Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Mario Vieira (Manim), Luiz Carlos Antunes (Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).


BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

RECORDANDO ANDRE PREVIN

02 março 2019



Andreas Ludwig Priwin, mais connhecido como ANDRE PREVIN, nascido na Alemanha em Berlim, 6 de abril de 1929 – faleceu em Nova Iorque, em sua casa em Manhattan em 28 de fevereiro de 2019. Compositor, pianista e maestro, recebeu treze nomeações para o Prêmio da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas e venceu quatro Oscars pela categoria Trilha Sonora Original (1958, 1959, 1963 e 1964). Previn ganhou os prêmios Oscars por seu trabalho nas músicas de Porgy And Bess, Gigi, Irma La Douce e My Fair Lady. Também recebeu 11 Grammys, entre nomeações e prêmios.
Com sua família, emigrou para os Estados Unidos em 1939 para escapar do regime da Alemanha Nazi, judeus que eram. Previn tornou-se naturalizado cidadão dos Estados Unidos em 1943 e cresceu em Los Angeles. No verão de 1946 graduou-se na Escola de Beverly Hills e começou a tocar em dueto musical com Richard M. Sherma “songwritter” especialista em musicais de cinema. Previn tocava piano, acompanhando Sherman, que tocava flauta. Por coincidência, 21 anos depois, ambos os compositores ganharam o Oscar por diferentes filmes.
Depois, que se mudou de Hollywood para se dedicar com muito sucesso à música clássica, passou longos períodos como diretor das Sinfônicas de Londres e Los Angeles, recebendo aclamações do público e da crítica.
No entanto, os amantes do jazz se lembrarão dele pelo seu estilo pessoal ao piano, dentro desse gênero sua primeira influência foi Art Tatum, depois Teddy Wilson e Bud Powel.
Previn fez dezenas de gravações de jazz como líder e sideman, principalmente durante dois períodos da sua carreira: de 1945 a 1967, e depois novamente a partir de 1989 a 2001, com apenas algumas gravações.
Previn fez também várias gravações com os cantores clássicos como Eileen Farrell, Leontyne Price ou Kiri Te Kanawa, bem como vários registros com piano e orquestra em 1960.
Previn trabalhou muito como pianista de trio  de jazz (geralmente baixo e bateria). Depois de sua performance com Shelly Manne na gravação ─ Modern Jazz Performances of Songs from My Fair Lady, em 1956, Previn lançou vários álbuns de interpretações de jazz de canções de Musicais da Broadway, bem como várias gravações de piano solo centradas nos “songbooks” de compositores populares. André Previn tocou músicas de Vernon Duke, 1958; e músicas de Harold Arlen, 1960, muitas baladas solo de Jazz Standards.
Tambén gravou com J.J. Johnson, Buddy Bregman, Shorty Rogers, Russ Freeman, Oscar Peterson, Ray Brown, Benny Carter, Red Mitchell, Frank Capp, Doris Day e Ella Fitzgerald (baladas e standards de jazz), Herb Ellis, , Joe Pass, Grady Tate, Pete Rugolo e muitos mais.
Foi agraciado com  Honorary Knight Commander of the Order of the British Empire (KBE)
A Ordem mais Excelente do Império Britânico, no grau de Cavalheiro, tal Ordem recompensa contribuições para as artes e ciências, trabalho com organizações beneficentes e de bem-estar e serviço público. A ordem foi estabelecida em 4 de junho de 1917 pelo rei George V e compreende cinco classes em ambas as divisões civil e militar, sendo que as duas mais altas fazem do recebedor um Cavaleiro.

A seguir uma recordação de Andre Previn com uma notável interpretação, dentre tantas.
Canção SATURDAY (Andre Previn): Andre Previn (pi), Red Mitchell (bx) e Frank Capp (bat) - Los Angeles, 20 /fevereiro/1960

2 comentários:

Carlos Tibau disse...

Caro Major
Lá se vai mais um genio do Jazz. Meus ídolos estão partindo com muita pressa.
Lamentável.
Forte abraço

Nelson disse...

"Colaboration" um marco com Shorty Rogers. O pianista que com Pete Jolly, Hampton Howes e Russ Freeman fizeram o piano do estilo West Coast.
Rest in Peace

"Nels"