Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Luiz Carlos Antunes (Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), , Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).

BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

26 agosto 2011

I LOVE JAZZ


Nos dias 13 e 14 deste mês, tivemos a oportunidade de comparecer às duas últimas apresentações realizadas no Centro Cultural do Banco do Brasil (CCBB), no Rio de Janeiro, do festival de uma semana “I LOVE JAZZ”, onde apresentaram-se, respectivamente, o quarteto do trompetista Jon Faddis e, o sexteto do trombonista John Allred.

As formações contaram com :

JON FADDIS – (tp)
KIYOSHI KITAGAWA – (b)
DAVID HAZENTINE – (p)
DION PARSON – (dr)

JOHN ALLRED (tb)
DANIE BLOCK (b)
LAWRENCE CONRAD (p)
PATRICK O’LEARY (cornet)
RANDY REINHART (dr)
CHARLES MILES ( sax tenor e clarinete)

Jon Faddis não trazia qualquer novidade para quem já o conhecia, fazendo uma homena-gem a Miles Davis e, perpassando por sonoridades do próprio Miles e, de consagrados outros do seu instrumento, como: Fats Navarro, Roy Eldridge e Dizzy Gillespie.
Os temas desfilados foram: “All Blues”; “Someday my Prince Will Come”; “Round About the Midnight”; “Seven Steps to Haeven” (onde fez uma citação completa do tema de Bobby Timmons, “Moaning”) e, “Tin, Tin Deo”, de Gillespie. Como não podia deixar de ser, “deu uma brasileirada”, finalizando com temas seguidos de samba onde Parson, à bateria, expressou tudo que aprendeu de“samba de batucada”, com certeza com Airto Moreira e, ele – Faddis – solos - com Cláudio Roditi, provavelmente. Destaque, na apresentação, para seu excelente pianista David Hazentine, que sabe tudo de jazz.




John Allred faz um “jazz mainstream” com seu grupo, onde o seu baterista Randy Rei-nhart é “puro swing”. Excelente em sua “performance”, aliada às do tenorista Charles Miles e do pianista Lawrence Conrad. Puro jazz, de Chicago e N.York, de fins dos anos 30, inicio de 40, quando o “bop” ainda não tinha “dado as caras” no cenário. Desfilaram temas como “Walking Shoes”, “Moonglow”, “If I Were a Bell”( que é um clássico na interpretação de Miles Davis), improvisaram sobre um “blues” que, infelizmente, não anotamos e, terminaram com o clássico de interpretação de Armstrong, “What a Wonderful Wold”.

Valeu o comparecimento para quem lá esteve, como o nosso velho confrade Renato Perei-ra, a quem aqui agradecemos pelas fotos.

2 comentários:

RENAJAZZ disse...

bem meu caro nelson de john faddis eu não esperava muita coisa pois para mim ele nunca passou do sobrinho querido do dizzi...mas devo resaltar que o trio que veio com ele o pianista eo baterista foram otimos o pianista david hazentine era um velho conhecido das gravações pelo selo criss cross... para mim o grande show do festival foi do trombonista john allred o que eles e seus musicos fizeram para mim, é que eu chamo o jazz que nós gostamos ... mas valeu e eu ja estou na expectativa do festival de jazz de ouro preto de 22 a 25 de setembro e um possível em petropoles 13 a 16 de outubro forte abraço em nome da arta popular maior jazz jazz jazz

APÓSTOLO disse...

Parabéns pela resenha e como é bom e salutar saber que o CCBB tem como ser um "CC".