Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Luiz Carlos Antunes (Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), , Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).

BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

16 novembro 2007

MUSEU DE CERA # 32 – EDDIE CONDON

Eddie Condon foi um dos jovens músicos brancos do jazz de Chicago os famosos Austin High School Gang denominação essa dada a um grupo de estudantes na década de 20 incluindo Jimmy McPartland – cornet, Dick McPartland – banjo e guitarra, Frank Teschemacher – clarinete, Bud Freeman - saxophone, Jim Lannigan - tuba , Dave North – piano e Dave Tough – bateria.
Albert Edwin Condon, nasceu a 16/nov/1905 em Indiana iniciou ao ukelele e depois no banjo com a Hollis Peavey's Jazz Bandits aos 17 anos. Trabalhou com vários membros do AHSG nos anos 20, inclusive com Bix Beiderbecke. Em 1927 co-liderou com Red McKenzie o McKenzie-Condon Chicagoans um dos mais populares conjuntos de Chicago. Em 1929 Condon trocou o banjo pela guitarra quando foi para New York trabalhar com os Red Nichols' Five Pennies e os Red McKenzie's Mound City Blue Blowers. Uma característica é que se dedicou à guitarra-ritmo. A guitarra tem sido muito empregada desde menores formações como trios, quartetos... até as big bands, fornecendo não só a base rítmica como a harmônica, juntamente com o piano, e muitas vezes sozinha. Quando se especifica o instrumento como sendo RHYTHM GUITAR é porque o instrumentista executa apenas o acompanhamento como parte da seção rítmica, não havendo solo. Alguns guitarristas dedicaram-se, quase que exclusivamente, a tocar na seção rítmica como por exemplo Fred Green (*1911 †1987) e Eddie Condon foi um deles.
Participou de inúmeras sessões de gravação incluíndo uma com Louis Armstrong e outra com Fats Waller em 1929. Em 1938 liderou alguns registros para o selo Commodore com grande sucesso. Durante os anos de 1937 a 44 atuou quase todas as noites no famoso Manhattan Nick's Jazz Club. De 1944 a 45 liderou uma série de gravações em um broadcast semanal transmitidos do Town Hall de NY e em 1945 Condon abriu seu próprio clube funcionando até 1967. Manteve gravações para a Columbia na década de 50 aliás magníficas em não menos magnífica edição atual de caixa da Mosaic Records.
Condon foi o primeiro a utilizar a guitarra tenor de 4 cordas e o maior difusor das concepções rítmicas da escola Chicago de Jazz juntamente com Gene Krupa. A guitarra rítmo aparentemente obscura para a maioria dos ouvintes é essencial para os músicos mantendo a pulsação, ou seja o beat tão essencial na música de Jazz. Além do instrumento, Condon costumava cantar com desempenho até bastante aceitável e nas suas apresentações em night clubs costumava também contar anedotas, dizem que muito bem. Excursionou na Inglaterra em 1957 cuja banda incluía Wild Bill Davison, Cutty Cutshall, Gene Schroeder e George Wettling. Seu último tour foi em 1964, quando tocou na Australia e Japão. Condon veio a falecer a 4/ago/1973 em New York.
CHICAGO RHYTHM KINGS - Eddie Condon (banjo e vocal), Muggsy Spanier (ct), Frank Teschmaker (cl), Mezz Mezzrow (st), Joe Sullivan (pi), Jim Lannigan (tuba), Gene Krupa (bat).
Gravação original: There'll Be Some Changes Made (Billy Higgins / W. Benton Overstreet) de 06/04/1928 - selo Brunswick 4001 (mx C-1885 A) - Chicago
Fonte: CD – Jazz from the Windy City (1927 - 1930) – selo Timeless Historical CBC1021 – 2003- USA

Nenhum comentário: