Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Luiz Carlos Antunes (Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), , Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).

BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

KENNEDY SALVOU A CARREIRA DE HAMPTON HAWES

23 novembro 2016



Coincidindo com o aniversário da morte de John F. Kennedy, lembramos neste blog um fato que tem a ver com ele e com a história do jazz.

Três meses antes de seu assassinato, o presidente John F. Kennedy concedeu um indulto presidencial ( "perdão presidencial") ao pianista Hampton Hawes, permitindo assim que o músico desenvolvesse uma carreira que acabou por ser uma das mais bem sucedida.
Hampton Hawes estava na prisão cumprindo uma longa sentença por uso e porte de drogas. Quando Kennedy foi eleito presidente, ocorreu uma onda de esperança aos discriminados setores minoritários dos EUA e mais tarde Hawes disse que pensou que Kennedy era o tipo de líder que poderia ajudá-lo.
Embora os funcionários da prisão o provocaram dizendo-lhe que o seu pedido não era realista, Hawes solicitou e preencheu os formulários para solicitar um indulto presidencial que foi enviado para a Casa Branca junto com 18 cartas de recomendação de pessoas de alguma importância que conheciam o pianista.
Para a surpresa de muitos Kennedy respondeu e concedeu a clemência presidencial, permitindo que o pianista podesse seguir sua carreira musical. Naqueles dias havia um monte de músicos de gêneros diferentes prisioneiros pelo uso de drogas ou tráfico. Hampton foi o único que foi perdoado por John F. Kennedy, que algumas semanas depois era assassinado em Dallas em 22 de novembro, 53 anos atrás.

(traduzido e adaptado do blog Noticias de Jazz de Pablo Aguirre)

Um comentário:

pedrocardoso@grupolet.com disse...

Estimado MÁRIO JORGE:

O fato nos mostra que uma mente sadia (ainda que com todas as imperfeições humanas típicas da clã dos Kennedy) pode brindar o mundo com boa dose de humanidade.
HH foi, sem nenhuma dúvida, um MESTRE DAS ! ! ! !

PEDRO CARDOSO