Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Luiz Carlos Antunes (Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), , Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).

BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

14 novembro 2016

APRENDER A OUVIR: AUTOBIOGRAFIA DE GARY BURTON


O vibrafonista lendário e educador Gary Burton publicou seu livro autobiográfico intitulado "Learning To Listen: The Jazz Journey of Gary Burton" (Aprender a ouvir: A Viagem Através Do Jazz de Gary Burton).
Para formalizar o lançamento, Burton voltou à sua velha alma mater, Berklee School of Music, onde também ensinou e onde havia eventos especiais marcando tal lançamento.
Gary Burton -- ganhador de sete Grammys, incluindo um grande número de outros prêmios e honrarias -- ligado que foi à prestigiosa escola por 50 anos, onde estudou, ensinou e dirigiu grupos de música e seminários. Antes de ensinar, ele estudou lá até 1962, quando se juntou aos conjuntos de George Shearing, criando um novo som no jazz para piano, guitarra elétrica e vibrafone em uníssono, que se tornou muito popular naqueles dias, e ao saxofonista Stan Getz.
Em 1996, foi nomeado Primeiro Vice-Presidente Executivo da Berklee College of Music, da qual ele se aposentou em 2004.
Por sua vez, Burton decidiu comemorar oficialmente o lançamento nessa instituição, tão perto de seu coração, tocando com seu quinteto.
Os participantes receberam discos gratuitos de concertos e cópias autografadas do livro.
Em "Learning To Listen: The Jazz Journey of Gary Burton", o autor relata sua vida desde que começou a estudar música aos 6 anos de idade em uma pequena fazenda no meio do país até seu trabalho como pioneiro do instrumento com sua introdução de 4 baquetas para executar o vibrafone.
De longe, o livro traça a história do jazz mais moderno, uma vez que ele tocou com Chet Atkins em Nashville, até seus mais recentes conjuntos, incluindo as associações com grandes nomes do jazz, especialmente Chick Corea e colaborações na periferia do Jazz que teve com Astor Piazzolla, Eric Capton, várias orquestras e até música clássica.


(traduzido e adaptado do blog Noticias de Jazz de Pablo Aguirre)

Um comentário:

Nelson disse...

Quem "é bom"´é BOM MESMO

"Nels"