Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Luiz Carlos Antunes (Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), , Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).

BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

12 maio 2015

COLUNA DO MESTRE LOC NO JB MENCIONA CJUBIANO BENÉ-X

Foi do confrade Bené-X a idéia de interessar Duduka nessa trilha pouquíssimo explorada do jazz, a das composições, arranjos e interpretações, por músicos estrangeiros - majoritariamente mas não exclusivamente norte-americanos - de temas baseados ou inspirados na música ou na repercussão nesses, de aspectos da cultura brasileira. O fato é que Duduka não apenas gostou e encampou a sacada e o resultado está expresso nesse álbum. E Duduka fez questão de mencionar nas liner notes esse reconhecimento a seu amigo David Benechis.


O Jive samba de Duduka Da Fonseca

por Luiz Orlando Carneiro em 9/5/15


"Jive samba é o título do mais recente CD do carioca Duduka Da Fonseca, mestre da bateria de renome internacional, radicado em Nova York desde 1975. Recém-editado pelo selo Zoho, o disco foi gravado no Rio de Janeiro, em abril do ano passado, por um trio integrado por dois outros excelentes músicos brasileiros, muito afinados com o líder no balanço do samba jazz: o pianista David Feldman e o baixista Guto Wirtti.

Duduka firmou o seu prestígio lá fora, como arauto do samba jazz (jazz moderno com temática e tempero do samba), à frente do Trio da Paz, na companhia dos também émigrés Romero Lubambo (guitarra) e Nilson Matta (baixo). Os três fizeram muito sucesso com os álbuns Black Orpheus (Kokopelli, 1994), Partido out (Malandro Records, 1998), e Café(Malandro, 2002) – este último com a participação do eminente saxofonista Joe Lovano.

Mais recentemente, em 2012, as revistas e site especializados deram especial destaque a Samba jazz-Jazz samba, registro da etiqueta Anzic de um quinteto comandado pelo baterista, tendo como parceiros a aclamada clarinetista-saxofonista Anat Cohen e os brasileiros também novaiorquinos Hélio Alves (piano), Guilhrme Monteiro (guitarra) e Leonardo Cioglia (baixo).

Agora, em Jive samba, Duduka volta a atuar em trio – sua formação favorita – mas a partir de uma nova concepção temática, assim descrita pelo produtor Todd Barkan, nas notas do próprio CD:

“A ideia fundamental deste projeto especial germinou a partir de uma conversa entre Duduka e o seu amigo David Benechis (um advogado e escritor brasileiro) há muitos anos, quando Duduka estava de visita à cidade natal, o Rio de Janeiro: interpretações mágicas de composições inspiradas na música brasileira de grandes compositores jazzísticos americanos tais como Keith Jarrett, Joe Henderson, Clare Fischer e John Scofield”.

Duduka da Fonseca acrescenta: “Cresci ouvindo intensivamente – e aprendendo – a obra de caras como Wayne Shorter, McCoy Tyner, Herbie Hancock, Chick Corea e outros ícones do jazz americano. E, em matéria de música, tem sido uma das experiências mais gratificantes da minha vida ver e ouvir o quanto muitos desse Gigantes foram profundamente influenciados artisticamente pela música e pela cultura brasileiras”.

Assim é que o trio Duduka-Feldman-Wirtti interpreta, em interação contínua – mesmo nos momentos de solos propriamente ditos – 10 peças assinadas por 10 músicos excepcionais que enriqueceram a discografia jazzística, marcadamente nas décadas de 60 e 70.

Estas composições e seus respectivos autores são: Jive samba (4m30), de Nat Adderley; Lucky Southern (5m10), Keith Jarrett; Sco's Bossa (6m40), John Scofield; Recorda me (5m05), Joe Henderson; Peresina (6m45), McCoy Tyner; Clouds(6m35), Kenny Barron; Pensativa (6m), Clare Fischer; Speak like a child (4m25), Herbie Hancock; El gaucho (4m10), Wayne Shorter; Samba Yantra (4m35), Chick Corea.


Como se pode ver, um menu muito atraente preparado e executado por um trio que, ainda segundo Todd Barkan, se tornou, nos últimos cinco anos, “um dos mais engenhosos e coesos conjuntos desse tipo, em termos harmônicos e rítmicos”."

Nenhum comentário: