Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Luiz Carlos Antunes (Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), , Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).

BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

GUITARRISTAS, JAKE LANGLEY

22 abril 2009

Pouco se fala sobre guitarristas por aqui, e por ali também. Então vou colocar em foco alguns destes brilhantes músicos que sempre aparecem como sideman e geralmente “roubam a cena” como é o caso de Jake Langley.
Pois é, e quem viu a apresentação do Joey deFrancesco no Tim Festival pelas nossas praias sabe do que estou falando e aposto que ficou questionando quem era aquele albino de cabelo ruivo abraçado a uma Gibson Birdland com um timbre e fraseado impecáveis. E o cara chegou ao grupo de Joey deFrancesco para substituir o colega Paul Bollenback, e veio pra ficar.

Jake Langley é canadense e possui 4 discos solo, em todos sempre acompanhado pelo groove de um Hammond ao estilo que classificamos como organ trio cujo formato teve muito destaque nos 60' geralmente liderado pelo Hammond de Jimmy Smith ou pela guitarra de Grant Green.
E uma das grandes gravações deste formato foi com McLaughlin, deFrancesco e Elvin Jones em tributo a Coltrane no disco intitulado "Take the Coltrane", vale conferir.

Jake Langley tem o swing na guitarra, como poucos, sua técnica reflete o blues com a destreza de um Kenny Burrell e uma forte influência de Wes Montgomery, como todos os grandes guitarristas que fluem pela praia do jazz, e o mais desafiador que é tocar em uptempo, não é pra qualquer um.

Wynton Marsalis disse certa vez que guitarra não é instrumento pro jazz argumentando que é um músico de sonoridade acústica e a guitarra exige amplificação justificando a ausência do instrumento em sua música, assim como para o jazz. Até onde Wynton tem razão ?

2 temas na radiola -
Gibraltar (Joey DeFrancesco no Hammond e Terry Clarke bateria);
Jingles (Joey DeFrancesco no Hammond e Byron Landau bateria);

Som na caixa !

6 comentários:

edú disse...

O nome do guitarrista – pelo q sei – é Paul Rollenback.O nome do disco em homenagem ao Coltrane com McLaughlin,Elvin Jones e De Francesco – da mesma forma – chama-se After the Rain(1994) com a faixa “Take the Coltrane” (selo Verve).

Guzz disse...

edú, o "oráculo"
o nome do guitarrista é Paul Bollenback com "B" mesmo

o nome do CD trio do McLaughlin, deFrancesco e Elvin Jones realmente é After the Rain, confundi, mas todo mundo entendeu

Abs,

Mau Nah disse...

Guzz, show!

Não conhecia o "freguês" mas já estou na captura. O fraseado do cara coincide com o meu gosto e o som da guitarra é límpido e estimulante. Tava bom pra botar em frente ao nosso querido Vitinho e mandar que eles se bicassem, nénão?

Aliás nosso Biglione e a cantora Jane Duboc estão lançando em CD um Tributo a Ella Fitzgerald, idéia que se firmou após o sucesso da apresentação que fizeram numa das CJUB Jazz Night, produzida pelo BenéX, com esse mote.

Espero que seja um sucesso de vendas e que sirva para abrir mais e mais portas para a juventude entender o que é o jazz de ótima quaalidade.

Abs.

Tenencio disse...

Guzz,
excelente escolha. Na faixa "Gibraltar" esta Terry Clarke um dos bateristas que mais admiro. Ouvindo é facil saber porque. É o baterista da Boss Brass,a big band de Rob Mcconnell.
Caro Pres.,
estou nesse disco do Victor e da Jane. Alias na proxima terça feira, 28/4 na Modern Sound as 19 horas,estarei no Trio do Victor, junto comm Sergio Barrozo, lançando um CD só com composições de Tom Jobim.Lançamento do selo Delira Musica. Otima oportunidade pra colocarmos o papo em dia e os pingos nos is.
Abraços

edú disse...

Gustavo , vc esta correto a respeito do Bollenback, todavia, não apostaria nenhuma nota de três reais nesse seu lado pitonisa de depreender “que todo mundo entendeu”.Prefiro considera-lo sempre esse nobre caráter – o embaixador boa praça do Cjub.Quanto a guitarra , não há melhor noticia da inclusão dos novos conteúdos no blog http://beblogjazz.zip.net/ do professor de guitarra e músico profissional Daniel Nakamura.O rapaz “manja” muito do instrumento e tem a grandeza de repartir seu conhecimento com seus visitantes.

Salsa disse...

Muito bom, Guzz. Uma guitarra bem tocada rouba a cena. Valeu a dica.