Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Luiz Carlos Antunes (Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), , Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).

BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

08 julho 2013

GEOFF DYER   - TODO  AQUELE JAZZ

Finalmente foi  lançado “Todo aquele Jazz”, de Geoff Dyer, livro a que já nos referimos em post anterior. Lido e aprovado, indico aos apreciadores da matéria. Os “ causos” ocorridos com os músicos , criados sobre fatos reais pela imaginação do autor, nos deixam conhecer mais de perto Duke Ellington, Lester Young, Thelonious Monk, Bud Powell, Ben Webster, Charles Mingus, Chet Baker e Art Pepper.

4 comentários:

Nelson disse...

é uma obra concebida pela metempsicose de Dyer em cada um dos jazzistas focados. É como se fatos reais ocorridos, servissem de base para a introjeção do autor no músico e, a descrição da interiorização dos sentimentos dele. Interessantes as passagens sobre Monk e a loucura de Bud Powell. Vale a leitura, para quem tem uma longa "convivencia" jazzófila com os "personagens" do autor.

"Nels"

sazz disse...

Discordo, acho o livro fraco e principalmente fazendo se valer de novelas como da Globo, esses musicos (fantásticos) não podem ter suas histórias inventadas ao sabor de quem quer que seja.

Nelson disse...

Confrade Sá,

Neste caso, desaconselho, então, a leitura de "No Rastro de Chet Baker" de Bill Moody, da Jorge ZAHAR Editor. E, até também, "Abaixo de Cão" de Charles Mingus,edição portuguesa da Guide. Mas.....acho que valem a pena.

Abçs.
"Nels"

Anônimo disse...

MESTRE:
Ao despedir-me do Rio no domingo passado, encontrei o livro na Livraria da Travessa e trouxe-o para ler em São Paulo.
Pelo "Prefácio" o autor navega entre o real e o romanceado.
Vou conferir.

APOSTOLOJAZZ