Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Luiz Carlos Antunes (Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), , Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).

BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

MUSEU DE CERA # 65 - SÉRIE VINIL (3)

21 novembro 2009


JIMMY YANCEY............................................................NATTY DOMINIQUE..............................................FRANK TESCHEMACHER

Série dedicada a LPs reeditados digitalmente em computador.

ÁLBUM: HISTORY OF CLASSIC JAZZ – RIVERSIDE (RLP 12-1131- 1956)


Selecionamos do volume V – Boogie Woogie:
O Boogie é uma variação pianística do Blues originada no início do século 20 que se tornou muito popular na década de 30 ultrapassando os limites do piano para ser reproduzido até por orquestras inteiras. Nesta coleção 5 faixas foram gravadas por exímios pianistas de Boogie e escolhemos um dos clássicos do repertório ― The Fives da dupla texana George & Hersal Thomas publicado em 1922 e executado pelo excelente Jimmy Yancey (1898 -1951) um dos mais autênticos intérpretes dos Blues e boogies ao piano.
Do volume VI – South Side Chicago:
South Side representa para Chicago o que o Harlem é para New York, um bairro negro e o Jazz ali executado pertenceu ao estilo levado àquela cidade pelos músicos negros de New Orleans na debandada de Storyville a partir de 1917. O que escolhemos deste álbum foi o que se pode chamar de estilo low down, ou seja expressão usada como gíria pelos negros cantores e instrumentistas de Blues significando interpretar uma canção de maneira lenta, desanimada quase desprezível, no caso magnificamente alcançada pelo trompete assurdinado de Dominique e o "chalumeau" de Jimmy O'Bryant. O tema com título irônico é ― Mama Stayed Out the Whole Night Long (But Mama Didn't Do No Wrong) ― "mamãe passou a noite toda fora, mas não fez nada de errado".
Do volume VII – Chicago:
Bem, se os negros em Chicago tiveram seu estilo os músicos brancos de lá também adotaram a hot-music criando um o qual foi denominado de Dixieland.
O que escolhemos foi China Boy um clássico dixie. O grupo é liderado por Charles Pierce pouco conhecido, um saxofonista amador com profissão de açougueiro. Pierce tocava saxofone alto e tenor e de 1927 a 30 liderou pequenos grupos para gravações em Chicago. O conjunto tem boa sustentação garantida pelo trompete de Spanier e pelo clarinete de Teschemacher. A parte rítimca conta com Muller no estilo slap bass, literalmente bofetada ou tapa e vem nomear um velho estilo dos contrabaixistas de Jazz que usavam percutir as cordas na madeira do instrumento quase que estapeando-as, ou seja exagerando no pizzicato. É um estilo surgido em New Orleans a partir do trabalho desenvolvido por Bill Johnson e muito bem empregado por Mueller.
1. THE FIVES (George & Hersal Thomas) – JIMMY YANCEY - piano solo
Gravação original (Solo Art 12008 – mx R2418) – 4/maio/1939 – Chicago
2. MAMA STAYED OUT (Daniel Wilson / Andy Razaf) – BARRELHOUSE FIVE – Natty Dominique (tp), Jimmy O'Bryant (cl), Jimmy Blythe (pi) e Jasper Taylor (bat).
Gravação original (Paramount 12851 – mx 1515) – março /1928 – Chicago
3. CHINA BOY (Dick Winfree / Phil Boutelje) - CHARLES PIERCE ORCHESTRA – Muggsy Spanier e Dick Feige cornets, Frank Teschemacher (cl), Ralph Rudder (st), Charlie Pierce (sa), Danny Lipscomb (pi), Stuart Branch (gt), Johnny Mueller (bx) e Paul Kettler (bat).
Gravação original (Paramount 12619 – mx 20399-1) – fevereiro / 1928 – Chicago





Tempo total: 9min

3 comentários:

APÓSTOLO disse...

Grande MÁRIO:

Retorno em grande forma, com 03 pérolas.

Eles sabiam tudo ! ! !

Érico Cordeiro disse...

Repito a máxima socrática, meu caro MaJor: tudo que sei é que nadica de nada sei.
Mas estou aprendendo e seus posts são absolutamente fundamentais.
Continue assim, pois creio que ainda há muito por conhecer!!!
Abração!

John Lester disse...

Mestre MaJor, obrigado pela primorosa seleção. Mas é preciso informar que mamãe aprontou muito naquela noite.

Grande abraço, JL.