Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Luiz Carlos Antunes (Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), , Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).

BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

RENDIÇÃO

17 maio 2007

O blog é de jazz mas pouco tempo atrás incluiu-se a variante “jazz & bossa”. E foi dentro desse contexto que me arrisco a fazer uma resenha sobre o último CD da ótima vocalista Jane Monheit, que, por certo, alguns cejubianos conhecem de perto e ao vivo, já que ela mandou ver no Bourbon Street, São Paulo, e Mistura Fina, Rio. Nascida em 3 de novembro de 1977 – escorpiana em grau e gênero - , Oakdale, Long Island, veio de família musical. O interessante que quando menina estudou clarinete, além de teoria musical. Como vocalista, em 1994, foi aluna de Peter Eldridge – leia-se New York Voices – na Manhattan School Of Music. Em 1998, quase profissional, foi segunda colocada no Thelonious Monk International Jazz Competition. De lá para cá gravou 6 CDs, sempre bem amparados pela crítica. Difícil não reconhecer em Monheit uma das vozes mais bonitas do cenário jazzístico atual. E desde o início de carreira confessa uma ostensiva simpatia pela música brasileira. É o caso de seu último álbum, “Surrender”, lançado agora nos Estados Unidos.
Essa simpatia pela nossa música vem agora recheada pelas presenças de Sérgio Mendes, arranjos e teclados, Ivan Lins, teclados, arranjos e vocal, e Paulinho da Costa, percussão. Outros conceituados músicos participam do projeto, como Toots Thielemans (harmônica), o argentino Jorge Calandrelli (produção e arranjos), Alphonso Johnson (contabaixo), Dave Carpenter (contrabaixo), Gary Foster( sax), Ari Ambrose (sax), Rick Montalbano (ex-marido, bateria), entre outros. O repertório é de extremo bom gosto, passando pelo clássico do próprio Sérgio Mendes (So Many Stars), A Time For Love (Johnny Mandel), If You Went Away (Preciso Aprender A Ser Só, Marcos Valle), Só Tinha De Ser Com Você e Caminhos Cruzados (Jobim), Moon River (Mancini), Like A Lover (Dori) e a lindíssima Rio De Maio (Ivan Lins & Celso Viáfora), um momento à parte no CD. Monheit ainda não domina a nossa língua com facilidade. Às vezes isso atrapalha um pouco. Mas como sempre acho que a intenção é que vale, coloco esse constrangimento em segundo plano. O CD, no mínimo, é de certa forma humilhante para nosotros tupiniquins. Difícil ver entre nós um álbum tão bem cuidado, com um varal de cordas, arranjos caprichados, tudo em prol da boa música.

Som na caixa
Jane Monheit - So Many Stars


Nenhum comentário: