Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Luiz Carlos Antunes (Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), , Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).

BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

RONNIE SCOTT'S CLUB

26 maio 2015

O famoso clube de jazz Ronnie Scott em Londres, uma verdadeira instituição britânica do mundo musical.



Ronnie Scott, como ele é universalmente conhecido, foi fundado pelo inglês saxofonista de mesmo nome em 30 de outubro de 1959 e rapidamente tornou-se o clube de jazz mais importante da Europa se tornando conhecido como a "Meca" do jazz nesta região do mundo, equivalente ao Birdland ou Blue Note em Nova York.
Por lá passaram dezenas de "gigantes" e sua história foi gravada a cada ano, durante cinco décadas, mostrando o desenvolvimento do jazz contemporâneo de ambos os lados do Atlântico.
Hoje todo seguidor de jazz, de fora ou de dentro de Grã-Bretanha, sabe da sua existência e todas as noites o clube é visitado por um público internacional. Uma das suas características típicas é que as paredes do clube são cobertas com retratos dos músicos de jazz mais famosos que têm ali atuado há cinco décadas. A partir de uma longa lista podemos citar Ella Fitzgerald, Freddie Hubbard, Bill Evans, Stan Getz, Miles Davis, Dexter Gordon, Dizzy Gillespie, Chet Baker, Carmen McRae, Nina Simone, Oscar Peterson, os irmãos Brecker, Art Blakey e os Jazz Messengers Elvin Jones, e as principais orquestras como Buddy Rich e Woody Herman.
Foi neste clube onde Miles Davis também "descobriu" o baixista Dave Holland e contratou-o para levá-lo para os EUA, hoje Holland é um dos nomes do jazz mundial. O clube está cheio de histórias semelhantes. Muitos músicos de jazz latino-americanos também foram lá, incluindo o Gato Barbieri, Astrud Gilberto, Chucho Valdes, Gonzalo Rubalcaba, Airto Moreira, Flora Purim, Arturo Sandoval, Nana Vasconcelos, Hilton Ruiz e Eddie Palmieri.
Recentemente, atuaram no clube alguns dos grandes de hoje, incluindo Wynton Marsalis, Chris Botti, Cedar Walton, Billy Cobham, Chick Corea, e Kenny Garrett.

Houve uma série de curtas-metragens e longas-metragens filmadas no clube com músicos famosos, incluindo um premiado documentário sobre o trompetista Chet Baker.
Abriu na Galeria Getty no centro de Londres, uma exposição de fotografias tiradas no clube, em que há imagens de dezenas de grandes nomes do jazz a tocar no Ronnie Scott.
Ronnie Scott, foi um dos grandes saxofonistas da Inglaterra, e seu sócio, também saxofonista, Peter King, fundaram o clube em um subterrâneo na Gerrard Street, distrito do Soho, em Londres, em 30 de outubro de 1959, e realizando um sonho antigo.
Em 1965 o clube mudou seu local para o atual em Frith Street, ainda no Soho e hoje a rua é sinônimo de jazz.
Muitos anos antes, Scott muito jovem viajou junto com outros músicos britânicos para Nova York, onde eles puderam ouvir Charlie Parker, Dizzy Gillespie e Miles Davis, nos anos em que esses pioneiros foram lançando as bases do revolucionário "jazz moderno" .
Essa impressão sobre os jovens britânicos, resultou  em seu retorno que estes mesmos se tornaram pioneiros do bebop na Grã-Bretanha e Ronnie Scott forjou a ideia de criar um clube onde estas novas formas de expressão musical poderiam ser liberadas.
Isso foi quase a uma década mais tarde, quando o próprio Ronnie Scott e outros britânicos como Peter King, Tubby Hayes e John Dankworth já haviam sido lançados como expoentes do jazz moderno dentro e fora da Grã-Bretanha.
"Foi um sonho tornado realidade", lembra Peter King:  ─ "as sementes que foram plantadas em Nova York finalmente germinaram em Londres e nosso clube desde então se tornou a casa do jazz moderno para todos os músicos, britânicos e não britânicos em passagem por lá".
Ronnie Scott também foi membro e solista da lendária orquestra de jazz internacional Clark Terry- Francis Boland.
Durante décadas Ronnie Scott foi mestre de cerimônias no seu próprio clube quando não estava em excursões musicais. Ele também tocou lá com seus quintetos e sextetos e piadas relacionadas à música foram igualmente famosas no mundo do jazz. Devido à sua reputação, no clube Ronnie Scott tem sido feitos muitos vídeos de música, filmes, TV e rádio. Em reconhecimento a isso, em 1981 Ronnie Scott recebeu da rainha Elizabeth a condecoração OBE honorária (Ordem do Império Britânico) pelos "seus serviços ao jazz e à cultura" na Grã-Bretanha.
Scott morreu de repente em dezembro de 1996, com 69 anos de idade. Seu parceiro Peter King seguiu com o clube, que foi vendido para o empresário artístico Sally Greene em 2005, que manteve o nome do clube, mas com uma renovada e deu-lhe uma nova dinâmica musical e de negócios.
Apesar da recessão econômica na Grã-Bretanha, o Ronnie Scott parece ter passado sem maiores problemas. O proprietário, Sally Greene, tem uma boa reputação como empreendedor e  também comprou e economicamente salvou o famoso teatro Old Vic, em Londres há alguns anos atrás.
O único problema relatado por alguns é que a entrada para o clube é extremamente cara, e os preços de alimentos e bebidas também.
Outro aspecto que é criticado é que em tempos de Ronnie Scott atuaram músicos no clube por uma ou mais semanas, ao passo que agora as suas apresentações têm entre um e três dias, no máximo.
Em tempos de Ronnie Scott uma única entrada servia para a noite inteira, que incluia duas apresentações de músicos. Hoje, a entrada é para um ou outro set, mas não mais ambas as apresentações.

De qualquer forma, o clube de jazz Ronnie Scott está funcionando e seu proprietário deverá manter o lugar mais importante do jazz na Europa por muitos anos

Nenhum comentário: