Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Luiz Carlos Antunes (Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), , Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).

BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

MORREU DAVE BRUBECK !

05 dezembro 2012

A notícia triste que comoverá todo o mundo do Jazz foi a morte do pianista Dave Brubeck, ocorrida hoje. Brubeck completaria 92 anos amanhã e faleceu em conseqüência de uma parada cardíaca quando se dirigia para uma consulta médica acompanhado por um de seus filhos. Desnecessário falar sobre sua carreira, seus  sucessos e a grande idéia de divulgar o Jazz nas universidades. O piano está de luto.

9 comentários:

MaJor disse...

Com certeza uma grande perda, foi um baluarte na divulgação do jazz, com estilo próprio, ao tocar coisas simples e experimentar métricas pouco usadas, muita personalidade. Take Five é um marco e será eterno sem dúvida.

Anônimo disse...

Brubeck, quando chegar no céu. Take Five !

Manim

Beto Kessel disse...

mesmo que nao sabe o que e Jazz nem sabe quem foi Dave Brubeck, com certeza ja deve ter ouvido Take Five.

A questao de divulgar o Jazz nas universidades e bem relevante..Trabalho de um verdadeiro educator a servico da boa musica.

Beto

Nelson disse...

Todos que o ouviram, ou também o viram, devem ao Dave esse derradeiro aplauso. Brubeck conseguiu levar o jazz à juventude universitária às nossas coleções de discos de jazz, aos nossos corações.

Thank you Dave. May God Bless you, wherever you are.

"Nels"

José Domingos Raffaelli disse...

Caros confrades,

Dave Brubeck foi um dos mais educados seres humanos que conheci em minha vida, assim como sua esposa Iola e seus três filhos que vieram com ele tocar na Escola Nacional de Música.

Para terem uma idéia da educação e cordialidade dele, quando terminava suas apresentações na Escola Nacional de Música, ele saía correndo pelo fundo do palco, abria uma porta que dava para um corredor estreito ao lado do prédio e corria para a entrada principal da Sala a fim de agradecer aos espectadores por terem comparecido ao seu concerto!

Por aí temos uma idéia da educação e do carater desse músico que marcou sua passagem pelo jazz portando-se com dignidade, honestidade e respeito ao próximo.
Keep swinging,
RAF

MauNah disse...

Ontem num táxi, captei no Twitter a notícia, de um site estrangeiro, da morte do Brubeck. Dali mesmo, via email - não perguntem como mas funciona - postei a nota, para posterior aprofundamento.
Aí, abri o site para ver se tinha aparecido como deveria, apenas para ver que estava atrasado e que nosso Mestre Llulla - o bom -, já havia feito o registro.
Daqui meu forte abraço pra ele, que está sempre em cima do lance.

Bem quanto ao Brubeck, nada há o que comentar além do que já se disse, apenas que até hoje não encontrei NINGUÉM que não goste de suas obras-primas. Que haja um piano onde quer que ele vá, onde possa mandar ver numa "It's a Raggy Waltz" (minha predileta) e alegrar as almas vizinhas assim como sempre faz com as nossas.

Que descanse em paz. Clap, clap, clap.

Raul disse...

Incrível ver cenas no vídeo: " A História do Jazz ", onde aparece o Brubeck chorando referindo se as covardias perpetradas pelos brancos aos negros nos EUA. Grande Alma vai ao encontro da Suprema Luz! Tomara que encontre com o Hobsbawm para apontamentos sobre a contemporânea cena "jazzística".

MaJor disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
MaJor disse...

Raul, exatamente, tenho este vídeo e uma passagem que me deixou tb com lágrimas nos olhos foi quando conta que um músico negro seu amigo foi e voltou da 2a. guerra e foi impedido de entrar e comer em um restaurante de sua cidade. Êle comenta: " arriscou a vida por este país pelo povo branco na sua maioria e agora não o deixam sequer comer em um restaurante"