Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Luiz Carlos Antunes (Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), , Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).

BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

12 julho 2017

REVERENCIANDO GEORGE GERSHWIN

11/julho/1937 marca a morte de  George Gershwin, um dos mais famosos compositores americanos que abraçou a música sinfônica, ópera, música popular e jazz. Seu legado a este último gênero é formidável, a partir de sua famosa Rhapsody In Blue e sua ópera Porgy And Bess, a dezenas de principalmente composições hotáveis escritas para a Broadway que se tornaram standards do jazz como Summertime, Lady Be Good, A Foggy Day In London Town, I Got Rhythm, They Can´t Take That Away From Me, That Ain´t Necessarily So, etc..
No vídeo abaixo podemos ouvir Charlie Parker, entre outros, em uma jam session organizada por Norman Granz (Jazz at Philharmonic) em improvisar sobre um dos mais famosos temas - LADY BE GOOD de 1946 (em ordem, Arnold Ross, Charlie Parker, Billy Hadnot, Lee Young Lester young, Al Killan, Willie Smith e Howard McGhee - que no vídeo com fotos, perto do fim, é visto com admiração, enquanto improvisando, um jovem Miles Davis. Os solos, especialmente de Charlie Parker, são notáveis. Esta é uma versão mais longa do que o originalmente editado em dois lados de um registro 78rpm, resgatado a partir das fitas originais.


(traduzido e adaptado de Noticias de Jazz)


video





Nenhum comentário: