Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Luiz Carlos Antunes (Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), , Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).

BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

UM ACUMULADOR DE RECORDS

18 fevereiro 2015


Dia 17 de fevereiro, teria feito 92 anos um dos clarinetistas mais influentes da segunda metade do século passado, Buddy DeFranco, que infelizmente morreu em 24 de dezembro do ano passado.
Este músico tem a seu crédito uma impressionante lista de prêmios, alguns registros da história do jazz: 20 prêmios da revista Down Beat, 9 pela revista Metronome e 16 "All Stars"  da Playboy, e um elevado número de prêmios acadêmicos e outros (incluindo a indústria fonográfica). 
A êle é creditado ter trazido o balanço ao bebop (e pós-bop), ao clarinete com impressionantes habilidades técnicas e criativas que influenciaram muitos clarinetistas posteriores. Nos anos 50, ele tocou com o famoso Count Basie Septeto. Assim fez com muitos grandes nomes do jazz, incluindo Gene Krupa, Charlie Barnet, Oscar Peterson e Art Tatum, um dos poucos clarinetistas be-bop a ter gravado dezenas de álbuns sob seu nome ao longo de mais de cinco décadas. DeFranco permaneceu musicalmente ativo durante os últimos anos de sua vida.

(adaptado do Noticiero de Jazz)

3 comentários:

APÓSTOLO disse...

Estimado MÁRIO JORGE:
Sem dúvida um dos grandes e que nos legou obra gravada/filmada da maior importância.
Lamentamos, mas agradecemos por tudo o que ele nos deu de alegria.

Tibau disse...

Major
Certamente é um dos meus preferidos. Uma perda lamentável.
Abç

Nelson disse...

Mário,

Os discos de DeFranco com Terry Gibbs e com o Art Blakey, é "matéria" imperdível.
O homem partiu, mas a obra deixada em vida é um registro permanente de sua arte, no instrumento e no estilo.

Um abraço.
"Nels"