Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Luiz Carlos Antunes (Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), , Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).

BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

UM ANO SEM LEW SOLOFF - Recordando um grande trompetista

09 março 2016

Há um ano morria o trompetista de jazz Lew Soloff com 71 anos de idade em New York City por causa de um ataque cardíaco.

Michel Lewis Soloff, seu nome original, nasceu em Nova York em 20 de fevereiro de 1944, começando em uma idade precoce no mundo da música e jazz. Ele aprendeu a tocar piano aos cinco anos de idade, o trompete aos dez, estudou em vários centros como a Eastman School of Rochester e a Juilliard School of Music, bem como com vários trompetistas, incluindo Carmine Caruso. 


A partir de 1965, ele tocou e gravou com vários artistas como Tito Puente, Maynard Ferguson, Joe Henderson, Clark Terry, Gil Evans e outros. Ela também interpretou a música clássica com as orquestras sinfônicas de Rochester e de New Orleans, dentre outras. Em 1968, ele substituiu Randy Brecker no grupo Blood, Sweat  And Tears.
Soloff atuou com um monte de músicos de jazz e em inúmeros festivais em todo o mundo.
Para citar o site Wikipedia, "Soloff um trompetista familiarizado com todos os estratos da música ocidental é um líder e acompanhante altamente respeitado, um dos músicos de estúdio mais procurados na cena internacional”. Para alguns autores é um dos trompetistas mais brilhante da década de 80,  com seu estilo característico de improvisação organizando a melodia em frases longas, muitas vezes combinadas com movimentos curtos, sempre com um som brilhante.

Soloff foi membro por um longo tempo do grupo Manhattan Jazz Quintet e também tocou com a Orquestra de Jazz at Lincoln Center de Wynton Marsalis e dirigiu a Orquestra de Jazz de Magic City. Deixou 10 álbuns gravados em seu nome e quase 40 como um membro de outros grupos. Ele também era um educador notável e sua morte foi uma surpresa sentida por todos do mundo do jazz.
(adaptado de Noticias de Jazz)

Um comentário:

Carlos Tibau disse...

Realmente foi uma grande perda de um grande som.
Abraço