Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Luiz Carlos Antunes (Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), , Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).

BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

07 setembro 2014

SONNY ROLLINS COMPLETA 84 ANOS

Por mais de um ano atrás que Sonny Rollins está longe do cenário musical internacional devido às orientações médicas rigorosas, o que tem preocupado muito Rollins nos últimos anos já que incansavelmente percorreu o mundo tocando em festivais de jazz internacionais e em outros lugares.

No mês passado, mostrou-se bem o suficiente para responder fortemente a um artigo da revista NEW YORKER No entanto, sabe-se que o músico está confortável e ativo em sua casa, em um merecido descanso após cerca de cinco décadas em que ele cursou uma carreira como um "gigante" no jazz, cheia de sucessos, prêmios e honrarias. 

O "gigante" do sax tenor Sonny Rollins, respondeu enfaticamente a um artigo publicado no primeiro dia deste mês no "New Yorker", assinado por um Django Gold (possivelmente um pseudônimo), intitulado "Sonny Rollins  em suas próprias palavras ".
No que se tornou quase um escândalo jornalístico, Rollins negou todas e cada uma das reivindicações que o suposto jornalista atribuía a ele em um artigo "satírico". Este repórter escreveu que Rollins disse:
"O saxofone soa horrível. É como um porco assustado"
"É possível que o jazz seja a coisa mais estúpida que já foi inventado"
"A banda toca um tema, mas depois tudo desmorona quando cada músico toca o que quer e pelo tempo que quiser"
"Eu odeio música. Onde eu perdi a minha vida"
"Eu não posso parar esta música. Talvez eu seja um covarde"
(Apenas uma seleção do que  escreveu Django Gold)
Sonny Rollins disse em uma mensagem ao vivo de sua casa, transmitida por webcast. Era evidente que depois disso estava muito chateado e com raiva. Ele contou como havia sido mostrado o artigo e pensou que tinha sido escrito para a revista de humor satírico "MAD", mas quando soube que era a "New Yorker", ele não podia acreditar.
Foi tão ridículo, disse ele, não sabia que alguém poderia escrever ou conceber uma coisa dessas.
 "E menos ainda no caso de uma publicação séria!!
Rollins foi rebater e refutar ponto por ponto o artigo, embora a publicação, dada a controvérsia, tinha afirmado que o artigo era uma sátira e que teria de levá-lo com um sentido de humor. Mas Rollins disse que possui amplo senso de humor, mas este fato foi mais longe e insultou a música que ele ama: jazz.
"Não posso dizer que eu não faço piadas, mas isto não era sobre jazz. Músicos de jazz levam uma vida dura, difícil tentar aceitar que nem todo mundo aprecia a arte e os benefícios da música. Jazz vem sofrendo por isso desde o início, porque quero dar pontapés no cão que caiu?”
A controvérsia continuou na mídia social com pessoas em apoio e condenando o artigo sobre Rollins e outros dizendo que eles lêem apenas  uma sátira e deve que levá-lo com humor. Triste brincadeira!!

(Adaptado do Noticiero de Jazz)

Um comentário:

apostolojazz disse...

Estimado MÁRIO JORGE:
Artigo estúpido, porque mentiroso e com conceitos totalmente distantes dos vividos por um músico sério de JAZZ.
Parece que o "pt" faz escola alhures.