Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Luiz Carlos Antunes (Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), , Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).

BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

14 novembro 2016

FESTIVAL INTERNACIONAL DE LONDRES - 2016

Mais de 1500 músicos em 30 lugares, por 10 dias !
No primeiro fim de semana do London International Festival 2016 45 grupos se apresentaram  em vários lugares diferentes da capital britânica.
Este padrão se repete para os próximos dias até domingo que vem, dias em que os nomes mais proeminentes serão: Wayne Shorter, Danilo Perez, John Patitucci, Brian Blade, Joey Alexander (estreia em Londres), Chris Potter, Brad Mehldau, Joshua Redman, Dave Holland, Jan Garbarek, San Francisco Jazz Collective, Yolanda Brown, Robert Glasper, Jason Moran, Christian Scott, Tord Gustavsen, Tim Garland, The Cookers, Enrico Rava, Ambrose Akinmusire, The Big Shake Up, Guy Barker, Norma Winstone, David Murray, Terri Lyne Carrington, Geri Allen, Carla Bley, Evan Parker, Kurt Elling, Takuya Kuroda, BBC Jazz Orchestra, Peter king, Jean Toussaint, London Jazz Orchestra, Marcus Roberts, entre centenas de outros.
Todos os dias haverá sessões de jazz para crianças, bem como discussões públicas com áudio ou música ao vivo, seminários, palestras, exposições e oficinas musicais, exibições de filmes que incluem filmes e mini documentários.
Cada noite vai terminar com "jam sessions" organizadas de modo a atingir vários locais de jazz da cidade.
Os 30 lugares onde se pode ouvir jazz  vão desde as famosas salas de concerto Royal Festival Hall, Barbican e Cadogan Hall, a bares e pequenos clubes de jazz, de teatros até salas de aula universitárias. Esses lugares são distribuídos em cinco áreas geográficas de Londres: Norte, Sul, Leste, Oeste e Central.
O Festival Internacional de Londres começou nos anos 70 e nas duas últimas décadas tornou-se um dos mais importantes do mundo. Os ingressos para muitas dos principais concertos já tinham se esgotado vários meses atrás.

(traduzido e adaptado do blog Noticias de Jazz de Pablo Aguirre)

2 comentários:

Nelson disse...

Putz !!!!!! E ainda tem gente que diz que o jazz tá morrendo. São uns idiotas e incultos, de uma visão curta limitada à "terrinha".
KEEP JAZZ ALIVE

"Nels"

Anônimo disse...

"Best of the Best Today", poderia chamar-se a essa escalação. Ausência notada? Sonny Rollins. Mas é timaço pra ninguém reclamar. Sonho de consumo. E de ubiqüidade, para não perder nada.
Capital do mundo, Londres não deixa barato. Se é para fazer, façamos o que podemos melhor. Exemplo pro restante.
Abs,
MauNah