Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Luiz Carlos Antunes (Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), , Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).

BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

GLENN MILLER ETERNO

10 janeiro 2012




Apesar de terem se passado 65 anos de sua morte, Glenn Miller continua vivo através de um estilo que criou e que é preservado hoje pela “The Glenn Miller Orchestra”,sob a direção de Ray McVay. A orquestra evidentemente mantém no repertório os clássicos imortalizados pela banda original, tocando os mesmos arranjos que encantaram gerações. É o som de uma época, os românticos anos 40, trazendo em seu bojo a segunda grande guerra, que de certa forma marcou o som de Miller que através de sua banda militar tocou para as tropas americanas e inglesas na Europa.
A “Glenn Miller Orchestra” tem atuado em muitos eventos, tocando nos Festivais de Jazz de Edinburgo e Glasgow, no Royal Festival Hall, no Palácio de Versailles, no Castelo de Windsor, no Centro de Congressos de Avade, Portimão e no Jazz Algarve em Portugal.

Um comentário:

APÓSTOLO disse...

Mestre LULA:

O "som" da máquina de Glenn Miller é eterno e marcou toda uma geração. Claro que mesmo com a identidade dos arranjos e a correção técnica da execução, não pode ser repetida uma "época", mas podem ser identificadas a classe, a beleza e o que então foi criado (o que aliás você bem descreveu em entrevista para programa de televisão).
Vida eterna para o "som" de Glenn Miller.