Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Luiz Carlos Antunes (Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), , Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).

BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

BELO ARTIGO DO MESTRE LOC

06 setembro 2012

Vai aqui a transcrição de recente artigo do Mestre LOC na edição on-line do Jornal do Brasil, sobre nosso mais famoso e competente baterista expatriado, e seus incríveis companheiros de boa música interplanetária.

Duduka da Fonseca em novo CD, sempre na batida do ‘samba jazz’
por Luiz Orlando Carneiro

O mestre da bateria Duduka Da Fonseca, carioca radicado em Nova York desde 1975, músico de expressão no mundo do jazz, volta a esta coluna em função de mais um belo CD, como sempre em ótima companhia.
No recém-lançado Samba jazz-Jazz samba (Anzic), ele comanda um quinteto integrado pela cada vez mais aclamada clarinetista-saxofonista Anat Cohen e pelos brasileiros (também nova-iorquinos) Hélio Alves (piano), Guilherme Monteiro (guitarra) e Leonardo Cioglia (baixo).

A associação de Duduka com a israelense (também nova-iorquina) Anat não é nova. São amigos, tocam juntos há muito tempo, e já gravaram com o mesmo time, em 2005, Samba jazz in black and white (Zoho). Uma das donas do selo Anzic, Anat promoveu em estúdio esse reencontro, no qual o líder continuou explorando temas de autoria de músicos brasileiros (em oito das 10 faixas), sem deixar de selecionar duas “gemas” do repertório eminentemente jazzístico — Blues connotation, de Ornette Coleman, e The peacocks, do saudoso pianista Jimmy Rowles (1918-96).

Os demais membros do quinteto já estão, há mais ou menos tempo, na “primeira liga” do jazz nova-iorquino. Principalmente Hélio Alves, cujo último registro, o álbum Música (JLP, 2010) — em trio com Antonio Sanchez (bateria) e Reuben Rogers (baixo) — foi muito elogiado pelos reviewers, incluindo o severo Robert L. Doerschuk (Downbeat), para quem o pianista se distingue por três qualidades básicas: “sutileza, musicalidade e extraordinária facilidade de improvisar”.

Os mesmos predicados devem ser atribuídos ao guitarrista Guilherme Monteiro, 41 anos, dos quais mais de 10 nos Estados Unidos. Destaque, no seu currículo, para o disco Jazz & bossa (Blue Note, 2008), em que atua como sideman do grande baixista Ron Carter, ao lado de Stephen Scott (piano) e Javon Jackson (sax tenor).

O baixista Leonardo Cioglia, por sua vez, formou-se no renomado Berklee College of Music de Boston, e apresentou suas credenciais no CD Contos (Quizamba, 2009), no qual assina uma série de 10 peças, interpretadas com o concurso de músicos emergentes do nível do saxofonista John Ellis, do guitarrista Mike Moreno e do baterista Antonio Sanchez.

No novo álbum "Samba jazz-Jazz samba" — na verdade, mais jazz com molho de samba do que o inverso — o quinteto de Duduka da Fonseca improvisa a partir dos seguintes temas de autores brasileiros: Depois da chuva (5m15), envolvente melodia de Dom Salvador, tratada em tempo médio; Sabor carioca (4m15), do saxofonista Raul Mascarenhas, com introdução-solo de 40 segundos da bateria do líder; Rancho das nuvens (4m35), joia raramente lembrada de Tom Jobim; Dona Olímpia (5m40), de Toninho Horta; O guaraná (7m30), Melancia (8m20) e Obstinado (6m40), dos pianistas Alfredo Cardim, Rique Pantoja e Haroldo Mauro, respectivamente; Flying over Rio (5m25), original de Duduka.

Na última eleição anual dos críticos de jazz promovida pela revista Downbeat (edição de agosto), Anat Cohen foi eleita a clarinetista nº 1, derrotando os barbados Don Byron, Paquito D’Rivera e Ken Peplovski, e venceu também o páreo dos rising stars na categoria dos saxofonistas tenores.

Em Samba jazz-Jazz samba ela toca clarinete — que sempre foi o seu primeiro instrumento — nas langorosas Rancho das nuvens e Dona Olímpia. Nas demais, ela brilha no sax tenor, sobretudo em Blues connotation (4m20), numa irresistível versão sambada da peça de Ornette Coleman.

Nenhum comentário: