Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Luiz Carlos Antunes (Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), , Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).

BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

ALGUMAS POUCAS LINHAS SOBRE A GUITARRA E OS GUITARRISTAS - 19

28 abril 2014

EVERETT  BARKSDALE foi um guitarrista norte-americano que teve participação em incontáveis gravações com consagrados músicos de JAZZ “top”, a saber e entre outros:    Henry "Red" Allen, Art Tatum, George Barnes, Cozy Cole, George Duvivier, Louis Armstrong, Sidney Bechet, Big Sid Catlett, Al Hirt, Ernie Hayes, Milt Hinton, Lena Horne, Billy Kyle  e  Dave McRae, apenas como exemplos.
Por essa plêiade de músicos que acompanhou, fica patente sua estreita ligação com as principais mecas do JAZZ (New Orleans, Chicago, New York), seja por seu berço de nascimento, já seja pela origem dos músicos com quem tocou.
EVERETT  BARKSDALE  nasceu em Detroit, estado de Michigan, em 28 de abril de 1910, tendo vivido por 75 anos e vindo a falecer em Inglewood, estado da Califórnia, no dia 29 de janeiro de 1986.
Desde cedo dedicou-se aos instrumentos de corda:  contrabaixo (sua primeira “paixão” instrumental, com a qual voltaria e encontrar-se no final da década de 1950), piano e violino.   Em formações das quais participou em sua cidade natal  apresentava-se com a guitarra, algumas vezes com o contrabaixo, principalmente em salões de baile.
Com pouco mais de 20 anos incorporou-se em Chicago à banda de Erskine Tate (violinista e multi-instrumentista nascido em Memfis, no Tenessee, e que liderou sua  “Erskine Tate’s Vendome Symphony Orchestra” para apresentações no “Vendome Theatre”).     A importância dessa banda pode ser avaliada pelo fato de nela ter  atuado Louis Armstrong em 1926, assim como por ela terem desfilado Freddie Keppard, Buster Bailey, Eddie South, Omer Simeon e tantos e tantos outros.
Em 1932 integrou a orquestra de Clarence Moore, apresentando-se no “Grand Terrace Hotel”.
Participou do conjunto do violinista Eddie South, com o qual excursionou em 1937 para apresentações na Europa.
Em 1940 foi contratado pelo grande Benny Carter para sua “big-band”.    Vale citar que o grande Benny Carter (Bennett Lester Carter, multi-instrumentista = sax alto, clarinete, trompete e piano = compositor e arranjador), dedicou-se mais constantemente ao sax-alto com sonoridade e fraseado inconfundíveis, viveu de 08 de agosto de 1907 até 12 de julho de 2003, portanto a ponto de completar 96 anos e ainda, imediatamente antes de  seu falecimento, em atividade.   
Gravou em 1941 com o grande Sidney Bechet.
Seguidamente EVERETT BARKSDALE participou de diversas formações: em 1942 nas de Herman Chittison (com a qual gravou diversos discos), Buster Browne e   Leon Abbey;    foi membro fixo durante um ano e meio da orquestra de estúdio da rádio CBS, como membro do grupo de trabalho para os “Jubilaires” no “Arthur Godfrey Show” (de 1942 a 1944) para, em 1944, atuar nas formações de Cliff Jackson e Lester Boone, além de manter grupo próprio com atuações esporádicas (isso já em 1945).
No período de 07 anos de 1949 até 1955 BARKSDALE participou de trio com o piano de Art Tatum e o baixo de Slam Stewart.  
Ainda assim e entre 1950 e 1952 BARKSDALE teve oportunidade de integrar grupos que acompanharam a “Primeira Dama” Ella Fitzgerald, destacando-se como integrante da “cozinha” da banda de Sy Oliver ao lado de Hank Jones e Ray Brown (uma delícia ouvir a versão de Ella para o clássico de Harold Arlen e Koehler “I’ve Got The World On A String” em 1950, assim como a de “Angel Eeyes” de Brent e Dennis” em 1952), com destaque para seu acompanhamento do duo Ella / Louis Armstrong em 1950, também com Hank Jones e Ray Brown.. 
 Logo após integrar o trio com Art Tatum e Slam Stewart e em 1956 BARKSDALE tornou-se o diretor musical do grupo vocal “The Ink Spots” e de Billy Kenny, com os quais realizou temporadas na Europa e no Canadá. 
Ao regressar aos U.S.A. voltou a trabalhar por breve período com o grande pianista Art Tatum, que veio a falecer em 05 de novembro de 1956.
BARKSDALE retornou, então, aos estúdios de gravação da “Big Apple”, onde reencontrou à sua mencionada primeira paixão instrumental, o contrabaixo, já agora em versão elétrica.   É com o contrabaixo que alinhou na formação de Buddy Tate, no período de 1958 a 1959.
A partir daí passa a apresentar e a gravar tanto na guitarra quanto no contrabaixo, assim como para os estúdios de rádio quanto para os de televisão, via-de-regra em pequenos grupos.
Ainda que fosse um “virtuose” na guitarra e possuidor de técnica superior, EVERETT BARKSDALE dificilmente fazia alarde de seus dotes à guitarra,  mesmo nos períodos em que alinhou ao lado de Art Tatum, que era um super dotado e capaz de soar como se 02 pianistas fosse.    
BARKSDALE possuía uma sonoridade atraente (som de guitarra “sem água”), fraseado íntegro, no sentido de belo e sem excessos;  basicamente e tal como Freddie Green um acompanhante, um suporte de pulsação firme;   nas gravações em que podemos ouví-lo nos seus raros solos (particularmente em cálidos “blues”), nos deparamos com perfeita correção estrutural e equilíbrio.
Destaques para as gravações de 1941 com Sidney Bechet (“Strange Fruit” e “Mood Índigo”), as de 1952 com Art Tatum (“Out of Nowhere”, “Indiana” e “Just One Of Those Things”) e, ainda com Joe Thomas em 1958 (“Blues For Baby”)
É importante ouvir a qualidade de “sideman” de BARKSDALE no CD clássico “Henry ‘Red’ Allen World On A String”, contendo faixas gravadas em New York (21 e 27/março e 10/abril de 1957, selo econômico da RCA, “Bluebird”) com um seleção de “craques”:  Henry “Red” Allen ao trumpete, J.C.Higginbothan no trombone, Buster Bailey no clarinete, Coleman Hawkins no sax.tenor, Marty Napoleon no piano, EVERETT BARKSDALE na guitarra, Lloyd Trotman no baixo e Cozy Cole à bateria.   Nessa gravação temos 11 faixas, com destaque especial para o belíssimo  clássico de Green e Heyman “I Cover The Waterfront”, abertura com BARKSDALE que permanece apoiando todos os solos harmonicamente, seguindo-se solos de “RED” com o tema, de MARTY NAPOLEON ao piano e retorno de “RED” para uma aula de trumpete com técnica, emoção e domínio de todos os registros:  uma grandeza ! ! ! 
Logo após e completando os 8’25” da gravação, COLEMAN HAWKINS nos brinda com sua sonoridade encorpada, com intervenção de “RED” nas alturas para uma “coda” que vale por um curso superior de trumpete..
Além das gravações indicadas anteriormente e de ter deixado sua marca em registros com Dickie Wells, Buddy Tate, Rex Stewart, Sarah Vaughan, Chris Connor e Dinah Washington, outras gravações de BARKSDALE para serem ouvidas, são:
 
  • Louis Armstrong:  Louis And The Good Book, Universal, 1957–58;
  • Chet Baker: Verve Jazz Masters 32,  Verve, 1955–65;
  • Sidney Bechet: Classics, 1941-1944;
  • Benny Carter: 1940-1941, Classics;
  • Edmond Hall: 1944-1945, Classics;
  • Johnny Hodges: Jazz Masters 35, Verve, 1951-1967;
  • Billie Holiday: The Complete Original Decca Recordings Decca, GRP, 1944-1950;
    Jimmy Rushing And The Buck Clayton All-Stars: CBS / Fresh Sound, 1960;
    Maxine Sullivan: 1941-1946: Classics;
    Art Tatum: The Complete Capitol Recordings, Capitol, 1949-52;
  • Clark Terry and Chico O'Farrill : Spanish Rice, Impulse!, 1966;
  • Eddie South: 1923-1937 (Classics) Eddie do Sul: 1923-1937, Classics.

     Retornaremos à guitarra e aos guitarristas em próximo artigo
            apostolojazz@uol.com.br

Nenhum comentário: