Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Luiz Carlos Antunes (Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), , Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).

BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

30 março 2016

PEQUENA HISTÓRIA DO “WEST COAST JAZZ” (3a PARTE)



PESQUISA E TEXTO POR NELSON REIS

E – A “CASA DE LUZ” – “THE LIGHTHOUSE”

Assim como a fase “bop” criou verdadeiros celeiros de bons músicos desse estilo em “night clubs”, como “Minton’s”, “Three Duces” e o “Birdland”, muitos deles localizados na famosa Rua 52, em Nova York, o estilo “West Coast” teve também seus vários redutos, na Califórnia. Casas como “Bill Berg’s”, “The Blackhawk”, ”Zardy’s”, “The Haig”, “The Peacock” foram redutos de vivificação do estilo. Todavia, as duas mais notáveis - não obstante o “The Haig”, onde o quarteto sem piano de Mulligan apresentou-se pela primeira vez  -   foram o “Lighthouse” e o “Shelly’s Manne Hole”.


A famosa “Casa de Luz”, mais conhecida como “The Lighthouse”, um velho farol náutico em Hermosa Beach, na Califórnia, ficou como um símbolo físico do jazz californiano, dos anos 50. Sendo criado pelo contrabaixista Howard Rumsey com o apoio de John Levine, o Lighthouse Café, veio a tornar-se cenário de grandes “jam sessions” e o “time da casa”, liderado por Rumsey, ficou sendo conhecido como “The Lighthouse Group” e, mais tarde “The Lighthouse All Stars”.







         





Grandes figuras foram para lá se confraternizar musicalmente, como Miles Davis com Chet Baker (tp), Max Roach com  Shelly Manne (bat) e Cannonball Aderley com Bob Cooper.(sax)

O contrabaixista Howard Rumsey nascido em 1917, estudou piano, depois bateria e, finalmente, contrabaixo com o qual estreou na Orquestra de Stan Kenton em 1941 a quem conhecera no “Mandarin Ballroom” em Redondo Beach em 1938, onde Stan Kenton atuava como pianista da Orquestra de Vido Musso.
A estreia com Stan Kenton, deu-se no “Palladium”, no sábado véspera que antecede o ataque japonês em Pearl Harbour, tendo ido para New York com Kenton para atuar no “Cinderella Ballroom”. Celebrizou-se na sua atuação dessa orquestra através do tema “Concerto for a Doghouse”. Influenciado por Jimmy Blanton em seu instrumento, volta em 1949 para Hermosa Beach, Califórnia, após tournée em Baltimore e depois de ter ido trabalhar com Charlie Barnet e Barney Bigard.  Daí, conhece John Levine e, propõe levantar o bar com “jam sessions” aos domingos à tarde. Foi um árduo convencimento mas o sucesso que adveio dessa união foi grande e confiante a tal ponto que jamais ambos assinaram um contrato.

F – O “SHELLY’S MANNE-HOLE”

Assim como Howard Rumsey conseguiu o apoio de John Levine, Shelly Manne também conseguiu o de Rudy Onderwyser, para constituição de seu “night club”.
A maioria dos clubes como o The Haig, Billy Berg’s, The Peacock e o Zardy’s,  em 1960, já haviam desaparecido. Basicamente, restavam o “Lighthouse”, o “Renaissance” e o “The Summit” e “Shelly Manne & his Men” faziam sucesso havia 5 anos, no topo da lista de popularidade, mas só faltava ao “patrão” uma sede. Marcou um jantar com Rudy e, como resultado, a dupla constituiu o melhor clube de jazz da Costa Oeste, depois do “Lighthouse”.
Ali vão desfilar todos os maiores expoentes do jazz e, inclusive, a estreia em território norte-americano do niteroiense Sergio Mendes. Este celeiro irá abrigar nomes como Stan Getz em 64, Wes Montgomery em 66, Eddie Harris em 68 e Roberta Flack em 1970, para citar apenas alguns.
Todavia, Shelly guardou boas lembranças e também penosas, como foi a morte de seu trompetista Joe Gordon em um incêndio e do tenorista Joe Maini que suicidou fazendo “roleta russa” e Shelly Manne que teve a desagradavel tarefa ao ser chamado para identificar o corpo.
Mas o declínio do clube estava a caminho, porque os estúdios do império do milionário Wally Heider gravavam rockn’roll 24 horas por dia, que ficava ao lado do “Manne’s Hole e, não havia como manter um trio de jazz que só tinha música acústica e estava com dificuldade de ser ouvido, portanto não teve como renovar um contrato numa casa em tais condições.  A maior parte do ano de 1972 foi dedicada à procura de uma nova localização para o “Manne-Hole”, mas o custo dos aluguéis estava proibitivo e até o próprio Lighthouse já convidara Manne e seu grupo para se reinstalarem naquela casa. Mas, Shelly não via mais  condições de retornar a Hermosa Beach e, no outono de 1972, após 12 anos de existência, o Shelly’s Manne Hole fechou as portas. 



(continua na próxima semana)


4 comentários:

Anônimo disse...

Bela sequência sobre a saga do "WC", muito mais que um estilo, uma epopéia de bom gosto e de encontros musicais fascinantes.
À distância deliciava-nos com cada lançamento que aportava em nossa terrinha, enquanto nos USA a história ia acontecendo.
Época dourada, plena de MÚSICA.

PEDRO CARDOSO

Anônimo disse...

mais uma ótima aula sobre a west coast belo trabalho Nelson
Carlos Lima

Carlos Tibau disse...

Amigo Nelson
Obrigado pela série de matérias sobre o West Coast. Parabéns pelos textos e pela pesquisa. Já copiei e anexei nos meus arquivos estas aulas. Parabéns.
Forte abraço

Nelson disse...

Amigos,

Obrigado "pela força", porque como vocês sabem este e qualquer outra matéria, que envolve aspectos ou épocas do nosso jazz, não cabem num "simples artigo" de um blog. Os assuntos são vastos, mas tentamos fazer uma síntese dos fatos e principais aspectos que cercaram um período em que - posso dizer - infiltrei-me na senda do jazz (1953 /4)e quando vivificava este estilo.
Foi um período de pouco mais de 10 anos, mas uma corrente de forte contribuição ao "mundo do jazz)
A todos, o meu Muito Obrigado. E, VAMOS MANTER O JAZZ VIVO.

Abçs.

"Nels"