Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Luiz Carlos Antunes (Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), , Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).

BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

23 maio 2016

COLEÇÕES: Thelonious Monk, Miles Davis, Clifford Brown, John Coltrane




Algum tempo atrás surgiu a informação de que o famoso selo de jazz "Blue Note", anunciava o lançamento de coleções em caixas de luxo, com a música de Miles Davis, Clifford Brown, John Coltrane e Thelonious Monk, acompanhadas de ilustrações dos álbuns originais, folhetos com fotografias e notas, bem como novos ensaios sobre músicos.
A coleção já está no mercado. São elas:
1. Miles Davis’ Take Off: The Complete Blue Note  Albums; 
2. Clifford Brown, Brownie Speaks: The Complete Blue Note Recordings Sideman;
3. Trane’s Blue Note Sessions, de John Coltrane &    Thelonious Monk  ’Round Midnight: The Complete Blue Note Recordings. 

As três coleções trazem gravações originalmente publicadas pela "Blue Note", além de serem tecnicamente melhoradas incluem faixas alternadas inéditas. A maioria das gravações publicadas (pertencentes à "juventude musical" desses quatro músicos) não tinham sido reeditadas em CD ou em qualquer formato digital, o que acrescenta imenso valor para as coleções.

[adaptado de Noticias de Jazz]

2 comentários:

pedrocardoso@grupolet.com disse...

Estimado MÁRIO JORGE:

Aguardamos para conferir.

PEDRO CARDOSO

Nelson disse...

Podemos chamar isso de "Revisited". As gravadoras são "ótimas". Esperam o prazo legal (acho que 20 ou 30 anos)pr'a "lançarem" as gravações de "rejeito de estúdio" do artista, para não ter que pagar direitos autorais `a família ou herdeiros dos caras. A "DIAL" fazia muitas de suas gravações "clandestinas". São "coisas do negócio" da musica.
Vamos aguardar. E as originais da época que vc. possui ?. Haja espaço doméstico.

Abçs.

"Nels"