Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Mario Vieira (Manim), Luiz Carlos Antunes (Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).


BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

SONHOS E DELÍRIOS DE GRANDEZA

04 agosto 2004

Na manhã do dia 30 de junho de 2004 eu, ainda mal saído do mundo dos sonhos e do sono, achei que tinha lido esta notícia no Jornal do Brasil:

"Expansão de jazz no Rio terá crédito do BNDES. - CEJ receberá R$58 milhões para ampliar rede no Estado.

A Companhia Estadual de Jazz (CEJ), controlada pela espanhola Jazz Natural, obteve crédito de R$58 milhões do BNDES para o projeto de expansão de sua rede de distribuição.

Em comunicado veiculado ontem, o banco anunciou que vai financiar parte dos R$ 102 milhões que a CEJ investirá para estender a distribuição de jazz natural.

O projeto de expansão, segundo o BNDES, irá gerar 2,5 mil empregos e estenderá o abastecimento de jazz natural a 54 mil residências no Estado do Rio. A CEJ pretende estender a rede de distribuição de jazz canalizado aos municípios de Niterói e São Gonçalo, entre outros da região metropolitana.

A clientela potencial nos municípios beneficiados é de cerca de 90 mil residências, 1,5 mil estabelecimentos comerciais, 29 indústrias e 51 distribuidoras de combustíveis. Em seu plano estratégico para os próximos quatro anos, a CEJ propõe ampliar o número de clientes em 35% e aumentar em 50% o volume de jazz vendido até 2008."

Logo vi que aquilo se tratava de um delírio, uma mistura de falta de noção da realidade e falta de óculos. Mas tudo bem , a dura realidade não é tão dura assim, olha só :

A CEJ, Companhia Estadual de Jazz, a empresa carioca na qual tenho o cargo de contrabaixista, estava no dia 15 de julho em Ottawa, capital do Canadá, participando de um show ao lado do grande pianista Marcos Ariel e do não menos grande saxofonista canadense Jean Pierre Zanella. Os dois, em duo, acabavam de lançar o CD "Diplomatie". O show foi no teatro da National Library of Canada, a Biblioteca Nacional lá deles, e o detalhe pitoresco é que o piano usado na ocasião, quer dizer, o piano da casa é um Steinway grand piano que pertenceu ao Glenn Gould. É mole? Ah, e quem quiser importar o CD vai ter que esperar, porque o disco só sai nos EUA e no Canadá daqui a pouco... Mas aqui no Brasil já tem.

RayNaldo

Nenhum comentário: