Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Luiz Carlos Antunes (Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), , Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).

BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

COLUNA DO LOC

22 agosto 2010

JB, Caderno B, 22 de agosto
por Luiz Orlando Carneiro


AS ESTRELAS do 9º Festival Tudo é Jazz foram finalmente confirmadas, e vão iluminar Ouro Preto nas noites de 16, 17 e 18 de setembro. Em programação tripla (sets às 20h, 22h e meia noite) estarão no Salão Diamantina do Parque Metalúrgico jazzmen e jazzwomen de gerações tão diversas como o pianista Eldar Djangirov, 23 anos, ex-garotoprodígio, e o lendário vocalista Jon Hendricks, já próximo dos 80; a baixista-revelação Linda Oh, 26, e a cinquentona Nnenna Freelon, cantora influenciada tanto por Sarah Vaughan como por Nina Simone; os notáveis Irmãos Cohen (Anat, Avishai e Yuval), todos na faixa dos 30, e o consagrado Jon Faddis, 57, herdeiro estilístico de Dizzy Gillespie; o portorriquenho Miguel Zenón, 34, o novo “gênio” do sax alto, e a virtuose do violino Regina Carter, 44.

Na abertura do festival, o trio de Eldar (Ludwig Afonso, bateria; Armando Gola, baixo) terá como convidado muito especial o saxofonista maior Joshua Redman, e esperase que o líder não se empolgue tanto com os efeitos sônicos como nos seus dois últimos CDs. Linda Oh vem logo a seguir com um trio bem f re e , formado por Avishai Cohen (trompete) e Obed Calvaire (bateria). O vocalista-pianista Freddy Cole – o irmão mais novo (78 anos) de Nat King – fecha o programa do dia 16.

Na noite seguinte (uma sexta-feira), o m e nu é requintado: o sexteto dos Cohen (Anat, clarinete, sax tenor; Avisahi; Yuval, sax soprano) com Aaron Goldberg (piano), Jonathan Blake (bateria) e Matt Penman (baixo), num tributo temático a Louis Armstrong; Regina Carter e o grupo de seu recente álbum Reverse thread, pleno de ressonâncias africanas; o quarteto do baterista Antonio Sanchez, com Miguel Zenón, David Sánchez (sax tenor) e Hans Glawishnig (baixo).

Na última noite, a festa tem Nnnenna Freelon, a Família Hendricks e Jon Faddis (escoltado pelos também primorosos pistonistas Terell Stafford e Sean Jones).

4 comentários:

Anônimo disse...

alguem tem noticias da possivel apresentação de alguns artistas do festival aqui no RJ?
abs

figbatera disse...

Caro Guzz,
na programação divulgada pelo site do Festival constam 4 (QUATRO) e não 3 (três) shows por noite, como vc postou aqui; a menos que vc tenha considerado apenas as atrações "de fora", né?
De qualquer forma, e eu já havia comentado aqui mesmo por ocasião de eventos anteriores, acho extenuante essa maratona de shows, encarecendo tb o custo do festival.
Ficaria muito mais "palatável" se fossem 2 shows por noite, barateando os ingressos e podendo até apresentar um pequeno show de "abertura" com uma banda nacional. Essa é minha opinião. Por experiência anterior, pagando caro (eu acho) e não tendo pique pra aguentar quase 8h (com pequenos intervalos) de shows, eu, que estava animado, até mandei cancelar minha reserva no hotel e desisti de comparecer desta vez. Tenho esperança de que um dia mudem esse "esquema".

figbatera disse...

Retificando: Guzz, me dei conta de que vc apenas transcreveu a coluna do LOC; então, o "engano" é dele, né?
Me desculpe. Um abração.

Guzz disse...

pois é olney,
eu to quase desistindo também !

realmente são 4 shows por noite, o primeiro show é uma atração nacional em todas as 3 noites - violonista Gilvan de Oliveira, Rabo de Lagartixa com Daniela Spilman e a cantora Marina Machado e banda.

abs,