Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Luiz Carlos Antunes (Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), , Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).

BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

25 maio 2015

COLUNA DO MESTRE LOC NO JB

Filho de Clint Eastwood é estrela no jazz

Por Luiz Orlando Carneiro, em 23/5/15

Clint Eastwood, 84 anos, ícone do cinema americano, tanto como ator como premiado diretor (Sobre meninos e lobos, Menina de Ouro, Cartas de Iwo Jima), é também jazzófilo, pianista amador, e tem participado da composição de trilhas sonoras para seus próprios filmes. Pai de sete filhos - de dois casamentos e quatro uniões - não é surpreendente o fato que um deles tenha se dedicado à música, e se tornado jazzman profissional. E dos bons!

O contrabaixista Kyle Eastwood, que completou 47 anos na última terça-feira (19/5), não surgiu ontem na cena jazzística. Sua discografia na condição de líder começou em 1998, com From there to here (Columbia). Foi acrescida de três álbuns para o selo francês Rendezvous (Paris Blues, 2004; Now, 2006; Metropolitan, 2009). E consolidou-se com Songs from the Chateau (Mack Avenue, 2011) e The view from here (Jazz Village, 2013).

Kyle cresceu na California, na cidade litorânea de Carmel, da qual o seu famoso pai foi até prefeito. Mas, nos últimos 10 anos, o baixista viveu e tocou, principalmente, em Paris e em Londres. O seu atual quinteto europeu inclui os ingleses Brandon Allen (saxes tenor e soprano), Quentin Collins (trompete e flugelhorn), Andrew McCormack (piano) e o baterista cubano Ernesto Simpson, há muito radicado em Londres.

É com este grupo que Kyle Eastwood exibe sua notável técnica nos baixos acústico, elétrico e fretless electric, além de seus dons de compositor, no novo CD Time pieces (Jazz Village), gravado em estúdio, em junho do ano passado.

“Este álbum foi todo feito em torno da música que eu realmente amo, aquela da 'Era Blue Note' dos anos 50 e 60 (referência à etiqueta que consagrou o hardbop) – disse ele em entrevista recente. “São coisas que meus pais costumavam ouvir em casa quando eu era bem jovem. Eu queria gravar Blowin' the blues away, de Horace Silver, e Dolphin dance, de Herbie Hancock. Então comecei também a escrever originais para o álbum, e as outras peças foram surgindo no mesmo estilo”.

Time pieces contém – além de Blowin' (4m30) e Dolphin (7m20) – mais oito faixas com temas e arranjos escritos por Kyle ou por ele em conjunto com seus pares.

O quinteto é particularmente efusivo e brilhante na deliciosa peça inicial, Caipirinha (7m05), na levada funky de Prosecco smile (5m), em Peace of Silver (6m50) e em Bullet train (5m10) – esta última bem de acordo com a tradução do título (trem-bala). Vista (8m30) é tratada num clima melancólico, com realce para o flugel de Quentin Collis e, é claro – como no disco todo - para o engenho e a arte de Eastwood. O tema de Letter from Iwo Jima (3m40) é interpretado em duo (piano-baixo elétrico), em “feitio de oração”. Incantation (6m15) e Nostalgique (4m30) também refletem muito bem, nos arranjos e solos, as propostas dos seus títulos.

(Samples do CD Time pieces podem ser ouvidos em: http://store.harmoniamundi.com/time-pieces-6781.html)

OS PREMIADOS DA JJA

A Jazz Journalists Association (JJA) anunciou, no último dia 15, os resultados da votação dos destaques do ano março 2014-março 2015. Participaram da eleição anual mais de 400 jornalistas especializados do mundo todo, que escolheram o pianista-compositor Randy Weston, 89 anos, para o prêmio mais significativo: o “Lifetime Achievment in Jazz”. Ou seja, o de conjunto e importância da obra de Weston em mais de seis décadas dedicadas a esse modo de expressão musical de raízes afro-americanas, mas cada vez mais globalizado.

O pianista Jason Moran, 40 anos, que é também diretor do departamento de jazz do Kennedy Center, foi eleito o “músico do ano”.


Na categoria “álbum do ano”, o mais votado na eleição da JJA foi o CD The art of conversation (Impulse), um duo gravado, em março do ano passado, por mestres Kenny Barron (piano) e Dave Holland (baixo). Este disco foi comentado e indicado nesta coluna (25/10/2014).

Nenhum comentário: