Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Luiz Carlos Antunes (Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), , Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).

BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

"WAY OUT WEST" DE SONNY ROLLINS

30 dezembro 2018



Um dos álbuns mais notáveis lançado este ano foi da gravadora Concord que publicou em fevereiro, uma edição de luxo em vinil do álbum "Wat Out West" de Sonny Rollins para marcar o 60º aniversário do lendário LP, e ao qual foi adicionado gravações não publicadas obtidas na mesma sessão.
O disco foi originalmente publicado em 1957 e nele, além de Rollins, estão o baixista Ray Brown e o baterista Shelly Manne, nenhum dos quais tocou ou gravou com Rollins anteriormente. A sessão de gravação começou um dia às 3 da manhã porque todos os músicos tinham seus dias muito ocupados. O resultado foi ótimo e antológico.
O LP duplo inclui os seguintes tópicos:

Disco 1 – Album Original Way Out West 
Lado A
A1. I’m an Old Cowhand
A2.
Solitude
A3. Come, Gone 
Lado B
B1. Wagon Wheels
B2. There Is No Greater Love
B3. Way Out West 

Disco 2 – Faixas adicionais de Way Out West 
Lado A
A1. Monologue: You Gotta Dig the Lyrics (previously unreleased)
A2. I’m an Old Cowhand (alternate version)
A3. Dialogue: Titling “Come, Gone” (previously unreleased)
A4. Come, Gone (alternate version) 
Lado B
B1. There Is No Greater Love (alternate version, previously unreleased)
B2. Way Out West (take 1, previously unreleased)
B3. Way Out West (alternate version)

(Traduzido e adaptado do blog  Noticias de Jazz)

2 comentários:

Takechi disse...

Major:
Lembrança mais que oportuna de um dos discos mais bonitos do jazz. E que swing tem um trio de sax, baixo e bateria !!! Essa formação é uma armadilha para os músicos de jazz, pois pode dar muito errado como atestam inúmeras tentativas mais modernas de recriá-la (não vou dizer os nomes por educação...). Mas como dar errado com esse pessoal (Sonny Rollins, Shelly Manne, Ray Brown)? E como é delicioso ouvir todos os três músicos em sua plena forma!
Grande abraço,
Takechi

MARIO JORGE JACQUES disse...

Takechi, excelente seu comentário, realmente este é um disco fabuloso e trio de sopro, baixo e bateria.....caramba!! nem sempre dá certo e este é maravilhoso
Abração