTS

08 outubro 2019


O guitarrista HOWARD ROBERTS nasceu em 2 de outubro de 1929 em Phoenix, Arizona.
Roberts começou a tocar violão quando tinha oito anos e, quando adolescente, trabalhou em Phoenix.
Ele se mudou para Los Angeles quando tinha 20 anos, se apresentou localmente e, em 1956, estava trabalhando com o pianista-cantor Bobby Troup e gravando como líder da Verve.
Nos 15 anos seguintes, Roberts foi muito procurado por trabalhos de estúdio, tocando em um número incontável de trilhas sonoras de televisão e filmes e acompanhando os principais nomes.
Mesmo durante aqueles anos ocupados, Howard Roberts ainda tocava jazz regularmente em clubes da região de Los Angeles e gravava com artistas notáveis ​​como Frank Morgan, Pete Jolly, Joe Morello, June Christy, Chico Hamilton, Julie London, Pete Rugolo, Peggy Lee, Gerry Mulligan e Hank Jones, além de liderar sessões populares próprias para o selo Capitol. 
A partir de meados da década de 1960, ele diminuiu o ritmo de seu trabalho em estúdio e tornou-se educador, co-fundador do Instituto de Tecnologia da Guitarra (agora conhecido como Instituto dos Músicos), escrevendo livros de instruções sobre violão e tendo uma coluna mensal para o Guitar Player .
Em grande parte semi-aposentado após meados da década de 1980, Howard Roberts faleceu em 1992 aos 62 anos de idade.

(traduzido do texto do crítico Scott Yanow)




Nenhum comentário: