Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Luiz Carlos Antunes (Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), , Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).

BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

ADEUS A CLARK TERRY, GENIAL GIGANTE DO JAZZ

22 fevereiro 2015

COM A ESPOSA GWEN TERRY
O virtuoso trompetista, compositor, educador e pioneiro do flugelhorn Clark Terry morreu ontem à noite com a idade de 94 anos em um hospital, onde passou os últimos dias de uma longa doença de diabetes, cercado por sua família, amigos, colegas e alunos. 
Terry foi um dos grandes inspiradores e influentes no mundo do jazz durante uma carreira que durou sete décadas (Miles Davis e Quincy Jones disseram ter sido influenciado por ele). Ele tocou com as figuras mais importantes do jazz, centenas de grandes músicos. 
Compôs mais de 200 temas de jazz, tocou para sete presidentes dos Estados Unidos, fez inúmeras turnês internacionais, e tocou com grandes grupos como a Orquestra Sinfônica de Londres e a Holandesa  Metropol. Tem a seu crédito dezenas de prêmios acadêmicos e honras. Sua discografia abrange cerca de 200 álbuns e escreveu 14 livros.
A título de comparação, existem mais de 900 sessões de gravação registrados com Terry, enquanto Armstrong tem 620.

Terry Clark nasceu em St. Louis, Missouri, em dezembro de 1920, o sétimo de 11 filhos. Sua mãe morreu muito jovem e Clark passou as agruras da pobreza por um longo tempo. Diz a lenda que quando criança construiu um “horn” utilizando uma mangueira e um funil. A música tornou-se um alívio nesta vida dura. Mais tarde, ele conseguiu estudar música e se tornar um profissional. Os anos que passou na década de 40 e início dos anos 50 com as orquestras de Count Basie e Duke Ellington marcou-o como um dos grandeS no trompete e com estilo bop de improvisar muito pessoal. 
Sua técnica e versatilidade permitiu-lhe tocar facilmente o hardbop, então ao final dos anos 50 já era considerado um dos "gigantes" do trompete e também foi um pioneiro e fanático do flugelhorn. 
Depois de deixar a Orchestra de Ellington  se tornou o primeiro músico Afro-Americano que atuou nas orquestras da NBC (National Broadcasting Corporation), onde começou uma carreira de sucesso em programas de televisão. Logo ele começou a ensinar aos jovens músicos, e a atividade continuou até seus últimos dias. 

Em 1994, Clark Terry criou o Instituto Internacional de Estudos de Jazz em uma Universidade de Iowa, onde ano passado, ele recebeu o título de Doutor Honorário, tíotulo que foi adicionado a duas outras universidades. 
Em 2010 ele foi premiado com o Grammy para o "Lifetime Achievement". Em 2012 ele publicou sua autobiografia. 
Hoje Christian McBride escreveu no Facebook: "Quem conheceu Clark Terry melhorou como pessoa, pelo simples fato de tê-lo conhecido".
(Adaptado do Noticiero de Jazz de Pablo Aguirre)

4 comentários:

APÓSTOLO disse...

Estimado MÁRIO JORGE:
Perde-se um dos "GRANDES" do JAZZ, mas que nos deixou farto e excelente legado.
Sobre todas as suas qualidades tecnicas, lembramos que foi um mestre na "respiração circular".
Figura humana da mais alta qualidade.

Anônimo disse...

grande, enorme perda, mas com 94 anos! já nos deu tudo de bom que podia. Que Deus o tenha!!
Carlos Lima

Nelson disse...

Mais um que produziu tudo de bom e genial na arte do jazz que tinha consigo e, deixou-nos em legado.
História,esmero no instrumento,linguajar jazzistico,obra gravada,ao longo de mais de 90 vividos e, deixa grandes momentos recordáveis de sua "passagem na senda do jazz".
Que DEUS o receba em paz.

"Nels"

Tibau disse...

Lamentável a perda do grande musico Clark Terry. Não me lembro de ter ouvido nada de ruim dele. Não me lembro de ter criticado alguma gravação que ouvi deste gênio. Só nos resta agradecer pelas obras que ele nos deixou e desejar muita paz.
Abraço